DESENVOLVIMENTO DA CRIAÇÃO

Essa experiência nunca será plenamente alcançada até que, por meio da oração e da meditação, o véu da ilusão que nos separa da realidade seja rasgado. Vamos imaginar que temos diante de nós um bloco de barro. Fora do barro, formas humanas são moldadas, mas nesse molde, as formas não perdem o contato com a argila. Eles são argila em si, formada.

Assim, na criação, Deus é o Pai, a Substância, e homens e mulheres os filhos: Deus, o Pai; Deus, os filhos. Mas as crianças ainda são de Deus. Eles são feitos da substância básica, formada à sua imagem e semelhança. O Pai constitui a substância do filho, pois o barro constitui a substância das formas moldadas.

Deus é uma Substância invisível e, portanto, o filho de Deus também é invisível. Não podemos ver, ouvir, provar, tocar ou cheirar o filho de Deus. Ele é tanto Espírito quanto Deus é Espírito e é formado da mesma substância que Deus, que é o Espírito incorpóreo. Então, temos Deus, perfeição infinita, e temos Seus filhos e filhas, também infinitamente perfeitos. Feitos à imagem e semelhança de Deus, são tão perfeitos quanto a sua Fonte. Neste estágio, homens e mulheres não precisam de orações. Eles não têm nada além de qualidades divinas. Eles não têm nada; então eles não precisam se voltar para nada. Eles não têm necessidades. Eles estão vivendo a verdade: “Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que eu tenho é teu”.

Começamos a entender a criação como a palavra Consciência ou a palavra / assume um novo significado. “No princípio, Deus”, mas desde que usamos a palavra Deus indica algo separado e separado do nosso Ser, vamos começar com a verdade de que Eu, a Consciência, sou Deus. Consciência é Deus, mas tudo que Eu sou é consciência; portanto, Eu sou a Consciência divina em expressão.

Não pode haver uma Consciência não expressa. Isso seria inconsciência. Consciência deve ser a Consciência é expressa, a Consciência se manifesta ou expressa / manifesta. Vamos chamar tudo o que a Consciência é como manifestação, homem, ou ir mais longe, vamos chamá-lo ser individual: Eu, Deus, manifesto como Eu, o Filho. Essa Consciência é inseparável e indivisível do seu Eu:

Eu, o Filho, estou sempre dentro e do Eu, a Consciência divina, manifesta como consciência individual, mas sempre uma. Esta é a criação espiritual e perfeita.

Nesta luz, vemos que as qualidades de Deus são manifestadas como as qualidades do Filho. As qualidades da Consciência infinita são as qualidades da consciência individual, porque somente a Consciência se forma como indivíduo você e eu. Já que somos formados de Consciência, a Essência, Substância e Atividade de nosso Ser é a Essência, a Substância e o Ser de Deus, o Eu. Tudo o que temos a fazer é manter essa palavra / mente e lembrar: Tudo o que, a Consciência Divina, tem é sua como consciência individual.

Nesta consciência, nós não vivemos pela força ou pelo poder. Nós vivemos pelo Meu Espírito, pela Minha Consciência. A Consciência do Pai é a Consciência do Filho. A Vida do Pai é a Vida do Filho. A Alma do Pai é a Alma do Filho. Temos uma vida vivida como dom de Deus porque somos herdeiros de Deus e tudo o que Deus tem é nosso. Nós somos formados da substância de Deus, e toda esta criação é espiritual: Eu, o Pai, Consciência Divina Infinita, se manifesta como consciência individual, mas sempre Um. Esta é a criação espiritual e perfeita.

Mas algo aconteceu. Uma crença em dois poderes surgiu. Nós não sabemos como é possível que surja ou algo sobre isso. Sabemos apenas que, no momento em que aconteceu, o homem e a mulher perfeitos perderam a identidade de Deus e estavam separados e à parte de Deus.

Se você e eu soubéssemos que existe apenas um Poder, nenhum de nós teria problemas para resolver. Não teríamos males a enfrentar, sem falta ou limitação, sem dor ou velhice. Se houver apenas um Poder, não poderá haver nada que interfira na perfeição da criação de Deus. É porque aceitamos em nossa consciência a crença em dois poderes que estamos tentando encontrar a verdade que nos libertará dessa crença e nos restaurará à consciência do Pai.

Vamos novamente imaginar essas figuras de argila simbolizando o homem espiritual. Agora vamos vesti-los, até que esses homens e mulheres espirituais estejam completamente perdidos de vista, e tudo o que vemos são ternos e vestidos. Nós não sabemos o que está por baixo. Nós temos procurado em ternos e vestidos por tantas gerações que pensamos que esses ternos e vestidos constituem tudo o que existe para homens e mulheres.

Não vamos perder tempo perguntando por que aconteceu, como aconteceu ou como isso pode acontecer. Tudo o que vamos fazer é aceitar o fato de que um dia nós nascemos e tivemos nenhuma consciência de nossa identidade espiritual original.

Acreditávamos que tínhamos dois pais humanos, desconhecendo a verdade de que existe apenas um único Pai, a Consciência Divina que somos e que manifestamos como ser individual. Mas nos é dito agora que somos crianças e temos pais humanos. Não demora muito para descobrirmos que nossa vida é controlada por tudo e por todos no mundo. Somos ordenados por nossos pais, nossas tias e tios, nossos professores, depois por empregadores, depois pelo governo e, finalmente, por um departamento de imposto de renda.

Todo esse tempo não temos consciência de que estamos imbuídos do domínio dado por Deus sobre tudo na Terra, nos céus e no fundo das águas. Somos ignorantes da nossa identidade. Somos ignorantes do fato de que somos herdeiros de uma tremenda fortuna, de todas as riquezas espirituais. Nós somos ignorantes da verdade de que nossa vida é Deus, então protegemos nossa vida e fazemos todo tipo de coisas para uma vida que já é infinita e não pode ser mudada.

Vivemos na ignorância da verdade sobre o nosso Criador e sobre nós mesmos: nossa natureza, caráter, ser, vida e corpo. Acima de tudo, estamos em ignorância sobre o nosso domínio. Portanto, vivemos em um pequeno mundo de criação humana, o mundo que nossos bisavós, avós, pais e professores ajudaram a criar em suas mentes e a nos transmitir. Eles nos envolvem em um pequeno mundo em que somos quase nulidades (não-existentes), lutando com bilhões de outras pessoas para ganhar a vida e com todos no mundo tendo jurisdição sobre nós.

Nós tentamos o nosso melhor para nos dar bem no mundo e eu não tenho que te dizer que eu tenho estado na mesma posição em que você não está achando este mundo um lugar assim muito satisfatório, não repugnando o suficiente para tentar sair do mundo. Ainda assim, não gostar o suficiente para recorrer a todos os tipos de escapismos para evitar ter que encarar o fato de que somos nulidades (não existentes) lutando pela sobrevivência contra adversidades terríveis e com quase nenhum controle sobre nossas próprias vidas.

Joel Goldsmith

Capítulo 11 – A INDIVIDUALIDADE REVELADA ATRAVÉS DA ORAÇÃO – DESENVOLVIMENTO DA CRIAÇÃO – DO LIVRO: A ALTITUDE DA ORAÇÃO

Um comentário em “DESENVOLVIMENTO DA CRIAÇÃO

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: