Separe o erro do seu paciente

Esse mesmo princípio se aplica ao problema da doença. Não é uma pessoa que está doente, embora ele possa estar entretendo (ocupando a mente) um senso de doença. Quebre o mesmerismo pela percepção de que não há doença; nenhuma pessoa está doente; nenhuma condição está doente. A doença é um falso sentido; não é uma pessoa e nenhuma pessoa tem uma doença. Desta forma, você separa a doença do seu paciente ou aluno. Então você será capaz de anulá-lo como uma crença, uma aparência, uma ilusão, como sugestão hipnótica, ou como qualquer um desses termos que, para você, significa o “braço da carne” ou o “nada”.

Este princípio também pode ser aplicado a uma condição de falta e limitação. Como poderia alguém não ter qualquer coisa se é co-herdeiro de Cristo em Deus, como a Bíblia diz?

Em nossa verdadeira identidade, somos todos co-herdeiros de todo o reino celestial. Isso, no entanto, não altera o fato de que podemos estar tendo uma sensação de falta, desemprego ou infelicidade. Mas por que entreter um senso tão negativo?

Por que não rejeitá-lo entendendo: “Isto não é eu e isto não é meu. Este é um sentido universal que vem a mim para aceitação ou rejeição. Porque não é de Deus, posso facilmente rejeitá-lo. Tudo o que Deus não fez não foi feito ”.

Não faz diferença se o algo que se apresenta a você é na forma de pecado, doença, morte, falta, limitação ou traços errôneos de caráter, você tem o direito e a responsabilidade de perceber que o erro não é pessoal, mas um falso senso universal se apresentando a você para aceitação ou rejeição, algo que você pode rejeitar porque não é de Deus e, portanto, não tem existência como realidade ou condição. Além disso, porque não é de Deus, não tem lei para sustentá-lo. Tudo o que Deus fez – e somente aquilo que Deus criou – é sustentado pela lei, por uma lei espiritual, a lei de Deus, o Espírito.

Foto por Matthew T Rader em Pexels.com

Seja qual for a imagem apresentada a você, ou quando, você pode imediatamente reconhecê-la como uma tentação de aceitar um falso sentido que flui da mente universal, que é um nada e impotente para criar qualquer coisa. A mente universal só pode apresentar imagens ou aparições. No estágio atual de seu desenvolvimento, essa percepção deve chegar até você com a força e o poder de um princípio definido e reconhecido por uma prática contínua de momento a momento.

Joel – Cartas do Caminho Infinito – Setembro 1959

Autor: CAMINHO INFINITO NA PRÁTICA - reggisbrother

Coach Místico. Não sou nada. Não busco nada de ninguém. Nunca serei nada e nem posso querer ser nada. Apenas compartilhando a Graça. Paz, fique calmo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s