Você poderia explicar a irrealidade da morte e da vida eterna?

Resposta: Eu adoraria! Não há nada que ame mais do que o assunto da Vida Eterna e o assunto da morte, exceto as palavras “Deus” e “oração”.
Se você olhar para este mundo, o assunto da morte é muito fácil. Todo aquele que nasce deve morrer. Tudo o que nasce deve morrer. Tudo que tem um começo deve ter um final. Como sabemos disso? Pela evidência de nossos sentidos – da mesma forma que sabemos que as pegadas se unem ao olharmos à distância; da mesma forma sabemos que o céu fica em uma montanha; da mesma forma que sabemos que há água em um deserto seco. É assim que sabemos que tudo que vive deve morrer – pelos mesmos sentidos que nos iludem; pelos mesmos sentidos que nos enganam em todos os sentidos; os mesmos sentidos que nos fazem confiar e colocar nossa fé nos príncipes e considerar o homem cuja respiração está em suas narinas.
Esses cinco sentidos físicos testemunham um começo e um fim. Eles testemunham o nascimento e a morte. E se você pode acreditar nos sentidos de uma maneira, você também pode decidir acreditar neles de todas as maneiras. Como você vive o suficiente para ter alguns fios de cabelo grisalhos, você descobrirá que não pode acreditar nesses cinco sentidos físicos. E aí vem a ideia: como, então, você aborda o tema da vida e a compreensão da morte?

E a resposta é esta: você começa com a palavra “Deus”. E uma vez que as letras Deus por si mesmas não lhe darão o desdobramento, você se volta para um dos sinônimos de Deus que vai de encontro à situação e descobre que um sinônimo muito usado para Deus é “Vida”. Deus é Vida. Agora, quando Deus começa?

E quando Deus termina?

Lá você tem a história da Vida Eterna. Visto que Deus é vida, a vida não tem começo e a vida não tem fim. E onde, em toda essa palavra “Vida” você encontraria a morte? Onde, em toda a compreensão de Deus como imortalidade, você poderia encontrar vida mortal? Você está acompanhando isso? Você vê esse ponto? Se Deus é Vida; se Deus é imortal; a Vida é mortal? Não!
Por outro lado, existe mais de uma vida?

Visto que aceitamos Deus como vida e Deus como imortalidade e Deus como infinito, se Deus é Vida Infinita, existe uma vida além disso? Não. Tudo bem então, Deus sendo vida, e Deus sendo vida infinita, não pode haver vida que tenha começo ou fim.
Agora chegamos ao ponto de realização em nossa experiência individual: por que nascemos e por que morreremos? Por causa da aceitação de uma vida diferente de Deus. Isso é tudo. É simples assim. Declare, compreenda que Deus é nossa única vida, e você abandonou toda possibilidade de morrer. Você até descartará a possibilidade de velhice ou fraqueza.
Todas as discórdias da experiência humana podem ser resumidas nisso: uma sensação de separação de Deus. Eu não me importo se é falta financeira, falta moral, falta física ou falta mental. Isso se resume em um senso de separação de Deus. A compreensão de Deus como a vida de uma pessoa revela imortalidade, eternidade, infinito.

Da mesma forma, qualquer sensação de fraqueza mental – perda de memória, perda de sanidade, perda de inteligência – tudo baseado em quê? Uma mente separada de Deus; uma sensação de separação da mente divina. Agora, se você aceita Deus como mente, você aceita apenas uma mente e essa mente, individual
mente. Isso é tudo, e é tão simples quanto isso. Se Deus é mente, a inteligência é infinita. Inteligência de quem? A inteligência daquela mente que é a mente do indivíduo.

Agora, você pode pegar vinte sinônimos e subir e descer a escada – alma, espírito, substância, atividade – e você encontrará a mesma coisa. Se você puder chegar, antes de tudo, ao acordo dentro de você mesmo de que só existe um, e que esse Um é Deus, então esse Um se torna a vida, a mente, a alma, o espírito, o ser do indivíduo. …

Agora, vamos entender isso: para cada um de nós chega um período ou ponto de transição. Se vivermos nossa vida diária minuto a minuto, da forma como ela nos é apresentada, mantendo sempre a realização de Deus como ser individual, continuaremos a nos desdobrar e desdobrar, sempre alcançando níveis mais elevados de consciência, e um dia encontraremos nós mesmos removidos dessa cena de atividade – não expulsos de nosso corpo pela doença, mas apenas avançamos suavemente em uma experiência de transição para o próximo desdobramento superior. Não há provisão na economia divina para ninguém que ande pela terra para sempre nesta forma.

Eu e Meu Pai somos Um

Por quê? Bem, esta forma que você vê não é a forma que está aqui. Esta [a forma que você vê] é o nosso conceito do corpo divino. Mas esse conceito de corpo tem mudado a cada poucos anos nos últimos trinta, quarenta anos. Esse conceito de corpo está mudando, assim como esse conceito de vida está mudando, e esse conceito de amor está mudando, e esse conceito de suprimento está mudando.

Portanto, este conceito de corpo tem mudado progressivamente e continuará a progredir – o conceito irá. O corpo [divino] não. O corpo [divino] é o templo de
Deus. Mas você não pode ver este corpo [divino], exceto em seus momentos mais elevados de meditação.

Quando estou nas profundezas da meditação, mais especialmente se tenho um caso muito difícil, e sou forçado a ir fundo, bem no fundo do meu ser para trazer a cura, então tenho vislumbres da vida espiritual e da forma espiritual. Eu vislumbro até mesmo a forma por trás da flor. Sempre, desde que comecei a trabalhar, tive vislumbres de um homem espiritual: isso é identidade espiritual. E, quanto mais meu trabalho vai, mais eu vejo a natureza espiritual deste universo, mas não através dos meus olhos. Através dos meus olhos, ainda vejo homens, mulheres, árvores, flores e oceanos. É verdade que mesmo o que vejo é muito melhor aos meus olhos do que era formalmente, porque vejo mais os pontos positivos e menos os outros. …


Mas isso ainda não é ver o Real. O Real é visto no vislumbre que se obtém nas profundezas da meditação ou do tratamento quando “o contemplamos como Ele é”.(Salmo 17:15) Então, “estamos satisfeitos com aquela semelhança” e teremos para sempre aquele corpo que é nosso real corpo. Não vamos sair de lugar nenhum. Não será enterrado; não será queimado. Nunca acredite nisso por um único momento.

A única coisa que abandonamos é um conceito de corpo. E à medida que saímos de nosso corpo infantil e de nosso corpo jovem para a maturidade, também saímos de um sentido mortal do corpo para a demonstração espiritual e a compreensão do corpo. E isso podemos fazer, e fazemos aqui neste plano. Não é necessário morrer ou fazer uma transição para experimentá-lo. Nós experimentamos isso aqui e agora. O Mestre disse: “Posso sacrificar minha vida, posso retomar minha vida” . E direi que há outros que podem entrar ou sair do conceito mortal de corpo e vida à vontade, aqui e agora . E tudo acontece através da obtenção da revelação ou realização dentro do verdadeiro ser. Essa é a primeira coisa. Isso era o que a Sra. Eddy tinha em mente quando escreveu: “Jesus viu na Ciência o homem perfeito, onde um homem mortal doente e pecador apareceu aos mortais”.
Ela não quis dizer que Jesus visualizou um ser humano em um corpo perfeitamente saudável. Ela nunca teve tal coisa em sua mente. Ela quis dizer o que disse: que Jesus, por meio de sua sabedoria espiritual, sua mente espiritual e suas faculdades da alma, viu o homem como ele realmente é, descrito mais tarde por João como “um templo não feito por mãos, eterno nos céus”.

Joel – (Trecho da gravação nº 28, Los Angeles Practitioner Class de 1953, Tape 2, Side 2: “The Spiritual View, Part 2” A transcrição completa desta gravação está disponível em www.joelgoldsmith.com)



Categorias:Perguntas & Respostas

Tags:, , ,

1 resposta

  1. 🌹🌹🌹ALOHA🌹🌹🌹

    Enviado do meu iPhone

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: