Ame o teu próximo

Ame o teu próximo por Joel S. Goldsmith do Livro: Praticando a Presença

adult business close up friendship
Foto por Pixabay em Pexels.com

Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, e com toda a tua alma e com toda a tua mente. Este é o primeiro e grande mandamento.E o segundo é como isto, Tu deverás amar o teu próximo como a ti mesmo. (Mateus 22: 37-39)

Os dois grandes mandamentos do Mestre formam a base do nosso trabalho do Caminho Infinito. No primeiro e grande mandamento, somos ensinados que não há poder separado de Deus. Nossa percepção deve ser sempre que o PAI dentro de nós, o Infinito Invisível, é a nossa vida, a nossa Alma, o nosso Suprimento, a nossa Fortaleza e a nossa Torre Alta . Em seguida, em importância, está o mandamento de “amar o próximo como a si mesmo”, e seu corolário que devemos fazer aos outros como gostaríamos que os outros fizessem a nós.

O que é amor no sentido espiritual?

Qual é o amor que é Deus?

Quando nos lembramos de como Deus estava com Abraão, com Moisés no deserto, com Jesus, João e Paulo, ministrando a eles, a palavra “amor” ganha um novo significado. Nós vemos que esse amor não é algo distante, nem é algo que possa vir até nós. Já faz parte do nosso ser, já estabelecido dentro de nós; e mais do que isso, é universal e impessoal. À medida que esse amor universal e impessoal flui de nós, começamos a amar o próximo, porque é impossível sentir esse amor por Deus dentro de nós e não amar o próximo.

“Se alguém disser que ama a Deus, e se aborrece com seu irmão, é mentiroso; porque aquele que não ama a seu irmão, a quem ele viu como pode amar a Deus a quem não viu?” (I João 4:20)

Deus e o homem são um, e não há como amar a Deus sem que parte desse amor flua para o próximo.

Vamos entender que qualquer coisa da qual possamos nos tornar conscientes é um próximo, seja como pessoa, lugar ou coisa. Toda ideia na consciência é um próximo. Podemos amar o próximo como o vemos, ou não possuindo poder, exceto o que vem de Deus. Quando vemos Deus como a causa e nosso próximo como aquilo que está “Em” e “De” Deus, então estamos amando nosso próximo, quer esse próximo pareça um amigo, parente, inimigo, animal, flor ou pedra. Em tal amor, que entende que todos os vizinhos são de Deus, derivados da substância de Deus, descobrimos que toda ideia na consciência toma seu lugar de direito. Os vizinhos que fazem parte da nossa experiência encontram o caminho para nós e os que não são, estes serão removidos.

Vamos resolver amar o nosso próximo em uma atividade espiritual, vendo o amor como a substância de tudo o que é, não importa qual seja a forma. À medida que nos elevamos acima de nosso estado de humano para uma dimensão mais elevada da vida, na qual entendemos que nosso próximo é um ser espiritual puro, governado por Deus, nem bom nem mau, somos verdadeiramente amorosos.

O amor é a Lei de Deus. Quando estamos em sintonia com o Amor Divino, amando seja amigo ou inimigo, então o amor é uma coisa gentil trazendo paz. Mas é gentil apenas enquanto estamos em sintonia com ela. É como eletricidade. A eletricidade é muito gentil e cordial dando luz, calor e energia, desde que as leis da eletricidade sejam obedecidas. No minuto em que eles são violadas ou trocadas, a eletricidade se torna uma faca de dois gumes. A lei do amor é tão inexorável quanto a lei da eletricidade.

Agora, vamos ser muito claros em um ponto:

Não podemos prejudicar ninguém, e ninguém pode nos prejudicar. Ninguém pode nos ferir, mas podemos nos prejudicar por uma violação da Lei do amor. A penalidade é sempre sobre aquele que está fazendo o mal, nunca sobre aquele a quem é feito. A injustiça que fazemos ao outro reage sobre nós mesmos; o roubo de outro nos rouba. A Lei do Amor torna inevitável que a pessoa que parece ter sido prejudicada seja realmente abençoada. Ele tem uma oportunidade maior de se levantar do que nunca, e geralmente algum benefício maior vem a ele do que jamais sonhou ser possível. A prova completa de que isso é verdade está na única palavra “Eu”. Deus é nossa individualidade. Deus é meu “Eu” e Deus é o seu “Eu”. Deus constitui meu ser, pois Deus é minha vida, minha alma, meu espírito, minha mente e minha atividade. Deus é meu “Eu”. Esse “Eu” é o único “Eu” que existe – o meu “Eu” e o seu “Eu”. Se eu roubar o seu “Eu”, a quem estou roubando?

Eu mesmo.

Se eu mentir sobre o seu eu, sobre quem eu estou mentindo?

Eu mesmo.

Se Eu enganar seu Eu, Qual Eu trapaceio?

Eu mesmo.

Existe apenas um Eu, e o que eu faço para outro, eu faço para o meu Eu.

 

O Mestre ensinou essa lição no vigésimo quinto capítulo de Mateus, quando Ele disse: Visto que fizestes a um destes meus irmãos, fizestes a mim”.

person gather hand and foot in center
Foto por Pixabay em Pexels.com

O que faço de bom para você, Eu não estou fazendo nada por você; é para o meu benefício. O que eu faço de mal para você, não vai machucá-lo, pois você encontrará uma maneira de se recuperar dele; a reação de fato ocorrerá em mim. Devemos chegar ao lugar onde realmente acreditamos e podemos dizer com todo o nosso coração:

“Existe apenas um Eu. A injustiça que estou fazendo a outro, estou fazendo comigo mesmo. A falta de consideração que mostro a outra pessoa, estou mostrando a mim mesmo”.

Nesse reconhecimento, o verdadeiro significado de fazer aos outros o que gostaríamos que fizessem a nós é revelado.

Deus é um ser individual, o que significa que Deus é o único Ser, e não há como ferir ou o mal entrar para contaminar a infinita pureza da Alma de Deus, nem nada que o mal possa atingir ou ao qual possa se ligar. Quando o Mestre repetiu a antiga sabedoria: “Portanto, tudo quanto quiserdes que os homens vos façam, assim também façam a eles, porque esta é a lei e dos profetas”.

Ele estava nos dando UM PRINCÍPIO. A menos que façamos aos outros o que gostaríamos que os outros fizessem a nós, prejudicamos não os outros, mas a nós mesmos. Neste estado atual da consciência humana, é verdade que os maus pensamentos, atos desonestos e palavras impensadas que infligimos a outros, os prejudicam temporariamente, mas sempre no final, descobriremos que o dano não era tão grande para eles como foi para nós mesmos.

Nos dias que se seguirão, quando os homens reconhecerem a grande verdade de que Deus é a individualidade de cada indivíduo, o mal que se dirige a nós de outro nunca nos tocará, mas se voltará imediatamente sobre aquele que o envia. Na medida em que reconhecemos Deus como nosso ser individual, percebemos que nenhuma arma que é forjada contra nós pode prosperar porque o único “Eu” é Deus. Não haverá medo do que o homem pode fazer para nós, já que nosso Ser é Deus e não pode ser ferido. Tão logo a primeira realização desta verdade nos chega, não nos preocupamos mais com o que nosso próximo faz para nós. De manhã, meio dia e a noite devemos vigiar nossos pensamentos, nossas palavras e nossos atos para assegurar que nós mesmos não somos responsáveis por qualquer coisa de natureza negativa, que teria repercussões indesejáveis.

Isso não resultará em sermos bons porque tememos consequências maléficas. A revelação do único “Eu” vai muito além disso. Permite-nos ver que Deus é nossa individualidade, e que qualquer coisa de natureza errônea ou negativa que emana de qualquer indivíduo tem poder apenas no grau em que nós mesmos lhe damos poder. Assim, o que quer que seja do bem ou do mal que fazemos aos outros, fazemos ao Cristo do nosso próprio ser. “Na medida em que o fizestes a um dos menores destes meus irmãos, tendes feito a mim.” Naquele entendimento, veremos que esta é a verdade sobre todos os homens, e que o único caminho para um sucesso e satisfazer a vida é entender o próximo como nosso Ser.

O Mestre nos instruiu especificamente sobre as maneiras pelas quais podemos servir nossos semelhantes. Ele enfatizou a ideia de serviço. Sua missão inteira era curar os enfermos, ressuscitar os mortos e alimentar os pobres.

No momento em que fazemos-nos de “canais” para a saída do Amor Divino, a partir desse momento, começamos a servir uns aos outros, expressando amor, devoção e partilha, tudo em nome do Pai.

soldier-military-uniform-american.jpg
Foto por Pixabay em Pexels.com

Vamos seguir o exemplo do Mestre e não buscar glória para nós mesmos. Com ele sempre foi o PAI quem faz as obras. Nunca há espaço para autojustificação, justiça própria ou auto-glorificação no desempenho de qualquer tipo de serviço. Compartilhar uns com os outros não deve ser reduzido a mera filantropia. Algumas pessoas se perguntam por que se vêem sem nada quando sempre foram tão caridosas. Eles se enxergam em dias difíceis porque acreditam ter dado de suas próprias posses; enquanto a verdade é que “a Terra é do Senhor e toda a sua plenitude”. Se expressamos nosso amor por nossos semelhantes, percebendo que não estamos dando nada de nós mesmos, mas tudo é do PAI, de quem todo dom bom e perfeito vem, então poderemos dar livremente e descobrir que, com toda a nossa doação, ainda restam doze cestos cheios. Acreditar que estamos dando nossa propriedade, nosso tempo ou nossa força reduz tal doação à filantropia e não traz recompensa. A entrega verdadeira vem quando dar é um reconhecimento de que “a Terra é do Senhor”, e que, se doamos nosso tempo ou esforço, não estamos dando do nosso, mas a do Senhor. Então estamos expressando o amor que é de Deus.

Quando perdoamos, o amor Divino está fluindo de nós. Ao orarmos por nossos inimigos, estamos amando Divinamente. Orar por nossos amigos não há proveito nenhum. As maiores recompensas da oração irão surgir quando aprendemos a separar períodos específicos todos os dias para orar por aqueles que nos usam inoportunamente, orar por aqueles que nos perseguem, orar por aqueles que são nossos inimigos – não apenas inimigos pessoais, porque há algumas pessoas que não têm inimigos pessoais, mas inimigos religiosos, raciais ou nacionais. Aprendemos a orar: “Pai, perdoa-lhes; porque eles não sabem o que fazem”. Quando oramos pelos nossos inimigos, quando oramos para que os seus olhos se abram à Verdade, muitas vezes estes inimigos se tornam nossos amigos.

Começamos essa Prática com nossos relacionamentos pessoais: Se há indivíduos com os quais não estamos em termos de harmonia, descobrimos, quando nos voltamos para dentro e oramos para que o amor fraternal e a harmonia sejam estabelecidos entre nós, que em vez de inimigos, entramos em um relacionamento de fraternidade espiritual com eles. Nosso relacionamento com todos então assume uma harmonia e uma alegria desconhecida.

Isso não é possível enquanto sentirmos antagonismo em relação a alguém. Se estamos abrigando em nós animosidade pessoal, ou se estamos nos entregando a ódio nacional ou religioso, preconceito ou fanatismo, nossas orações são inúteis.

Devemos ir a Deus com as mãos limpas para orar e nos aproximar de Deus com as mãos limpas, devemos abandonar nossas animosidades. Dentro de nós mesmos, devemos antes de tudo rezar a oração de perdão para aqueles que nos ofenderam, uma vez que eles não sabem o que fazem; e em segundo lugar, reconhecer em nós mesmos:

“Eu tenho um relacionamento com Deus como um filho e, portanto, eu me relaciono com todo homem como um irmão.”

Quando estabelecemos esse estado de pureza dentro de nós mesmos, então podemos pedir ao Pai:

Dá-me graça; dá-me entendimento; Me dê paz; Dá-me hoje meu pão diário – dá-me este dia pão espiritual, entendimento espiritual. Dá-me perdão, mesmo por essas transgressões inofensivas, que inadvertidamente cometi.

hay haystack meditate meditating
Foto por Pixabay em Pexels.com

A pessoa que procura por luz, graça, compreensão e perdão nunca falha em suas orações.

A Lei de Deus é a Lei do Amor, a Lei de amar nossos inimigos – não temê-los, não odiá-los, mas amá-los. Não importa o que um indivíduo faça conosco, não devemos revidar. Resistir ao mal, retaliar ou até mesmo buscar vingança porque isso é reconhecer o mal como realidade. Se resistirmos ao mal, se o refutamos, se nos vingarmos, ou se atacarmos, não estamos orando por eles, que nos usam inoportunamente e nos perseguem.

Como podemos dizer que reconhecemos o bem somente Deus como o único poder, se odiamos o próximo ou fazemos mal a alguém?

Cristo é a verdadeira identidade e reconhecer uma identidade diferente de Cristo é retirar-se da consciência de Cristo.

Amai os vossos inimigos, abençoe os que te amaldiçoam, faze o bem aos que te odeiam e ore por aqueles que te maltratam e perseguem. Para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus, porque Ele faz o sol se levantar contra os maus e os bons, e faz chover sobre os justos e os injustos. (Mateus 5:44, 45)

Não há outro caminho para ser o Cristo, o Filho de Deus. A mente de Cristo não tem crítica, nem julgamento, nem condenação, mas contempla o Cristo de Deus como a atividade do ser individual, como a sua Alma e a minha. Os olhos humanos não compreendem isso porque, como seres humanos, somos bons e maus; mas, espiritualmente, somos os Filhos de Deus e, através da consciência espiritual, podemos discernir o bem espiritual um do outro. Não há espaço na vida espiritual por perseguição, ódio, julgamento ou condenação de qualquer pessoa ou grupo de pessoas.

Não é apenas inconsistente, mas hipocrisia, falar sobre o Cristo e nosso grande amor a Deus uma vez, e, no segundo momento, falar depreciativamente de um próximo de raça, credo, nacionalidade, filiação política ou econômica de diferente status. Não se pode ser filho de Deus enquanto ele persegue e odeia alguém ou alguma coisa, mas apenas conforme se vive em uma consciência de nenhum julgamento ou condenação.

A interpretação usual de “não julgar” é que não devemos julgar o mal de ninguém. Temos que ir muito além disso; não ousamos julgar bem a ninguém. Devemos ter o cuidado de não chamar ninguém de bom, pois não devemos chamar mal a ninguém. Nós não devemos rotular ninguém ou qualquer coisa como mal, mas da mesma forma, não devemos rotular ninguém ou algo tão bom. O Mestre disse: “Por que me chamas bom? Não há bom senão um, que é Deus.”

É o cúmulo do egoísmo dizer: “Eu sou bom; Eu tenho entendimento; Sou moral; Sou generoso; Eu sou benevolente.” Se quaisquer qualidades do bem estão se manifestando através de nós, não nos chamemos de bons, mas reconhecemos essas qualidades como a atividade de Deus. “Filho, tu és sempre comigo, e tudo o que eu tenho é teu.” Todo o bem do Pai é expresso através de mim.

Um dos princípios básicos de O Caminho Infinito é que um estado de ser humano bom não é suficiente para garantir nossa entrada no Reino Espiritual, nem para nos levar à unidade com a Lei cósmica. É sem dúvida, melhor ser um bom ser humano do que um mau, assim como é melhor ser um ser humano saudável do que doente; mas atingir a saúde ou alcançar a bondade, em si e por si, não é a vida espiritual. A vida espiritual vem somente quando nos elevamos acima do bem humano e do mal humano e percebemos: “Não existem bons seres humanos ou maus seres humanos. Cristo é a única identidade.”

Então olhamos para o mundo e não vemos nem homens e mulheres bons, nem homens e mulheres maus, mas reconhecemos Cristo como a realidade do ser.

photo of people holding smartphones with flashlight
Foto por McKylan Mullins em Pexels.com

Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e lembre-se de que o teu irmão tem contra ti; Deixa ali a tua oferta diante do altar e segue-te; primeiro reconcilia-te com teu irmão e depois vem e oferece teu presente. (Mateus 5:23, 24)

Se estivermos mantendo alguém em condenação como ser humano, bom ou mau, justo ou injusto e não fizemos as pazes com nosso irmão então não estamos prontos para a oração de comunhão com o Infinito Invisível. Nós nos elevamos acima da justiça dos escribas e fariseus somente quando paramos de ver o bem e o mal, e paramos de nos gabar sobre a bondade como se qualquer um de nós pudesse ser bom.

A bondade é uma qualidade e atividade de Deus somente, e porque é Universal.

Nunca aceitemos um ser humano em nossa consciência que precise de cura, emprego ou enriquecimento, porque, se o fizermos, seremos seu inimigo em vez de seu amigo. Se houver algum homem, mulher ou criança que acreditamos estar doente, pecando ou morrendo, não oremos até que tenhamos feito as pazes com esse irmão.

A paz que devemos fazer com esse irmão é pedir perdão por cometer o erro de julgar qualquer indivíduo, porque todo mundo é Deus em expressão. Tudo é Deus manifestado. Somente Deus constitui este Universo; Deus constitui a vida, a mente e a alma de todo indivíduo.

“Não dirás falso testemunho contra o teu próximo” tem uma conotação muito mais ampla do que simplesmente não espalhar rumores ou ceder às fofocas sobre o nosso próximo. Não devemos manter nosso próximo no estado de ser humano. Se dissermos: “Eu tenho um bom vizinho”, estamos dando falso testemunho contra ele, tanto quanto se disséssemos: “Eu tenho um vizinho ruim”, porque estamos reconhecendo um estado de ser humano, às vezes bom e às vezes ruim. mas nunca Espiritual. Dar falso testemunho contra o nosso próximo é declarar que ele é humano, que ele é finito, que ele tem falhas, que ele é algo menos que o próprio Filho de Deus. Toda vez que reconhecemos a humanidade, violamos a Lei Cósmica. Toda vez que reconhecemos nosso próximo como pecaminoso, pobre, doente ou morto, toda vez que reconhecemos que ele é diferente do Filho de Deus, estamos dando falso testemunho contra nosso próximo.

Na violação dessa Lei Cósmica, nós trazemos nosso próprio castigo. Deus não nos pune. Nós nos punimos porque se eu disser que você é pobre, eu praticamente digo que sou pobre. Existe apenas um “Eu” e um “Eu”; qualquer verdade que eu saiba sobre você é a verdade sobre mim. Se eu aceito a crença da pobreza no mundo, isso reage sobre mim. Se digo que você está doente ou que não é gentil, estou aceitando uma qualidade à parte de Deus, uma atividade à parte de Deus, e dessa forma estou me condenando porque existe apenas um “Eu”. Em última análise, eu me convenço dando falso testemunho contra o meu vizinho, e sou eu quem sofre as conseqüências.

A única maneira de evitar dar falso testemunho contra o próximo é perceber que o Cristo é nosso próximo, que o nosso próximo é um Ser Espiritual, o Filho de Deus, assim como nós. Ele pode não saber disso; podemos não saber disso; mas a verdade é: Eu sou Espírito; Eu sou alma; Eu sou consciência; Eu sou expresso por Deus – e ele também é bom ou mau, amigo ou inimigo, ao lado ou através dos mares.

No Sermão da Montanha, o Mestre nos deu um guia e um código de conduta humana para seguir enquanto vamos desenvolvendo a Consciência Espiritual. O Caminho Infinito enfatiza os valores espirituais, um código espiritual que resulta automaticamente em um bom estado humano. O bom estado humano é uma conseqüência natural da identificação espiritual. Seria difícil entender que o Cristo é a Alma e a vida do ser individual, e então brigar com o nosso próximo ou difamar ele.

Colocamos nossa fé, confiança e garantia no Infinito Invisível, e não levamos em consideração as circunstâncias ou condições humanas; nós os vemos em seu relacionamento verdadeiro. Quando dizemos: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”, não estamos falando de amor, afeição ou amizade humanos; estamos mantendo nosso próximo na identidade espiritual, e então vemos o efeito dessa identificação correta na imagem humana.

Muitas vezes achamos difícil amar o próximo porque acreditamos que nosso vizinho está entre nós e o nosso bem. Deixe-me assegurar-lhe que isso está longe de ser verdade. Nenhuma influência externa para o bem ou o mal pode agir sobre nós. Nós mesmos liberamos o nosso bem. Entender o significado completo disso requer uma transição na consciência. Como seres humanos, pensamos que existem aqueles indivíduos no mundo que podem, se quiserem, ser bom para nós; ou pensamos que existem alguns que são uma influência para o mal, dano ou destruição. Como isso pode ser verdade se Deus é a única influência em nossa vida – Deus, que é “mais próximo. . . do que respirar, e mais perto que mãos ou pés?

“A única influência é a do PAI interior, que é sempre bom. “Não poderias ter poder algum contra mim, a não ser que te fosse dado do Alto.”

man sitting on edge facing sunset
Foto por Abhiram Prakash em Pexels.com

Quando percebemos que a nossa vida está se desdobrando de dentro do nosso próprio ser, chegamos à conclusão de que ninguém na Terra jamais nos feriu, e ninguém na Terra jamais nos ajudou. Toda mágoa que já chegou à nossa experiência tem sido o resultado direto de nossa incapacidade de contemplar esse Universo como Espiritual. Nós olhamos para ele com louvor ou condenação, e não importa qual foi, nós trouxemos uma penalidade sobre nós mesmos. Se olharmos para trás ao longo dos anos, poderíamos quase esboçar as razões de toda a discórdia que entrou em nossa experiência. Em todos os casos, é a mesma coisa – sempre porque vimos alguém ou algo que não era espiritual.

Ninguém pode nos beneficiar; ninguém pode nos prejudicar. É o que sai de nós que retorna para abençoar ou nos condenar. Criamos o bem e criamos o mal. Criamos o nosso próprio bem e criamos o nosso próprio mal. Deus também não faz; Deus É. Deus É um princípio de Amor.

Se estamos de acordo com esse princípio, então trazemos o bem para a nossa experiência; mas se não estamos de acordo com esse princípio, então trazemos o mal para nossa experiência. O que quer que esteja fluindo de nossa consciência, aquilo que está saindo em segredo, está sendo mostrado ao mundo em manifestação externa.

O que quer que emana de Deus na consciência do homem, individual ou coletivamente, é poder. O que é que emana de Deus e opera na consciência do homem, porém o amor, a verdade, a perfeição, a totalidade – todas as qualidades de Cristo?

Porque existe apenas um Deus, um Poder infinito, o amor deve ser a emoção controladora nos corações e almas de cada pessoa na face da Terra.

Agora, em contraste com isso, estão aqueles outros pensamentos de medo, dúvida, ódio, ciúme, inveja e animalidade, que são provavelmente os mais importantes na consciência de muitas das pessoas do mundo. Nós, como buscadores da verdade, pertencemos a uma pequena minoria daqueles que receberam a comunicação de que os maus pensamentos dos homens não são poder; eles não têm controle sobre nós. Nem todo o mal ou pensamento falso na Terra tem qualquer poder sobre você ou sobre mim quando entendemos que o amor é o único poder. Não há poder no ódio; não há poder na animosidade; não há poder no ressentimento, luxúria, ganância ou ciúme.

Há poucas pessoas no mundo que são capazes de aceitar o Ensinamento de que o Amor é o único poder e que estão dispostos a “se tornarem uma criança pequena”. Aqueles que aceitam este ensinamento básico do Mestre, no entanto, são aqueles a quem Ele disse:

… Eu te agradeço, ó Pai, Senhor do Céu e da Terra, que tu tens escondidos estas coisas dos sábios e prudentes, e as revelou aos meninos: assim também Pai; pois assim parecia bom aos teus olhos.… Bem-aventurados os olhos que vêem as coisas que vedes: Pois eu digo que muitos profetas e reis desejaram ver as coisas que vedes, e não as vestes; e ouvir as coisas que ouvistes e não as ouviste. Lucas 10:21, 23, 24

Uma vez que aceitamos esse importantíssimo ensinamento do Mestre e nossos olhos enxergam além da aparência, conscientemente perceberemos diariamente que todas as pessoas no mundo estão capacitadas com o amor do Alto, e que o amor em sua consciência é o único poder, poder do bem para vós, para mim e para si próprio; mas que o mal no pensamento humano, se toma a forma de cobiça, ciúme, luxúria ou louca ambição, não é poder, não deve ser temido ou muito menos odiado.

Nosso método de amar nosso irmão como a nós mesmos está nessa percepção:

O bem em nosso irmão é de Deus e é poder; o mal em nosso irmão não é poder, não poder contra nós e, em última análise, nem mesmo poder contra ele, uma vez que ele desperta para a verdade. Amar nosso irmão significa conhecer a verdade sobre nosso irmão; saber que nele, que é de Deus, é poder, e que nele, que não é de Deus, não é poder.

Então estamos amando verdadeiramente nosso irmão?

shallow focus photography of sheep
Foto por Dan Hamill em Pexels.com

Séculos de ensino ortodoxo instilaram em todos os povos do mundo uma sensação de separação, de modo que eles desenvolveram interesses separados e apartados uns dos outros e também separados do mundo em geral. Quando dominamos o princípio da Unidade, porém esse princípio se torna uma convicção profunda dentro de nós, nessa unidade o leão e o cordeiro podem se deitar juntos.

Isto é provado ser verdade através de uma compreensão do significado correto da palavra “Eu”. Uma vez que percebemos a primeira percepção da verdade de que o Eu de mim é o “Eu” de vocês, o “Eu” de mim é o “Eu” de vocês, então veremos porque não temos interesses separados uns dos outros. Não haveria guerras, conflitos de espécie alguma, se pudesse ficar claro que o ser real de todos no Universo é o único Deus, o único Cristo, a única Alma e o único Espírito. Tais benefícios ajudam um e o outro por causa dessa Unidade.

Nessa união espiritual, encontramos nossa paz um com o outro. Se experimentarmos isso, veremos rapidamente como isso é verdade. Quando vamos ao mercado, percebemos que todos que encontramos são o mesmo que somos, que a mesma vida o anima, a mesma Alma, o mesmo amor, a mesma alegria, a mesma paz, o mesmo desejo pelo bem. Em outras palavras, o mesmo Deus está entronizado em todos aqueles com quem entramos em contato. Eles não podem, no momento, estar conscientes desta Presença Divina dentro de seu ser, mas eles responderão como nós a reconhecemos neles. No mundo dos negócios, seja entre nossos colegas de trabalho, nossos empregadores ou nossos funcionários, seja entre concorrentes, seja em relacionamentos administrativos e trabalhistas, mantemos essa atitude de reconhecimento:

Eu sou você. Meu interesse é seu interesse; seu interesse é meu, pois a vida única anima o nosso ser, a única Alma, o único Espírito de Deus. Tudo o que fazemos um pelo outro, fazemos por causa do Princípio que nos une.

Uma diferença é imediatamente perceptível em nossos relacionamentos comerciais, em nossos relacionamentos com comerciantes e em nossos relacionamentos com a comunidade – em última análise, em relacionamentos nacionais e internacionais. O momento em que desistimos do nosso senso humano de separação, este princípio torna-se operativo em nossa experiência. Nunca falhou e nunca deixará de produzir frutos ricos.

Todos estão aqui na Terra, mas com um propósito, e esse propósito é mostrar a Glória de Deus, a Divindade e a plenitude de Deus. Nessa compreensão, seremos colocados em contato apenas com aqueles que são uma bênção para nós, pois somos uma bênção para eles.

No momento em que olhamos para uma pessoa para o nosso bem, podemos encontrar hoje o bem e, o mal amanhã. O bem espiritual pode vir através de você para mim do PAI, mas não vem de você. Você não pode ser a Fonte de qualquer bem para mim, mas o PAI pode usar você como um instrumento para o Seu bem fluir através de você para mim. Então, quando olhamos para nossos amigos ou nossa família a essa Luz, eles se tornam instrumentos de Deus, do bem de Deus, alcançando-nos através deles. Estamos sob a Graça, assumindo a posição de que todo o bem emana do PAI interior. Pode parecer que vem através de inúmeras pessoas diferentes, mas é uma emanação do bem, de Deus de dentro de nós.

Qual é o princípio?

“Ama o teu próximo como a ti mesmo.”

Ao obedecer a este mandamento, amamos amigos e inimigos; oramos pelos nossos inimigos; perdoamos, embora seja 70×7; não damos falso testemunho contra o nosso próximo, mantendo-o em condenação; nós julgamos não como bons ou maus, mas vemos através de toda aparência a identidade de Cristo – o Eu Único que é o seu Eu e o meu Eu. Então pode ser dito de nós:

… Vem, abençoado de meu Pai, herde o Reino preparado para você desde a fundação do mundo: Porque tive fome, e me deste alimento; estava com sede e me deste de beber; eu era um forasteiro, e me acolhestes; nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estive na prisão, e viestes a mim. Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos forasteiro e te acolhemos? Ou nu, e te vesti? Ou quando te vimos doente, ou na prisão, e viemos a ti? E o Rei responderá e dirá a eles: Em verdade vos digo que, na medida em que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, o fizestes comigo.

Mateus 25: 34-40

 

Joel S. Goldsmith

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: