Meditação Contemplativa – Capítulo 1

SOMOS Estados de Consciência em Desdobramento, e nossa experiência exterior nunca será em nenhuma circunstância maior do que o nosso desdobramento interior. Se não nos desenvolvermos espiritualmente em uma maior medida na próxima semana do que temos a esta altura, hoje, nossa demonstração de vida e suas harmonias não serão maiores ou melhores na próxima semana do que é hoje. A única esperança que temos para uma saúde melhor, um maior sucesso e maior harmonia em nossas relações humanas é através do desdobramento do nosso “interior” ou Consciência “Real”. Então, porque não considerarmos hoje meramente como o começo de uma semana de desdobramento e ver como muito mais longe progrediremos em nossa compreensão e em nossa experiência exterior por este tempo na próxima semana.

Agora, quanto ao significado das palavras Meditação Criativa. Você e eu temos ouvido muito sobre Meditação e certamente nós lemos muito sobre isso, mas essa ideia de Meditação Criativa nos dá algo novo para pensar. Meditação Criativa vai um passo além, porque nela deve haver um expectativa de um Princípio causador e um efeito específico. Não nos esqueçamos disso quando pensamos na ideia de Meditação Criativa, estamos pensando em um Princípio Criativo em trabalhos; e estamos pensando também em um efeito que deve ocorrer – sob, é claro … uma condição:

Se a semente é plantada em solo fértil; se a nossa a consciência é receptiva e sensível a Verdade, e se a nossa consciência não é tão confusa com a ideia de Demonstração, com a ideia de um efeito de algum bem material pelo o qual estamos esperando. Se a nossa consciência está aberta a Deus e ao desdobramento da Consciência Divina, isto é, o estado de consciência que é receptivo e sensível a semente que será plantada lá durante a Meditação. Essa é a ideia da Meditação Criativa.

Você planta a semente para permitir que o Princípio Criativo possa agir sobre ela e produzir frutos à sua maneira. Na nossa Meditação Criativa, em seguida, deixe-nos acima de tudo sermos um expectador do bem; um expectador de uma resposta; expectador de um maior grau de compreensão espiritual e, portanto, de mais harmonia no que chamamos de nossa experiência humana.

Foto por anne sch em Pexels.com

Como você sabe, não é realmente humana, mas uma experiência Espiritual Divina. O “mundo” transformou-a em uma material, uma limitada e finita, o que é na verdade a Vida de Deus manifestada como você e como eu. O objetivo da Meditação é alcançar a Vida Espiritual. Meditação em si é apenas um meio para um fim – e o fim é a obtenção da Vida Espiritual.

Ontem, enquanto eu estava na capela de Palo Alto, tirei do muro esta declaração: “O mundo é novo para toda alma quando Cristo entrar nele,” Esse é o propósito da Meditação! Como humanos, nos tornamos separados da nossa Fonte e isso é o que nos faz parecer ao mundo como humanos. Agora estamos abrindo a consciência para onde o Cristo, a Presença de Deus, o Espírito de Deus, possa entrar e nos tornar novos. Ouvir Jesus quando ele disse: “eu de mim mesmo não posso fazer nada. . . o Pai que habita em mim, Ele faz as obras.” E Paulo: “vivo, mas não eu, o Cristo vive mim.”

Basta pensar, se eu estivesse sentado aqui como um ser humano e tudo o que havia com relação à mim fosse uma mente e corpo, você não se beneficiaria muito com isso. Existe apenas uma coisa que pode trazer alguma medida de desdobramento de Consciência Espiritual para você, e essa é a Presença de Deus, o Cristo que vive em mim, pelo qual sou a apresentação da forma ou veículo. Você com certeza, estará idêntico à mim quando você abre sua consciência e deixa o Cristo entrar, no intuito de que você também possa dizer – e significa isso – “eu de mim mesmo não posso fazer nada . . . o Pai que habita em mim, Ele faz as obras.” E, “vivo, ainda não eu, o Cristo vive em mim”.

Agora, o objetivo da Meditação é continuar com a mente humana, ainda com a atividade do sentidos humanos em um grau que  nos permite estar conscientes da Presença de Deus, com o objetivo de se tornar conscientemente consciente da atividade Divina operando em, através e como nós, e, como de fato, como nossa consciência. Isto é tornar-se conscientemente consciente da Atividade Divina operando como nossa consciência! Deus, o Ser Divino individualizado como o Cristo, torna-se nossa consciência individual e que a consciência é o salvador do mundo. O salvador do meu mundo. Sua consciência é o salvador do seu mundo. Levante seu mundo do senso material de existência para a realidade espiritual! Sua própria consciência quando está imbuída desse Cristo! Portanto, o propósito desta Meditação é abrir gradativamente a consciência para que fluem, a fim de que ela se torne espiritualizada; de modo que se torne o próprio Cristo em expressão individual.

Neste pensamento de acalmar os sentidos humanos ou a mente humana, não acredite por um momento que isso significa tentar parar o seu processo de pensamento, visto que você nunca terá sucesso nesse processo.

Ninguém nunca teve. Mas chega um momento para aqueles que continuam praticando regularmente a Meditação, quando a mente humana em si pára, quando os pensamentos não se intrometem mais durante Meditação. Mas você não pode realizar isso por meio de tentar parar de pensar. O que você pode fazer é represar um pouco durante, e então eles interrompem mais forte do que nunca. Assim o que você pode fazer durante Meditação é aprender a não prestar atenção aos pensamentos que estão passando na sua mente. Eles não te prejudicarão nem te ajudarão. E, de fato, é isso que estamos aprendendo neste Trabalho – que nenhum bom pensamento humano vai ajudar, e nenhuma quantidade de pensamento mau humano vai machucar. Neste ponto, também, é tão natural a mim saber e dizer isso que muitas vezes não me lembro de que eles são capazes disto, a não ser aqueles que foram educados através de ensinamentos metafísicos que enfatizam o senso de “pensamento correto” ou “pensamento humano”, ou “aprender a manter pensamentos corretos”. O que eu quero dizer não é de modo algum um senso de crítica, julgamento ou condenação por esse método ou abordagem como forma viver.

Todo caminho que tomamos leva até o final, que é Deus. Portanto não estou falando nenhum absurdo ou em contradição à qualquer outra abordagem. Estou apenas apresentando o que tem sido meu desdobramento individual, o qual consiste em que: a mente humana não é um poder.

A mente humana não pode criar coisas boas e não pode criar o mal. Parece que isso é verdade. É por isso que temos o mundo humano; É por isso que temos esse ensino metafísico, porque existe esta aparência do mal, pensamos que algo é necessário para corrigir essa visão.

Duas vezes dois são quatro e nenhuma quantidade de pensamento humano vai mudar isso. O amor é amor e nada mudará. E assim, enquanto estamos em Meditação, se os pensamentos persistirem vindo à nossa mente, passando por nossa “história superior”, não nos preocupemos quanto à isso.

Deixe esses pensamentos virem e deixe-os irem. Eles podem ser pessoais e sensuais também, mas não vamos prestar atenção neles.

Vamos nos lembrar de deixá-los vir e ir por vontade própria e muito em breve, por falta de alimentá-los, eles não vem mais. Nós podemos morrer de fome aprendendo a desconsiderá-los; e quando estamos desconsiderando eles, estamos mantendo nosso verdadeiro pensamento sobre o objeto de nosso Trabalho. O objeto do nosso Trabalho é um estado de receptividade no sentido de que o Cristo possa fluir. Esse é o propósito pelo o qual nós praticamos a Meditação.

Esse é o objetivo que esperamos alcançar: a capacidade de ter uma consciência que reconhece a Presença de Deus.

Onde o Cristo se torna a realidade de nosso ser, então não estamos mais no sentido humano da existência, mas no Espiritual. E esse é o primeiro passo, de como vejo isso neste caminho espiritual. Levar seu pensamento para fora da pessoa, lugar e coisa. Tire seu pensamento do corpo, saúde, dinheiro ou emprego. Leve seu pensamento para fora de cada situação humana, agora, neste minuto, e envie para Deus!

Centralize seu pensamento, agora mesmo, em Deus!

O que é Deus?

Deus é Amor!? Deus é Alma!? Deus é Vida!?

Você não pode definir Deus. Se você pudesse, isso não seria Deus.

Nós não vamos definir o que é Deus.

Nós vamos remover o pensamento acerca de pessoas, lugares e coisas, e dizer a palavra: Deus. Deus – a Consciência Divina do meu ser. Deus – a Alma do meu ser. Deus, a Lei do meu ser. Deus, a Substância do meu ser, a Substância de toda forma. Deus, o Princípio Criativo do universo; a Lei para o meu ser; Deus – a Substância, a Lei de todas as formas, de toda formação; Deus, a substância, a lei, a causa e até a forma de todo efeito; Deus – a substância, a lei, a vida eterna de toda forma. Você não pode separar Deus, Vida, da sua forma a qual você é feito! Deus é a Vida de toda forma. Deus é a substância, a lei, de todas as formas. Deus é o Espírito e Alma da nossa forma. Deus, aparecendo individualmente como você, constitui tudo o que existe de você. Deus é a Vida que você experiencia, e é por isso que você é imortal e agora! Porque Deus é a Substância do meu corpo, até mesmo o meu corpo é imortal! Seu corpo não é carne, sangue e ossos como parece ser. Deus é Espírito e seu corpo é Espiritual. Seu corpo é tão imortal quanto a sua vida, que é Deus! Não há razão para qualquer dor no corpo ou mudança, envelhecimento ou mote. Nós permitirmos que através da aceitação da crença de um eu separado de Deus. Nós permitirmos  isso através da aceitação de Deus como a forma da criação espiritual, mas não a forma e substância de toda a criação. Deus é a forma, a substância, a lei de todas as criações, incluindo o seu corpo. Seu corpo não é material. Nem é a comida que você come é material. É Espiritual. Tudo o que é material é o nosso conceito de criação. A própria criação é toda de Deus no sentido de que Deus é a essência, a substância e a forma.

Agora, nesta Meditação, não estamos pensando em forma ou figura, de contorno, cor, graça ou corpo. Estamos pensando em Deus como a Substância de toda forma, cor, graça, contorno, corpo. Deus é o substância do nosso ser, a substância da pedra. Deus é a Lei das estrelas e dos planetas. As estrelas e planetas não são uma lei para si mesmos. Deus é a Lei para eles, como somos Lei para nós mesmos. E porque nós somos consciência infinita, o sol, a lua, as estrelas e os planetas são incorporados em nós, e nós somos a lei para eles. Sim, nós somos a lei para as estrelas, a lua e os planetas!

Esta nossa Consciência Divina imbuída com o Cristo, é a lei para todas criações. Nada neste mundo age sobre nós. Somos a lei para tudo que aparece no nosso universo. Todos nós somos a atividade de Deus; o universal Eu; o Ego universal, individualizado como você e como eu. Isso é a lei para toda a criação. E assim, na nossa Meditação Criativa, lembramos que toda a nossa consciência está cheia de Deus. Deus como a lei. Deus como a substância. Deus como o Princípio Criativo!

E Deus aparecendo como efeito. Deus aparecendo como forma. Deus nos aparecendo como sol, lua, estrelas – como comida, animais de estimação, e todos os outros relacionamentos no planeta Terra.

Então, enquanto nossa consciência, nosso principal pensamento, é centrado nisso, estes pensamentos humanos que vêm e vão são sem importância. Não tente parar ou jogá-los fora. Deixe que venham e vão, e eles irão desaparecer. Prometo à você, eles irão desaparecer. É só uma questão de Prática.

Agora, quanto à nossa aula começando já na próxima semana (Capítulo 2) – será apenas uma oportunidade a fim de que continue esta ideia de Meditação. Por muitos anos  pratiquei e ensinei Cura Metafísica, não como professor de classe, mas apenas como um indivíduo, um praticante, que ensinou aqueles que vieram por ajuda e por cura; Eu ensinei apenas aqueles que queriam o ensino além da cura. E veio finalmente o dia quando tomei a decisão nunca de ensinar de novo, e quando tomei essa decisão, ouvi uma risada dentro de mim … (isto realmente foi uma risada), e eu ouvi isso bem alto. E essa voz disse: “Ah, sim você vai! Você vai ensinar, mas vai ensinar aqueles que Eu enviar para você, e você vai ensinar o que eu te dou para ensinar.” Não perguntei sobre isso, mas também não entendia ou sabia como isso aconteceria. Então, um dia, uma senhora que tinha vindo ao meu escritório para pedir ajuda me perguntou se eu poderia falar com um pequeno grupo acerca de um assunto na Bíblia. Eu disse que não, não ensinando. Mas as chamadas foram mantidas vindo por várias semanas, e finalmente eu pensei que faria uma exceção e por quatro noites falaria sobre a Bíblia. E essas quatro noites esticaram-se até o presente momento sem a interrupção de uma única noite.

E assim eu encontrei com relação literalmente à Verdade. Eu não procurei estudantes, e aqueles que vieram, vieram por vontade própria, seja lendo meu escritos ou através de recomendações. Então me sinto impelido a dizer sobre essas classes, que aqueles que vêm para elas não deve vir esperando que elas sejam palestras, ou esperando um momento bom. Se o objeto é para ser alcançado, o que temos já partiu para alcançar, é realmente será trabalhar por duas semanas inteiras – um bom trabalho extenuante! Por quê?

Porque aqui novamente, a menos que a consciência seja enriquecida; a menos que seja alterada ou desdobrada de uma maneira espiritual, a experiência externa não será diferente. A menos que alguém esteja preparado a fim de realmente colocar em trabalho consciencioso, para que no final da aula, eles possam dizer: “eu estou um passo adiante no desenvolvimento espiritual”, não será útil vir para a aula, a não ser que a menos esteja pensando além do dia imediato ou o problema imediato, além da Meditação para Realização. Vamos então aceitar que o objeto da Meditação, o objeto do meu ser no reino espiritual é que eu possa tornar-me consciente da Presença de Cristo, e tornar-me isso que Eu sou – a Luz do mundo. Deixe-nos dedicarmos a isso agora.

No meu próprio trabalho, quando isso começou, passei por três meses de iniciação interna. Isto ocorreu todas as manhãs de cinco a sete horas. Foi uma experiência magnífica e uma que nunca pode ser compartilhado com qualquer um. Foi nesse período que foi mostrado a mim que o único propósito de nossa existência na Terra é ser o luz do mundo; ser um caminho ou um caminho para mostrar à esses outros que são o que eu era antes do ordenamento – um buscador – a fim de que eles possam subir acima do sentido humano de existência.

Agora lembre-se que todos no mundo humano são confrontados com a crença de um corpo físico. Eles são confrontados com a crença do suprimento físico. E neste momento, eles estão sendo confrontados com a crença de bombas atômicas, rumores de guerras e o fim de mundo. No cenário humano não há maneira de evitar essas experiências ou de se engrandecer acima delas. O único caminho é o caminho espiritual, e o caminho espiritual é dessa forma: onde o Cristo se torna a realidade do nosso ser! E quando nós começarmos olhar do ponto de vista de Deus, a soma total de toda a criação, então estamos cumprindo a maior lei já revelada por Jesus Cristo, a Lei do Perdão.

Não há lei maior que a do perdão. Lembre-se, ame a Deus com todo o teu poder e ama o teu próximo como a ti mesmo. Aquele vizinho é todo humano que está na Terra, todo animal, toda planta!

E não há como você sentir Amor de Deus por eles enquanto os mantém em condenação.

Nesta Meditação, então, veja e entenda que Deus é a vida, a alma, a mente, não só de amigos, mas de todos os chamados “inimigos”. E, assim, você eliminará todos os inimigos. Jesus disse para Pilatos: “Tu não podes ter poder sobre mim, a menos que viesse do Pai nos Céus.”

Essa é a nossa resposta para inimigos ou inimizades de toda forma se aparecendo como homem, pecado, doença ou falta. Alguns de vocês que me ouviram anteriormente lembraram quantas vezes enfatizei esse fato:

Que esta Lei de perdoar, esta lei do Perdão, é a verdadeira lei da Demonstração. Esta capacidade de ver Deus como a mente, a vida e alma de inimigos, bem como de amigos. Por quê? 

Porque não só no Velho Testamento, mas todo o caminho através do ensinamentos de Jesus, temos este lembrete:  o primeiro mandamento é o segredo da vida. Apenas um Deus, apenas uma vida; a vida de cada um de nós; a vida dos nossos chamados inimigos. Deus é a única mente e, portanto, Deus deve ser a mente do que chamamos de inimigos! Apenas um Deus e somente uma criação – e toda ela Espiritual!

Nessa Meditação, você não consegue ver isso enquanto sua consciência estiver preenchida com esta unidade – Um Deus, Uma criação, toda a Unidade, você está abrindo sua consciência para o influxo do Cristo?

Não há outro caminho. O Amor é o caminho e o amor é a Verdade, e a Verdade é a capacidade de se tornar consciente de Deus como forma e formação, a causa e efeito de tudo o que aparece como nosso mundo!

Assim, nosso objetivo é incorporar nestas meditações: “O mundo é novo para toda alma quando Cristo entrou nela”. . . “Eu de mim mesmo nada posso fazer nada”, “O Pai que habita em mim, Ele faz o trabalho” . . . “Eu vivo, mas não eu, o Cristo vive em mim”.

Vamos nos sentar agora em silêncio e pegar qualquer um de todos estes três pensamentos como o central tema em nossa consciência. Não prestando atenção aos pensamentos humanos, vamos centrar o nosso pensamento sobre estes e quando terminarmos, podemos sentir que teremos nos tornado ligados à Fonte Divina do nosso ser.

Como uma ajuda, posso lhe oferecer isto: Você é familiarizado com a ilustração que usei no assunto do suprimento e saberá imediatamente o que quero dizer. Eu disse que as laranjas que crescem na laranjeira não são o nosso suprimento, eles nem sequer são fornecimento de laranjas. Eles são o efeito do resultado, o fruto do suprimento. O suprimento é a lei que opera em e como a árvore. Você pode tirar todas as laranjas e enquanto essa lei estiver em operação, você terá mais laranjas.

orange.jpg
Foto por julie aagaard em Pexels.com

Agora, pensar nas laranjas como suprimento e tentar guardá-las ou até mesmo dá-las achando que você está dando algo é tolice. Você não está dando nenhuma coisa porque elas estão se multiplicando rapidamente o tempo todo. E assim,  tendo isto como uma ilustração, você vai lembrar que tudo que você vê é apenas o resultado da lei de Deus! Você vai lembrar por trás do visível é a lei de Deus se produzindo e reproduzindo. Aquilo que é visível para você, seja dinheiro ou seja lá o que for, é apenas um efeito do suprimento – é não suprir. É apenas um efeito do suprir! Suprimento é a consciência de bom pelo interior, e contanto que tenhamos isso, temos o que chamamos de dólares.

Agora, da mesma maneira, quando olhamos as pessoas não olhamos para eles e pensamos neles como bom ou ruim, ou doente ou saudáveis. Observe através do indivíduo e veja que cada indivíduo é apenas o produto, o resultado, a apresentação, o veículo através do qual ou como Deus está aparecendo.

Lembre-se de não valorizar demais laranjas, ou dólares, ou pessoas! E até mesmo o bem que parece vir através deles, sendo grato por olhar para além, no sentido de ver a real fonte através da qual eles vem. Ninguém é bom de si mesmo. Tudo de bom que você tenha feito não foi um resultado de sua própria natureza. Nós não somos nem bom nem ruim na vida – é Deus brilhando através de nós. Nós mesmos nunca fomos caridosos ou gentis; Essas são qualidades de Deus brilhando. E embora tenhamos essas qualidades, não significa que as temos de nós mesmos. Isto é bom. O mal também não é uma qualidade de si mesmo. Não existe tal coisa como um mau concreto. O mau é apenas Deus brilhando. Isto é nossa má interpretação do que faz com que nos pareça mau. Não pode existir o primeiro mandamento: “Não terás outros deuses  além de mim,” e mau. Não pode haver bem infinito e mau. Então o mau que vemos é apenas uma aparência negativa, conceito, falsa ideia do que é real, o qual é Deus bom. Jesus disse: “Tu não podes ter poder sobre mim a menos que seja dado a ti do Pai”. E agora, conforme nós olhamos para cada indivíduo, vamos olhar através dele, e ver que só Deus está aparecendo através dele ou como ele, e não existe mau. Deus é o único poder para o que quer que seja determinado efeito. O mesmo com laranjas e dólares. Não nos deixe ver aqueles como suprimento, mas como o efeito da Lei da Deus que Eu sou. . . o efeito da lei de Deus – que Eu sou!

Joel – Palestras de San Francisco – 1948 – Essa série foi o resultado de um convite estendido por alunos que tiveram mais cedo participado de suas aulas dadas com a Bíblia. Essas conversas aconteceram no começo do seu ministério, mas após o lançamento do Caminho Infinito As palestras incorporam os assuntos de meditação, cura espiritual, liberdade espiritual e a verdadeira natureza da oração. Eles servem para nos despertar no sentido da percepção d’Aquele Espírito Criativo que permeia o universo de toda a humanidade, e nos elevar acima desejos de realização pessoal para o consciência mística da Unidade com Deus. Eles nos incentivam a participar universalmente do estabelecimento dessa consciência.



Categorias:Ensinamentos Joel S. Goldsmith

Tags:, , , ,

2 respostas

  1. Olá, sou imensamente grata por ter a oportunidade de aprender mais sobre o Caminho Infinito, claro que você é uma pessoa iluminada por disponibilizar todo este magnífico material, muito obrigada.
    Eu leio e estudo tudo que você envia por e-mail.

    Curtido por 1 pessoa

Trackbacks

  1. Desdobramento da Consciência – Capítulo 2 – CAMINHO INFINITO NA PRÁTICA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: