O ERRO NÃO É PESSOAL À UM INDIVÍDUO

Quando um indivíduo nos pede ajuda, a primeira coisa que devemos fazer é dar testemunho de Deus em ação. Dentro de nós mesmos, testemunhamos a percepção de que aqui mesmo, invisível, está O Cristo. A atividade do Cristo, ou o Espírito de Deus, está em campo, mesmo que as aparências testemunhem o contrário. Então agora quanto dessa aparência está sendo apresentada para nós?

Esta é a única ilusão, a crença universal de uma separação do bem; É a crença universal de uma lei separada de Deus.

  • No exato momento em que você pára de personalizar o bom, você inicia o fluxo de bênçãos;
  • No momento em que você pára de personalizar o mau, você completa o quadro. Você começa a anular o mau no exato momento em que pode vê-lo, talvez se expressando na forma de Judas Iscariotes, e diz:

Esse homem, Judas, não é pecador. Pai, perdoe-o; ele não sabe o que faz. Este é apenas um senso de individualidade separado de Deus e, como tal, não é uma presença nem um poder; não tem ninguém em quem ou por quem operar. ”

Primeiro preste testemunho, independentemente das aparências, de Deus em ação:

Deus é a vida desse indivíduo, a mente, a alma e o Espírito. Deus é a única lei que opera dentro e através e como esse indivíduo.

Deus é o único ser; Deus é a única causa; Deus é o único efeito. Este é um universo espiritual, o produto de uma lei espiritual, criativa e do ser espiritual.

Assim, você está testemunhando a Deus em ação. Mas você diz: “O que é este pecado ou mau que eu estou vendo?” Sim, e daí? Não vamos negar o que estamos vendo, mas vamos reconhecer que não faz parte do indivíduo. Vamos aceitá-lo apenas como uma crença universal de uma individualidade separada de Deus que não tem nada a ver com esse indivíduo.

Um exemplo da natureza universal das crenças que se ligam a nós é encontrado na observação de padrões de comportamento recorrentes em crianças em determinadas faixas etárias. Todas as crianças são muito parecidas  quanto têm a mesma idade, a maioria delas se comporta da mesma maneira. Eles fazem as mesmas coisas deliciosamente divertidas, assim como fazem as mesmas coisas chatas e irritantes. Uma criança de dois anos tem dois anos e você não pode criar outra idade para ela. Ela será chorona e problemática às vezes e, outras vezes, será alegre e angelical. Qual o motivo? Senão é que toda a criança se expressa como dois anos de idade.

Quando uma criança tem treze anos, ela age como treze anos. Observe a um filho de treze anos e você observou quase todas as crianças aos treze anos de idade. A mesma travessura que há em um entra nos outros. É claro, que pode haver algumas exceções com pequenas diferenças, porque todos os gostos não são iguais. Um será travessa de uma maneira e outra diferente; um será boa de uma maneira e a outra de outra maneira. Mas, no geral, se você observar crianças de dez anos, de treze ou de dezesseis, terá que admitir que todas elas têm praticamente o mesmo padrão. Isso é tão próximo de ser universalmente verdadeiro quanto quase tudo pode ser. Por quê?

Porque as próprias crianças não têm nada a ver com isso; elas estão respondendo à crença humana imposta sobre elas nessa idade específica. É uma crença universal de que os adolescentes são impertinentes e desobedientes e acreditam que seus pais não sabem de nada. Essa última crença é tão universal que temos o ditado: “Aos vinte anos, eu achava que sabia tudo o que devia ser conhecido no mundo. Aos trinta anos, comecei a suspeitar que talvez não soubesse de tudo e, aos quarenta, sabia que eram meus pais que sabiam tudo”.

Todo mundo passa por essas crenças e responde ao mesmo tipo de coisa da mesma maneira, porque é uma resposta a uma crença universal. Considere e manipule o erro como uma reivindicação universal e não como erro seu ou meu. Em vez de prender alguma forma de erro em uma pessoa, acreditando que essa pessoa é obstinada, essa pessoa é ditatorial, essa é desonesta e essa é imoral, ou essa pessoa é ou não, ignore a aparência apresentada pela pessoa. Não ignore a reivindicação. Nunca ignore a reivindicação.

Ignore a pessoa e lide com a reivindicação, percebendo que:

ela não é pessoal;

Não tem nada a ver com a pessoa envolvida. É um sentido universal de uma individualidade separada de Deus e um sentido universal de uma lei separada de Deus.

Se você estivesse lidando com a crença universal em uma lei de infecção ou de contágio, não culparia seu paciente por isso, culparia? É claro que não, se Deus é Lei e Deus é Infinito, não pode haver lei da doença, lei da infecção e lei do contágio. Tais leis são apenas crenças universais. Você culparia uma criança pequena por contrair uma doença infecciosa e contagiosa? É claro que não, a criança também não teve nada a ver com isso; a criança é uma vítima inocente de uma crença universal, assim como o adulto. Isso é verdade independentemente do nome, natureza, profundidade, grau do pecado ou da doença.

Através da percepção de que a idade não tem nada a ver com uma pessoa, houve um trabalho notável feito entre pessoas que estão sob a alegação de velhice. Como a única personalidade é Deus aparecendo como ser individual, todos temos a mesma idade de Deus, ou seja infinita. Portanto, nenhuma pessoa pode ser mais velha que outra, porque Deus é o ser infinito individual. Mas a crença universal em uma vida e uma individualidade separadas de Deus, a crença universal em uma lei de deterioração da matéria e na lei de retornos decrescentes é o problema. Reconheça que não há juventude, não velhice e nem idade; só existe Deus.

Joel – Cartas do Caminho Infinito – Outubro de 1957



Categorias:Cartas do Caminho Infinito

Tags:, ,

3 respostas

  1. Deus é o único poder que existe. Uma só consciência.

    Curtido por 1 pessoa

  2. 🌹Aloha
    …não há nascimento nem morte; não há juventude nem velhice; não há bom e não há mau, não há doença, não há saúde…nossos sentidos,, tão “desenvolvidos” “ cientificamente tão desenvolvidos“, teimam , em demonstrar a existência dos pares de opostos, do erro do outro ,condicionando, a mente a cultura o ‘saber’ e o ‘viver’.. . Felizmente, Há testemunhas, JC, Buda, Lao T, Joel , que nos ensinam que:
    “ só o Amor Perfeito Existe. Se há medo, então não há Amor Perfeito. Mas só o Amor Perfeito Existe. Se há medo ele produz um efeito que não existe” .Os efeitos não são reais….
    …vamos aprender a acreditar somente no que Existe🌹

    Curtido por 1 pessoa

  3. 🌹Aloha🌹
    …”só Deus existe “

    Enviado do meu iPhone

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: