CONCEITOS EM EVOLUÇÃO DE DEUS E ORAÇÃO

Nos dias antigos, antes de o homem criar um Deus, a quem ele desde então ignorantemente adorou, ele achou a vida um assunto difícil. Às vezes chovia demais e isso destruía seu alimento; às vezes não havia chuva o suficiente e isso destruía seu alimento; e às vezes tribos vizinhas invadiam sua casa, destruindo sua propriedade, matando homens e sequestrando mulheres e crianças. De muitas maneiras, viver era uma questão tão difícil que você quase podia imaginar o que era o século XX! Provavelmente, sob tais circunstâncias, nasceu a idéia de que talvez o homem não consiga satisfazer sozinho todos os problemas da existência humana, então procurou encontrar um poder sobrenatural ou um ser sobrenatural, alguém ou algo que pudesse fazer por ele aquilo que ele não podia fazer por ele mesmo.

E assim começou a busca pelo que mais tarde se chamava Deus. Agora, como você sabe, não apenas um Deus foi encontrado, mas muitos deuses – um deus para o clima, um deus para a fertilidade, um deus do sol, da lua e das estrelas – deuses… deuses… muitos deuses. Havia deuses para isso e deuses para aquilo; e, é claro, esses deuses e depois o único Deus nem sempre funcionava da maneira que se esperava que Deus funcionasse.

Finalmente chegou o dia – talvez na Índia – quando alguém com grande visão descobriu que não havia muitos deuses: havia apenas um Deus. Este ensinamento do monoteísmo, a adoração de um Deus, espalhou-se da Índia para o Egito, onde foi aceito pelo Rei Amenófis IV, que ordenou que todos os deuses, seus templos, símbolos e estátuas fossem destruídos, para que o único Deus pudesse ser adorado. Aqueles de vocês que tiveram alguma experiência em desmamar o homem, longe de seus falsos conceitos de Deus, devem saber quão impossível era a tarefa do rei Amenófis, e por causa disso, em poucos anos, ele foi deposto, e fugiu.

Akhenaton o Faraó – Iluminado.

Abraão, que mais tarde ficou conhecido como o pai dos hebreus, também estabeleceu a adoração de um único Deus, fundando uma nova religião que se tornou a fé hebraica. Esse Deus tinha todas as virtudes dos muitos deuses, e assim foi que a crença se perpetuou de que o homem poderia orar a Deus por favores: “Por favor, destrua meus inimigos para que eu possa estar em paz”. Então acreditava-se que homens poderiam orar a este Deus e fazê-Lo realizar a vontade deles, não apenas isso, mas dizer a Deus que dia da semana deveria isto ser feito. Em outras palavras, essa ideia fantástica de orar a um Deus para fazer a vontade do homem continuou com o único Deus da mesma maneira que com muitos deuses. A única mudança foi que, em vez de orar a muitos deuses, eles oraram a um deles, mas eles oraram a este único Deus pelas mesmas coisas e pelas mesmas razões que eles oraram a muitos.

Eu não tenho que contar para vocês os anos de peregrinação dos hebreus através das Terras Santas desde o tempo de Abraão até os dias de Jesus Cristo, das muitas vezes em que eles encontraram paz temporária e prosperidade apenas para serem mergulhados em mais guerras, mais escravidão, e mais falta de que eles foram redimidos por algum grande profeta e trazidos para a harmonia, plenitude e alegria, apenas para cair novamente no caminho.

Ao longo de todos esses séculos, não se aprendeu que Deus não responde às orações dos mortais, que Deus não está interessado no bem-estar humano, nem protege a sociedade humana como sociedade humana é constituída.

É por esta razão que, embora tenham decorrido dois mil anos desde que a oração e uma aproximação ao único Deus verdadeiro foram adequadamente ensinados, o homem ainda se encontra na posição de testemunhar durante a Primeira Guerra Mundial, a Segunda Guerra Mundial, e na Guerra Coreana, homens se reunindo em igrejas para orar a Deus pelo sucesso de seu lado, para orar a Deus para matar todos os seus inimigos, mas não seus próprios garotos; homens enviando capelães à guerra para orar pelo seu lado, para que não sejam feridos, nem doentes nem mortos, enquanto enviam seus próprios filhos para exterminar o inimigo, um inimigo que tem ministros das mesmas igrejas orando pela mesma coisa. Isso pode não parecer incongruente para você, mas se você pudesse olhar com olhos espirituais para a visão lamentável de um homem orando pela destruição de outro, você humildemente se dobraria em seus joelhos, implorando perdão porque você pudesse ter sido culpado de pedir Deus para lhe dar proteção à custa de um outro ser.

Foto por rawpixel.com em Pexels.com

A oração hoje está quase no mesmo nível, como nos dias pagãos, quando os homens oravam por colheitas e pelo gado ser abundante, quando oravam pela prosperidade, quando oravam pedindo proteção para o seu eu pessoal e oravam pela destruição de seu inimigo. Os pagãos fizeram isso, mas dois mil anos atrás nos ensinaram que você não deve orar por si mesmo, pelo que você deve comer ou pelo que você deve beber ou pelo que você deve estar vestido. Você deve buscar apenas o reino de Deus, Deus que conhece a sua necessidade e cujo bom prazer é lhe dar o reino, e então todas essas coisas serão adicionadas.

É uma coisa estranha que os homens ainda possam se encontrar nas igrejas para orar pela vitória do seu lado quando alguém, que sabemos ser uma autoridade ( Jesus ), claramente afirmou que não vale a pena orar por seus amigos. Você deve orar por seus inimigos para que você seja filho de Deus.

Joel – Cartas do Caminho – Abril de 1959.

Autor: CAMINHO INFINITO NA PRÁTICA - reggisbrother

Coach Místico. Não sou nada. Não busco nada de ninguém. Nunca serei nada e nem posso querer ser nada. Apenas compartilhando a Graça. Paz, fique calmo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s