Você é um criador do seu próprio destino ou Deus?

Deus tem um plano para cada pessoa antes de nascer ou é uma pessoa que faz o seu próprio destino?

Existem duas respostas para essa pergunta. Essa pessoa, que é um “eu” separado de Deus, pode é claro, ser um criador de seu próprio destino. Conhecemos casos de pessoas que, no que diz respeito à capacidade de qualquer tipo, eram fracassos totais, provavelmente não poderiam ganhar a vida se tivessem que sair pelo o mundo e competir por ela, mas mas mesmo assim se tornaram presidente do Estados Unidos. (risos da platéia)

Um ser humano pode decidir sobre uma carreira e ser forçado atravessa-la. Eles podem acabar quebrados durante essa tentativa, mas eles o recebem em seus caminhos. É possível, é claro, que uma pessoa, digamos, seja um vendedor, deseje ser um grande vendedor, ou um grande vendedor em fazer dinheiro, e se ele tiver falta de escrúpulos, se você puder expressar isso. Dessa forma, ele pode forçar isso também.

Sim, um ser humano pode ser um criador do seu próprio destino. Um pequeno cabo na Alemanha chegou a ser um ditador. Analfabeto, inteiramente sem moral, provavelmente até imoral por tudo que conhecemos, sem escrúpulos, sem consciência, mas ele irritou o mundo. Ele era o criador do seu próprio destino.

Se você pensa em si mesmo como um ser humano, e decide que farei isso ou aquilo outro, você poderá realizá-lo. Às vezes isso pode ser feito; e, às vezes, depois disso, você sentirá muito, porque poderá ter um fim desastroso. Assim como Napoleão em Alba ou César, que foi morto por sua ambição. Há muitos casos em que as pessoas alcançam seu objetivo humano e isso pode ser feito com impulso; isso pode ser feito com esforço; isso pode ser feito com sutileza de propósito.

Então, desse ponto de vista como um ser humano, eu diria que, dado o suficiente desse impulso, uma pessoa poderia ser o criador de seu próprio destino. Mas isso definitivamente não é a verdade do ser. Isso definitivamente não é a verdade espiritual do ser. A verdade do ser é esta: Deus se manifesta como ser individual. E como tal, Deus tem um propósito para si mesmo e todas as suas formas individualizadas de expressão. Você pode dizer que Deus tem um propósito para si mesmo como uma orquídea e um propósito totalmente diferente para si mesmo como uma rosa. Deus tem um propósito para si mesmo como artista e um propósito totalmente diferente para si mesmo como músico.

Se você já conheceu uma criança pintora de seis, oito ou dez anos de idade, ou um músico, um artista de qualquer espécie, você certamente saberá que essa criança não é a criadora de seu próprio destino. Deus estava trabalhando em seu propósito como o  dom daquela criança, e essa criança não tinha como resistir. Provavelmente não poderia ter sido outra coisa senão um pianista, e provavelmente um dos melhores, porque o que quer que Deus estivesse fazendo como aquela alma, não deixaria descansar até que isso desse certo.

E assim, com nossos grandes artistas ou escultores, designers, qualquer forma de arte ou ainda escritores, compositores, autores. Você não poderia dizer que essas pessoas resolveram o seu destino. Agora eu não quero dizer os escritores da Forever Amber ou algo assim. Eles estavam trabalhando em seu próprio destino, talvez. Mas quero dizer os escritores sérios – aqueles que deram literatura e poesia verdadeira, a verdadeira arte para o mundo. Você não pode dizer que eles estavam trabalhando em seu destino, porque eles não tinham controle sobre o dom deles. Foi um dom que eles encontraram dentro de seu próprio ser e se eles desejassem deixar isso acontecer, eles não poderiam ter feito isso. Havia algo que acompanhava aquele dom que os forçava a dar-lhe saída e expressão no plano externo.

Ah não. Você não é o criador de seu próprio destino quando está trabalhando do ponto de vista de sua identidade espiritual, já que abandonou seu senso pessoal de desejo ou ambição e deixou Deus ter Seu caminho com você. Então você não está elaborando o seu destino, é Deus trabalhando em seu destino como você.

Certamente, aquele homem em San Francisco que era um criminoso, e tão bom que aos 26 anos de idade, ele tinha quatro mandatos e o último aos 20 anos, estava dando certo em seu destino. Mas uma vez que ele relaxou, soltou e percebeu a profundidade do que ele havia trazido para si mesmo, e se entregou, e gritou: “Oh, Deus”.

Então Deus teve a oportunidade de desenvolver seu destino como seu ser. Neste dia, ele foi um dos maiores missionários, um dos maiores reformadores do trabalho na prisão e metafísico, porque teve contato com Deus, que permitiu a Deus desenvolver o próprio destino de Deus como a alma desse homem.

 

Sim, se você olha para si mesmo como um ser humano, do ponto de vista de fora daqui, e quer determinar o que gostaria de fazer e depois quer pagar o preço alto em estudo, trabalho, energia e todo o resto das coisas necessárias a fim de atingir isto. Você pode trabalhar o seu próprio destino, mas do nosso ponto de vista, isso não é verdade. Nosso ponto de vista é o seguinte: não olhamos para o mundo a partir do efeito, mas da Causa. Nós vemos Deus como a mente, a alma, o espírito, o todo de cada indivíduo. E, portanto, devemos reconhecer que Deus, o Princípio Criativo, Deus, a Inteligência Divina, deve incluir um plano inteligente e amoroso para si mesmo em toda a sua forma e variedade infinitas.

Qualquer um então que relaxa suficientemente com humildade para se abrir para este influxo de Deus, pode dizer:

“Não, eu não estou elaborando meu destino, Deus está trabalhando em Seu destino como eu”, ou se preferimos, podemos dizer “Deus está elaborando meu destino para mim”. Para mim, isso parece uma sensação de separação; então eu gosto mais de:

“Deus está elaborando seu próprio plano como meu ser individual”.

people-with-different-professional-education

E assim quando nascemos, como parecemos estar nessa atividade humana, e nossos pais decidem por nós que somos homens ou mulheres de negócios, e nos tornamos isso, nesse sentido, ou nós ou nossos pais estão trabalhando em nosso destino. Mas, se chegarmos a um lugar ou outro onde um impulso interior, um sentimento puro, um desejo ardente por Deus vem, e fazemos o contato, a partir de então, todo esse negócio é eliminado e você se encontra em uma atividade metafísica ou espiritual. E então você pode dizer que Deus assumiu e Deus agora está cumprindo Sua função.

É por isso que eu disse que quando nos preocupamos com nossas atividades humanas comuns, não estamos cumprindo o plano de Deus. Essas são as atividades humanas que nos chegaram por causa de nosso senso de separação. Quando chegamos a esse lugar de nos abrirmos e receber esse impulso divino, nossos caminhos então são conduzidos à expressão real da atividade espiritual, e isso seria, é claro, nas artes, na literatura, no trabalho espiritual, em qualquer coisa que é o retrato direto da atividade de Deus.

 

fonte: Fita 612B Perguntas e Respostas em 1951 Segunda Série Portland – Joel S. Goldsmith – Caminho Infinito.

Disponibilizando esse texto em escrito devido ao áudio da aula não estar de boa qualidade.

 

 

 

Autor: CAMINHO INFINITO NA PRÁTICA - reggisbrother

Coach Místico. Não sou nada. Não busco nada de ninguém. Nunca serei nada e nem posso querer ser nada. Apenas compartilhando a Graça. Paz, fique calmo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s