A Mente Carnal Não é um Poder

Há um segundo passo a ser dado: como Deus É, e como Deus é infinito, imortal, eterno e onipotência, a mente carnal não é poder. Não tem poder de se expressar através de nós, uma vez que tenhamos percebido Deus como o único poder. Ela só pode operar na consciência de uma pessoa que acredita em dois poderes – aceitar ou não esses dois poderes, consciente ou inconscientemente – e opera até que ele conscientemente renuncie ao poder do mal e o reconheça como não-poder.

Mas no exato momento em que a pessoa percebe que a mente carnal, com sua soma total de maldade, pecado, doença, morte, falta, limitação e idade – não é poder – é apenas uma crença ilusória na mente universal, não em sua mente ou na minha, mas na mente universal e, portanto, não é um poder – o mau é dissolvido. Na verdade, tinha tanta validade quanto a afirmação de que 2 X 2 = 5. Duas vezes dois é cinco é um tremendo poder na mente da pessoa que acredita, porque ela estará sempre atribuindo cinco por quatro. Mas, uma vez reconhecido que 2 X 2 = 5, não é uma entidade ou uma identidade ou uma substância ou uma lei, mas um nada, somos livres e nosso paciente é livre.

Nesse estágio de nosso desdobramento espiritual, se a mente carnal, ou alguém operando na área da percepção subliminar, nos dissesse para agir de uma certa maneira, não o faríamos se fosse contrário ao nosso senso do que é correto. Já sabemos o suficiente da Mente Única para não respondermos com facilidade ou rapidez a essa sugestão. Quando um estado superior ou estágio de consciência é atingido, existem muitas outras áreas nas quais essa mente carnal universal não pode encontrar saída através de nós porque chegamos ao ponto em que não podemos ser tentados por muitas das coisas que tentam a maioria das pessoas. Normalmente, não podemos nem ser tentados a temer, seja uma guerra, bombas ou a próxima infecção ou contágio sobre o qual lemos nos jornais.

Em outras palavras, a mente carnal já perdeu muito de seu poder sobre nós.

Se acordássemos de manhã e nos encontrássemos completamente sem dinheiro, duvido que algum de nossos estudantes sérios do Caminho Infinito ficaria indevidamente assustado porque o pensamento viria instantaneamente: “Não faz diferença. O maná de Deus cai todos os dias e a graça de Deus é minha suficiência.” E não haveria medo. Mas o contrário disso aconteceria com a pessoa que não sabia disso e que, portanto, acreditava que a falta era uma condição real.

A mente carnal não é poder.

A maioria de nós já está nesse estágio em que raramente, ou nunca, temos uma gripe, um resfriado, ou qualquer uma das doenças que são comuns às pessoas durante as intempéries. Está ao nosso alcance atingir 80% ou 90% de liberdade de todos os males deste mundo, reconhecendo:

A mente carnal não pode encontrar entrada ou saída através de mim, uma vez que no meu verdadeiro ser, Eu sou um com Deus; e porque sou conscientemente de um com Deus, tudo o que o Pai tem é meu, e somente aquilo que é do Pai é meu. Eu sou um instrumento através do qual, e como, Deus vive.

Eu sou a entrada e a saída para tudo que é Celestial e Divino. Não há eu. Aquilo que o mundo identifica como “Eu” é Deus aparecendo como Eu, a vida e a totalidade de Deus manifestadas individualmente. Minha unicidade com Deus constitui minha unicidade com aquela mente que estava em Cristo Jesus, minha unicidade com a própria alma que é Deus.

“O príncipe deste mundo vem e nada tem comigo.”  A mente carnal pode se apresentar para mim, mas eu não estou em casa para ela; Eu não recebo nem respondo a isso. Eu não ouço, provo, ou cheiro, pois aquilo que constitui a mente carnal não é entidade ou identidade, mas crença ilusória – uma aparência. Essa imagem da mortalidade que se apresenta para mim é uma tentação de acreditar na entidade, identidade e realidade da criação mortal.

Eu vivo pela graça de Deus que é minha suficiência, não por coisas externas ou pessoas. Na presença de Deus está a plenitude da vida, e não sou mais dependente de pessoas, pensamentos ou coisas, já que sou conscientemente um com meu Princípio Criativo, Deus, Espírito; e por causa disso, minha vida é espiritualmente governada e guiada, espiritualmente alimentada e espiritualmente vivida. São as importações de Deus que constituem meu pão, vinho, água, substância, minha ressurreição e a harmonia do meu ser.

Foto por Leo Cardelli em Pexels.com

Um ser humano é apenas um ser humano, porque a mente carnal é aceita como um poder, mas podemos “morrer diariamente” para nosso estado humano, se pela manhã e, certamente, à noite antes de dormir, fazemos disso um ponto de realização:

As assim chamadas teorias, opiniões e crenças que constituem a totalidade da mente carnal não são poder: elas não têm nenhuma via de expressão e não têm nenhuma lei para sustentá-las ou mantê-las.

Eu sou um com Deus e as qualidades de Deus constituem minhas qualidades. Eu sou um instrumento e um canal através da qual e como que Deus aparece na Terra. A inteligência de Deus, o amor, a sabedoria e a graça de Deus encontram expressão em mim, através de mim e como eu para todo este mundo, pois eu e o Pai somos um.

Esse conhecimento consciente da verdade significa a morte do estado-humano momentâneo, porque a mente carnal não está sussurrando sugestões em nossa mente amortecida e nos fazendo reagir a elas. O mistério da vida não é realmente um mistério. O mistério da vida harmoniosa é a compreensão da nossa verdadeira natureza e verdadeira identidade e um relacionamento consciente e constante de nós mesmos com a nossa Fonte, e então percebendo que acima e além disso, nada há poder, nada é lei, nada é causa e nada pode ter efeito.

Quando experimentamos uma cura, recorrendo a um praticante por ajuda, é porque o praticante anulou a mente carnal e atividade dele para nós, conhecendo seu não-poder.

É verdade que alguns praticantes podem saber que é isso que acontece quando uma cura é testemunhada, mas muitos não sabem como esse princípio funciona. Quando precisamos da ajuda de um praticante, é somente porque essa mente carnal encontrou expressão em e através de nós. O remédio está em anulá-lo, e isso só pode ser conseguido através da realização, primeiro, de sua natureza impessoal e, em segundo lugar, de sua não-força. Precisamos impersonalizar toda forma de erro sempre que a vermos, ouvirmos, saborearmos, tocarmos ou cheirarmos – seja em relação a nós, nossos pacientes, nossos alunos ou aos estranhos na rua. Nós anulamos, reconhecemos seu não-poder e o impersonalizamos. Nós impersonalizamos cada fase do erro, não importando a forma que ela assuma.

A história não provou que o assassinato de reis, rainhas e imperadores nunca parou a tirania? Isso nunca acontece e nunca pode, porque o mal não é pessoal. Tão rapidamente quanto uma pessoa é eliminada, ficamos cara a cara com o mesmo mal na próxima pessoa. Mas a percepção de que o mal é sempre impessoal poderia fazer muito para libertar o mundo de todos os ditadores do mundo.

Podemos abençoar o mundo recusando-nos a personalizar o erro – percebendo que o mal não é feito pelo homem, criado pelo homem ou perpetuado pelo homem, mas que toda essa carnalidade é a mente universal e impessoal do homem, o senso de mente personalizado – e depois dar o segundo passo de perceber: “Sim, mas como Deus é onipotente, a mente carnal não é poder. Não é presença ou substância e não tem atividade nem lei. ”Através de tal atividade em nossa consciência, o caminho pode ser aberto e a mente pode ser suficientemente depurada de falsas crenças para que a ideia divina de unidade, ou união, rompa e, eventualmente, alguém pode aparecer com uma ideia viável.

Foto por WARREN BLAKE em Pexels.com

À medida que praticamos isso em nossa experiência diária, descobriremos que cada vez menos estaremos respondendo ao que Jesus chamou de “este mundo”. Com exceção dessas três tentações específicas no deserto, Jesus venceu as tentações deste mundo, não vencendo uma tentação após a outra, mas reconhecendo: “Vós sois de vosso pai o diabo.” Em outras palavras, ele os impersonalizou e então percebeu que eles não tinham poder – “Tu não poderias ter poder algum contra mim, senão te foi dado de cima ”– não há poder senão o que vem de Deus.

Estamos agora no ponto em que devemos tomar a posição de estudantes espirituais avançados que reconhecem a natureza impessoal do mal, seja em lugares altos ou não, e se apegam a ele, permanecendo firmemente em nossa compreensão do grande fato de que todo mal não é apenas impessoal, mas isso não é poder. O mal não tem caminho de operação, nenhum veículo de operação e nenhuma lei para sua manutenção ou sustento.

Joel – Cartas do Caminho Infinito – Outubro de 1959

Autor: CAMINHO INFINITO NA PRÁTICA - reggisbrother

Coach Místico. Não sou nada. Não busco nada de ninguém. Nunca serei nada e nem posso querer ser nada. Apenas compartilhando a Graça. Paz, fique calmo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s