Por que Deus não tornou a cirurgia desnecessária?

Por que a chamada cura espiritual é apenas uma cura parcial, e por que às vezes nunca é uma cura completa? Além disso, por que uma pessoa prestes a se submeter a uma cirurgia pede ajuda e recebe uma cura milagrosa, embora não uma que exclua a necessidade de cirurgia? Por que o paciente submetido à cirurgia é mantido totalmente livre de infecção ou efeito colateral e tem uma recuperação mais rápida do que normalmente seria o caso, e ainda, se Deus tem algo a ver com tanto da cura, por que não Deus tornou a cirurgia desnecessária?


Resposta: Em primeiro lugar, você deve entender que não existem graus de Verdade. A verdade é absoluta. Deus é absoluto. Deus é a verdade absoluta; Deus é o Ser absoluto; Deus é perfeição infinita, eterna, imortal e onipresente. Deus é tudo. Portanto, a totalidade no infinito e completude e perfeição de Deus sendo estabelecida, qualquer medida menor do que aquela experimentada pelo paciente representa o estado condicionado de consciência, o que torna impossível realizar ou demonstrar a completude da atividade de Deus .
Aqui você tem dois fatores: a consciência do médico e a consciência do paciente.

Vamos supor que a consciência do médico é muito mais elevada e mais profunda do que a do paciente, e assim o paciente chega ao médico com um estado de consciência condicionado no qual não é possível para ele abrir sua consciência completamente para a plenitude da atividade de Deus. Pode ser que haja tanto apego ao corpo e ao senso de saúde pessoal que o paciente não se solta completamente e, assim, recebe o benefício total da infinita completude e perfeição da atividade de Deus como consciência individual. Embora o médico possa ser um instrumento para uma cura completa e perfeita, a consciência condicionada do paciente nem sempre permite que isso aconteça.
Por outro lado, o praticante pode não estar à altura da experiência do milagre da cura completa. Para estar no mais alto estado de consciência, o praticante atingiu aquela elevação de consciência espiritual em que nenhum esforço é feito para contactar Deus com o propósito de cura. Ele está permanecendo na consciência de Deus como ser individual, portanto, na compreensão de que o indivíduo já está no ponto de vista da imortalidade e da eternidade, aquele estado de ser ao qual nada pode ser adicionado.


O praticante que está tentando usar a Verdade sobre o erro, que está contatando Deus com o propósito de estabelecer harmonia, ou que ainda está na terceira dimensão da vida, na qual o corpo é algo separado e à parte da consciência espiritual, cometerá o erro de preocupando-se com a saúde em relação à doença, ou permitir-se-á preocupar-se com o que parece ser algo menos do que a perfeição na cena visível.

Para uma cura perfeita, o praticante deve permanecer na consciência de Deus como o Todo Infinito, o que significa permanecer na quarta dimensão da vida, na qual nenhum reconhecimento é dado aos pares de opostos – bons e maus, ricos e pobres, morais e imoral, imortal e mortal. Nesta consciência quadridimensional, ou consciência Crística, o praticante nunca está ciente de alguém ou algo a ser curado ou corrigido, mas está sempre ciente da Onipresença do Ser de Deus.
Quando o praticante é capaz de permanecer na consciência de Cristo e ter sempre “aquela mente que também estava em Cristo Jesus”, então a plenitude do Ser de Deus flui livremente, independentemente de ser uma doença aguda ou crônica, ou se quando a doença está no ponto de cirurgia, o médico pode trazer à realização e demonstração consciente a cura completa ou o desdobramento da Harmonia Divina.

Quando a consciência do praticante está totalmente condicionada, a cura só pode ocorrer na proporção do grau de condicionamento da consciência do praticante. Para completar a experiência de cura instantânea ou completa, o paciente também deve abordar este trabalho sem o pensamento condicionado de crer que o poder de Deus pode trazer alguém através da doença, mesmo que não seja capaz de realizar todo o desdobramento da harmonia sem o auxílio de cirurgia. Pelo menos, o paciente deve ser capaz de relaxar sem nenhum pensamento ou opinião preconcebida sobre o que vai acontecer e deixar que a consciência divina do praticante tenha total controle.
Você pode ver prontamente que a principal responsabilidade é do praticante. Quando o praticante realmente se eleva acima dos pares de opostos para aquele estado de consciência no qual todos os sentidos de saúde e doença estão ausentes, e quando qualquer fase da imagem humana não traz uma reação que tenha por trás dela o desejo de curar, corrigir , salvar, renovar ou regenerar, então nesse estado de consciência espiritualmente iluminado, o praticante realizará obras maiores.
Conforme você se aproxima desse estado de não reação ao mundo das aparências, pelo qual você não reage feliz às boas aparências e certamente não reage com medo ou duvidando às más aparências, você fará trabalhos de cura muito maiores e será capaz de transmitir àqueles que vêm a você uma maior confiança na grande Verdade de que Deus É, o que significa que harmonia É, perfeição É, realidade É – e, apesar de todas as aparências em contrário, apenas o bem É.

Joel

Este trecho é de O Coração do Misticismo, na Carta de março de 1955 intitulada “Proteção”.



Categorias:Perguntas & Respostas

Tags:, , , ,

1 resposta

  1. 🌹AloHa🌹

    Enviado do meu iPhone

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: