Qual deve ser a atitude apropriada para um estudante do Caminho Infinito quando confrontado dificuldades econômicas?

Qual deve ser a atitude apropriada para um estudante do Caminho Infinito quando confrontado com dificuldades econômicas ou contas à pagar urgentes?
Resposta: Você entende, é claro, que não pode haver uma resposta para essa pergunta. Depende do estado ou estágio de consciência em que se está, há quanto tempo se é um estudante do Caminho Infinito? até que ponto esse estudante entende os princípios? até que ponto ele está absolutamente dependendo apenas dos princípios espirituais? e quais são as atitudes apropriadas é sobre este assunto.
Se alguém leu o suficiente da mensagem do Caminho Infinito para ter alguma compreensão de seus princípios, saberá que a escassez ou abundância econômica são apenas dois extremos opostos da mesma vara, e que ambos devem ser superados. Eles saberiam que a abundância econômica não é mais estável, garantida ou permanente do que a escassez econômica e, portanto, como um estudante do Caminho Infinito, estejam eles momentaneamente do lado da falta ou da abundância, eles têm a mesma demonstração a fazer. Eles devem fazer a transição de um sentido material de suprimento para um sentido espiritual de suprimento.

Estudante-Praticante do Caminho Infinito

O Caminho Infinito não é uma mensagem que transforma escassez econômica em abundância econômica. Na verdade, seu propósito não é nem mesmo transformar doenças físicas em saúde física. Os resultados parecem funcionar dessa forma, mas na verdade nosso trabalho é entregar o sentido físico, o sentido material da existência, para a Realização e Demonstração da Vida Espiritual. Portanto, qualquer problema que venha a um estudante do Caminho Infinito não é um problema a ser superado. É uma oportunidade para trabalhar essa faceta particular do sentido material da vida. Em outras palavras – e eu já passei por essa experiência – quando a falta e a limitação estão diante de nós, quando estamos experimentando isso, minha atitude era, “e vai ficar assim até que eu resolva espiritualmente; até que eu alcance o segredo do suprimento espiritual. ”
Nos meus primeiros dias, tive abundância, bastante. Desde os meus dezesseis anos e meio, estava viajando pelos Estados Unidos e pela Europa e aproveitando o melhor. Mas isso não era garantia de suprimento e, claro, vivi para experimentar exatamente o oposto disso – escassez e limitação. Agora, naquela época, não teria sido muito difícil me colocar em uma atividade empresarial que teria restaurado pelo menos uma parte dessa abundância, mas eu teria ficado insatisfeito, porque em nenhum momento da minha vida houve dinheiro, abundância, ou a riqueza foi o objetivo da minha vida – não que eu não goste disso, mas não é o objetivo da minha vida. O objetivo da minha vida é encontrar o segredo da vida, o segredo das leis por trás desta vida, o segredo do que faz este mundo girar harmoniosamente, porque deve existir para nós a mesma lei da abundância que existe para árvores, ou gramados, ou mares cheios de peixes, ou ar cheio de pássaros. Não pode ser que Deus tenha feito gados em milhares de colinas e bilhões de estrelas e bilhões de árvores frutíferas com centenas de bilhões de frutas e ouro no solo, e todo o resto dessas joias, e ainda assim significou para nós a escassez.

Ah não! Nossa escassez deve vir de uma ignorância da Lei. Nossa escassez deve vir da falta de compreensão da Lei da abundância de Deus, ou de como nos tornar um com Deus para que possamos desfrutar da promessa: “Filho, tu estás sempre comigo, tudo o que tenho é teu”. Por que deveria uma declaração estar nas Escrituras se não for verdade? Por que haveria o Mestre tentado nos ensinar o abastecimento multiplicando pães e peixes, sempre com cestos cheios de sobra? Por que, se não é para nós, eventualmente, chegarmos a essa consciência de vida vivida pela graça de Deus? E se eventualmente, por que não agora?

Portanto, minha atitude na hora da escassez era “Deixe isso continuar pelo tempo que quiser, até que eu encontre através da compreensão da Lei Espiritual do suprimento, e não apenas entendendo, mas demonstrando.” E eu fiz! Eu fiz. Eu continuei com isso, até o ponto de não ter passagem alguma e andar 11 quilômetros duas vezes por dia para chegar ao meu escritório. Não tinha vergonha disso, não escondia, não sentia que fosse falta de demonstração ou de qualquer desgraça, e não sinto agora. Sinto o que me sentia então: “Isso não poderia acontecer se eu conhecesse a Lei de Deus, e se eu não conhecesse a Lei de Deus, não haveria nenhuma quantia de dinheiro que me faria feliz ou satisfeito, porque pode ser tão fugaz quanto o que eu tive antes. ” E, na verdade, recebi minha resposta no último daqueles dias em que me vi sem passagem rodando aqueles 11 quilômetros. Foi nessa caminhada que a revelação finalmente veio.
Provavelmente, essas revelações chegam a diferentes alunos de maneiras diferentes. Não posso limitar Deus dizendo que há apenas uma solução para o assunto da abundância, ou que há apenas uma verdade que deve ser conhecida. Eu só conheço a experiência que aconteceu comigo. Eu estava refletindo sobre a mesma questão: “Como pode ser isso? Como isso pode ser? Existe uma resposta; há uma resposta. ” E algo dentro de mim me disse que eu não conhecia a Deus, pois essa era a resposta: “Conhecê-Lo corretamente é a Vida Eterna.”
Mas pensei que sabia tudo sobre Deus. Achei que sabia que Deus era mente, Deus era vida, Deus era amor e Deus era substância. Deus era espírito; Deus era o princípio. Deus é todas aquelas coisas maravilhosas que a Bíblia e os escritos metafísicos dizem que Deus é, então, como você pode dizer que eu não sei o que Deus é? E você deve se lembrar; Eu estava falando sozinho. Hoje chamamos isso de “meditação contemplativa”.
E então pensei: “Sim! Sim está certo. Como posso saber se Deus é mente? Eu só li isso em um livro! Como posso saber se Deus é lei, vida ou amor? Eu só li isso em um livro! Na verdade, não tenho conhecimento de que isso seja verdade – absolutamente nada. Como posso descobrir o que é Deus, se não devo aceitar o que alguém diz em um livro? Bem, como encontramos todas as informações – cada um tem que encontrar suas informações na vida por si mesmo. E então, devo descobrir o que é Deus. O que é Deus? ”E de novo pensei: “Mente. Não, ‘mente’ é uma palavra aqui. Isso não pode ser Deus. ‘Vida’ é outra palavra aqui. Isso não pode ser Deus; é uma palavra. ‘Amor’!?, ‘Verdade’!?, todos esses sinônimos não podem ser Deus. Essas são apenas palavras em minha mente, ou palavras em um livro. Você não pode encontrar Deus na mente de ninguém ou no livro de ninguém. Agora, o que é Deus? ” A resposta não veio. Então veio o pensamento:

“Conheça a ti mesmo, ó homem.”

Esse pode ser o começo de tudo – “Conheça a ti mesmo.”
Vamos voltar agora, e o que é o homem? O que é o homem? Bem aí novamente, se você quer apenas citações de um livro, posso dar-lhe muitas delas, mas não estava interessado então no que qualquer livro dizia. Eu queria saber. O que é o homem? Bem, isso não deve ser muito difícil, porque eu sou um homem, então eu deveria saber o que sou.

O que é o Homem?

Naquele momento, tomei consciência dos meus pés, um pé saindo do outro, e parei, olhei para baixo e percebi: “Bem, isso não é homem, porque não sou Eu. Este não sou Eu. Esses pés são meus; eles não são Eu. Deve haver um Eu separado e à parte desses pés, porque esses pés me pertencem. E eu fui até meus joelhos e minha cintura e meu peito, e eu fui até meu cabelo, e eu não conseguia me encontrar. Eu não estava lá. Tudo que pude encontrar foi meu corpo – pés e joelhos, estômago, peito, pescoço e rosto, testa, olhos, orelhas e, finalmente, uma grande cabeleira. Mas em nenhum lugar eu poderia me encontrar. Isso me intrigou e eu disse: “Agora estamos contra isso. Eu não consigo me encontrar. Onde estou? O que eu sou? Quem sou eu?” E então a palavra ‘EU’ registrou. “Esse é o segredo! Eu sou Eu !”
EU SOU EU, EU não estou nestes pés. Não estou neste corpo. Eu sou eu. Não posso ser afetado por um pedaço de carne. Não posso estar encerrado no espaço, porque o verdadeiro significado de EU é Deus. É por isso que é escrito com uma letra maiúscula. Eu sou o Espírito de mim, a Verdade de Mim, meu Ser, e isso não está no corpo. Isso é infinito; isso é eterno; isso está fora do corpo; isso deve preencher todo o espaço. Aquele Eu, que é minha verdadeira identidade, diz o Mestre, é um com Deus: “Eu e meu Pai somos Um!”
Oh, então isso cria um relacionamento diferente. Se eu sou eu, não confinado a um corpo, mas na verdade o filho de Deus, um com Deus, a manifestação do próprio ser de Deus, então este eu que sou nunca pode demonstrar suprimento, porque o eu que sou deve ser o próprio personificação de todas as qualidades e quantidades de Deus. Portanto, EU incorporo o suprimento. Eu sou espiritual e, portanto, o suprimento deve ser espiritual. Como você pode pensar nisso em termos de dinheiro, propriedades ou investimentos, quando deve ser espiritual? Se EU sou Espírito, o suprimento é espiritual e deve ser onde Eu estou.
Ah! Esta é uma nova luz, porque eu tinha alguns sentimentos humanos sobre certos lugares onde o dinheiro poderia ter vindo para mim e não veio, e para aqueles por quem ele poderia ter vindo, e não veio. Agora, de repente, eu percebi – Eu; Eu, que sou um com Deus, procuro alguém por dinheiro, por provisões, por renda, quando deveria ser Eu que pudesse alimentar cinco mil e sobrar doze cestos cheios. Eu sou aquele por meio de quem esse infinito deve estar
fluindo, e estou me tratando como se fosse um mendigo, esperando que alguém me traga suprimentos, e se não alguém, pelo menos Deus.
E assim a posição foi invertida, e percebi que nunca mais poderei me interessar pelo assunto do suprimento, exceto para ter certeza de que estou deixando isso fluir de mim e através de mim. Nunca mais me atrevo a me permitir pensar que o suprimento está chegando. …

Agora, eu não trocaria aquele ano de escassez e limitação por todo o dinheiro que nossas famílias mais ricas possuem, porque não só tive a alegria de ver este desenvolvimento espiritual, mas agora sei que onde quer que eu esteja e em quaisquer circunstâncias , Não preciso ficar surpreso se os corvos me trouxerem comida. Não preciso ficar surpreso se o maná cair do céu. Não preciso me surpreender com a forma de suprimento que me chega ou por quais meios, porque agora sei que não se trata de ser dependente do homem, cujo fôlego está em suas narinas, nem mesmo dependente de sua gratidão ou dependência em sua boa vontade. É absolutamente uma independência. É uma compreensão de nossa verdadeira identidade. …
Mas, novamente, nada disso é verdadeiro para você, exceto em proporção à sua percepção consciente disso, sua percepção consciente disso, sua permanência consciente nesta verdade. Isso é o que traz isso para a sua experiência.

Joel – Série Perguntas & Respostas

Trecho da gravação # 266, 1959 Hawaiian Village Classe Fechada, Lado 1: “Suprimento Espiritual”



Categorias:Perguntas & Respostas

Tags:, , ,

2 respostas

  1. 🌹AloHa🌹

    Enviado do meu iPhone

    Curtido por 1 pessoa

  2. Quanta dignidade SUPRA evidenciada na transparência do Espírito. Vivenciar tamanha vastidão em todos aspectos do SER CRÍSTICO traz o verdadeiro refrigério da única autoridade independente: DEUS VERDADE! Louvo aos céus por tão sagrada publicação. Satisfação do Excelso El Elyon!!!

    Curtir

Deixe uma resposta para jaimeamalmeida Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: