O PROFUNDO POÇO DO SEU SER (2/6)

Cartas do Caminho Infinito – Setembro de 1955 – Joel Goldsmith

Permita que cada um perceba que Deus é consciência individual, e que a Presença e o Poder da Deidade podem ser trazidos para suas famílias, comunidades e nações, na medida em que você possa voltar a esse silêncio e deixá-lo vir através!

Isso é uma coisa difícil de conseguir, e um ambiente individual para realizá-lo sozinho pode ter que passar por meses e às vezes anos de trabalho e meditação. Minha própria experiência exigia meses e meses de meditação constante e persistente, dia e noite, antes de eu receber o primeiro segundo de realização, e todo esse tempo a pergunta era: Como eu sei que existe tal coisa, e que ela irá realizar qualquer coisa?

Que eu saiba, ninguém tinha ido antes, ninguém tinha preparado o terreno, e eu não tinha nenhum conhecimento disso – apenas uma convicção, uma convicção interna de que se eu pudesse apenas tocar o centro dentro de mim, que é Deus Que isso iria liberá-lo em expressão, e Ele iria tomar conta da minha vida e das vidas daqueles que me procuravam por ajuda. Mesmo depois do primeiro vislumbre de realização, foram semanas antes da segunda ocorrência, mas gradualmente se tornou toda a minha experiência de vida até agora, é literalmente verdade que “as palavras que eu falo para você não falo de mim mesmo: mas o Pai que habita em mim faz as obras”.

Vinte e cinco anos de meditação interior e o contato feito tornam simples para mim levantar aqueles que vêm até mim a fim de que também possam alcançá-lo. Os muitos capítulos nos Escritos do Caminho Infinito dedicados à “Meditação” e à “Comunhão”, e à consciência que entrou em sua produção, torna mais fácil para os alunos alcançarem essa paz de silêncio interior, e as meditações e consciências unidas de nossos alunos fazem ser mais fácil para o resto do mundo alcançar a comunhão consciente. Um por um, os alunos estão atingindo uma medida de habilidade para tocar o centro de seu próprio ser e obter uma resposta a ele. Por fim, chegará o momento em que todos poderão tocar neste centro de seu próprio ser, à vontade, e encontrar o Poder de Deus e a Graça de Deus fluindo dele para o mundo como uma atmosfera de harmonia e cura, de paz e alegria para todos quem ele conhece.

pexels-meditacao-caminho-infinito-694133.jpeg
Foto por Loe Moshkovska em Pexels.com

Mais e mais, a palavra “meditação” está aparecendo na literatura atual, e cada vez mais você lê: Meditação – a Meditação é o caminho. Não se deixe enganar por nenhum desses artigos. A meditação, por si só, não é o caminho! O caminho é o contato! A meditação é apenas uma maneira de alcançar um silêncio interior no qual o contato é feito. A meditação é o caminho para voltar-se para dentro de si mesmo, para aquele poço profundo de contentamento no centro de seu ser, que é Deus, e onde o senso pessoal de “eu” desaparece. Quando sua meditação resulta em contato, o caminho tem sido encontrado para deixar escapar “o esplendor aprisionado”, e só então você entende Paulo quando ele diz: “Eu vivo”, mas não eu, mas Cristo vive em mim “.

O primeiro passo para alcançar este centro do seu ser é abster-se do uso da palavra “eu”. Quão tolo é associar o “eu” pessoal com qualquer coisa que tenha a ver com Deus, porque é totalmente impossível para um indivíduo ser qualquer tipo de fator contribuinte para a presença e o Poder de Deus. De fato, o oposto é verdadeiro: somente na proporção em que você pode anular esse sentido de “eu”, a consciência de Deus pode assumir e realizar a si mesma. Até certo ponto, a palavra “eu” foi excluída na medida em que se aplica à oração ou ao tratamento: você não mais usaria a oração como um meio para influenciar Deus de qualquer maneira. Como Deus não lida com pensamentos ou coisas materiais, não adianta ter um desejo material ou sonho ou esperança. Quando você aprendeu a ir a Deus sem desejos, você eliminou a palavra “eu”, e isso, em si mesmo, é um dos maiores passos que você será chamado a tomar. Ao Ir a Deus, você está indo apenas para uma bênção espiritual, e até que você esteja na Presença de Deus, você não tem como conhecer a natureza do reino espiritual e suas bênçãos. “As coisas que olhos não viram, nem ouvidos ouviram, nem penetraram o coração dos homens, são as que Deus preparou para os que O amam. Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, sim, as profundezas de Deus. ”

Através das bênçãos de Deus você é libertado dos pensamentos e das coisas deste mundo, e somente nesta liberação as bênçãos de Deus são conhecidas e manifestadas, mas nunca no sentido de algo adquirido ou recebido de Deus. De modo algum você é tirado do mundo – você está no mundo, mas não dele. Você encontrou o Céu, e você está livre, e é então que você começa a entender o profundo significado e poesia de “Minha paz, águas calmas, pastos verdejantes”. “… Porque não sabemos o que devemos orar como devemos mas o próprio Espírito faz intercessão por nós com gemidos inexprimíveis.

Até o momento do contato, não conhecemos a natureza de viver em um mundo espiritual, nem conhecemos a natureza de uma bênção espiritual. Certamente podemos concebê-lo, mas, mesmo em nosso estágio de desenvolvimento, a maioria de nós está apenas um passo à frente do mundo ortodoxo, que vê em Deus as bênçãos materiais no caminho do aumento do suprimento, da saúde ou da felicidade. Deus não opera dessa maneira: essas são as coisas adicionadas que aparecem em nosso mundo humano quando nos libertamos dos pensamentos e coisas deste mundo. Apenas deixando o Espírito de Deus operar Suas maravilhas dentro de nós, entraríamos em um estado de consciência no qual descobriríamos que as graças deste mundo são tão livres e abundantes como folhas nas árvores, sem tomar qualquer pensamento sobre elas. Mas qualquer senso de individualidade pessoal, como o uso do “meu” entendimento, “minha” espiritualidade, “minha” integridade, bloquearia ou terminaria a demonstração do bem espiritual. Espiritualidade, compreensão e integridade são a Graça de Deus, expressas individualmente, na proporção em que não há um senso pessoal de individualidade para bloqueá-la. Sua parte é “morrer diariamente”, e então, à medida que a Graça de Deus se manifesta como sua experiência individual, você testemunha a multiplicação dos pães e peixes, a cura dos enfermos, a ressurreição dos mortos. Se o Mestre não tivesse sido capaz de se afastar o suficiente com o intuito de saber que “eu de mim mesmo não posso fazer nada”, e se a palavra “eu” entrasse em Sua demonstração de alguma forma, os milagres não poderiam ter ocorrido.

Fim da Parte 2/6 – Cartas do Caminho Infinito – Setembro de 1955 – Joel Goldsmith

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: