Você sempre fala sobre acalmar a mente. Você pode nos ajudar mais com isso?

Resposta: Tentar acalmar a mente é uma prática perigosa, e se eu usei essas palavras, o que quis dizer foi o seguinte: Não deixe a mente alcançar mentalmente um Deus para fazer algo, é por isso que usei a ilustração da a árvore. Quando você está observando aquela árvore, sua mente está observando; não está tentando fazer algo. Em outras palavras, a mente está fazendo algo, mas está fazendo algo observando, e isso é um processo de aquietação, não um processo ativo. Esta é a diferença entre contemplar, que é uma atividade da mente, e estender a mão a Deus por meio do pensamento. Não deixe a mente fazer isso, mas, em vez disso, estabeleça-se em paz e deixe a mente contemplar.

Quando você está observando aquela árvore, sua mente está observando;

não está tentando fazer algo.

Essa é a atitude que usamos na cura. Quando alguém pede ajuda, em vez da mente do praticante estender a mão para ver quão rapidamente ele pode curar o paciente ou fazer com que Deus faça algo, ele deixa a mente se acalmar para que ele possa ver Deus em ação. Se o praticante conseguir ficar quieto e não tentar parar a dor ou salvar a vida do paciente, mas contemplar Deus em ação, a aparência se dissolverá.
Isso faz parte da experiência de toda a vida mística na qual, não importa o que você esteja fazendo, você nunca olha para as pessoas como homens ou mulheres. A pessoa comum está olhando para este mundo e vendo homem e mulher com qualquer reação que isso tenha sobre eles, mas na vida mística, você vê homens e mulheres, mas não se registra para você dessa forma. Em outras palavras, não causa impressão. Não se pode dar ao luxo de ver alunos ou pacientes como mulheres atraentes, belas ou simples. Você se treina para que sua atenção esteja sempre na “escuta”. Isso é o que quero dizer com acalmar a mente, mas eu realmente não quero dizer acalmá-la no sentido usual, porque isso pode ser perigoso por colocar você no oculto. É por isso que não acredito em longas meditações, porque eventualmente a mente chega às camadas mentais, que consistem no bem e no mal. Por acalmar a mente, quero dizer não usar a mente.
Tomemos o assunto da visão.

Você vê através dos olhos, mas na verdade não os está usando. Se você tentar usá-los, verá rapidamente que está sentindo dor. Não, você não vê com os olhos, você vê através deles. Da mesma forma, você não ouve com os ouvidos, ouve com eles. É o mesmo com a mente. No momento em que você começa a “usar” a mente, está fazendo dela uma força criativa e, portanto, usando mal sua função.

Lembre-se, você pensa com a mente. Portanto, o passo da metafísica ao misticismo é realizado na proporção do grau em que você pode se tornar um observador.


Você usa a mente apenas no sentido de consciência, nunca no sentido de poder.

Quando eu puder ficar quieto e receptivo, não importa o que esteja “lá fora”, a consciência da Realidade espiritual entrará em mim. Minha visão pode ver as mesmas coisas por um tempo, mas alguém logo dirá: “Me sinto melhor”, não porque eu fiz alguma coisa, mas porque tive a atitude de um compositor. Qual é a atitude de um compositor? Ouvindo.


A mente mística não é usada; ela experimenta. Eu permaneço perfeitamente quieto, e minha mente interpreta para mim o que vê. Se estou pensando humanamente, verei homens e mulheres, altos e baixos. Mas se estou usando a mente espiritualmente, não vejo este universo humanamente. Vejo o que a Alma revela, que é a identidade espiritual que nada posso descrever. Você nunca deve acalmar a mente, mas deve permitir que ela se acalme, tornando-a seu intérprete. Perguntaram a Joana d’Arc: “Deus fala com você em francês?” Ao que ela respondeu: “Não sei se ele fala comigo em francês, mas ouço-o em francês”. Em outras palavras, sabemos que Deus fala na linguagem do Espírito, mas “ouvimos em inglês ou português”. A mente está interpretando isso para nós, mas sem qualquer atividade de nossa parte.

Você tem uma consciência de quarta dimensão, mas na maioria dos estudantes, ela é usada apenas ligeiramente ou não é usada, e o trabalho que você faz ao estudar e meditar tem o propósito de desenvolver essa consciência quadridimensional. Pode ser comparado ao estudante que está estudando música. Ele nunca pode fazer seus dedos tocarem. É a consciência que faz isso. Então, ao desenvolver sua consciência musical, seus dedos voam. Assim é com você. Seus estudos e meditações têm como objetivo desenvolver sua consciência e, então, seu corpo e sua mente funcionam automaticamente, sem qualquer vontade consciente.

Aqui está uma ilustração. Para mim, a maior passagem das Escrituras é: “Eu Tenho carne” ou “Eu sou o pão, a carne, o vinho e a água”. O que torna essas passagens tão importantes quando, humanamente, elas nem mesmo fazem sentido? Eles têm significado para mim, e o motivo é que, para mim, significa que quando Deus me criou, ele incorporou em mim tudo de que precisarei por toda a eternidade. Ele incorporou tudo dentro de mim, ou o poder de extraí-lo, como no exemplo da raiz da árvore.
Com cada aparência de reivindicação, posso fechar meus olhos e dizer: “Eu tenho carne”, e isso quebra meu apego a este mundo e a todos nele. Por quê? Por causa de uma experiência. Em meus primeiros anos, eu também dependia de Deus para o suprimento e dependia dos pacientes para serem os instrumentos pelos quais o suprimento chegaria a mim. Depois de um tempo, isso não funcionou, porque não é verdade. Mas então eu amanheci: “Eu sou Deus. Eu sou o Cristo. Eu sou a Fonte. Então Eu sou realização, e não preciso de Deus ou do homem. ”

Não faz diferença que tipo de reivindicação pode surgir de insuficiência ou limitação em qualquer área, aquela palavra “EU” surge em minha consciência, e então todo apego a este mundo é quebrado.
Tudo está incorporado no eu que EU sou, e tudo o que é necessário para trazer a cura está incorporado no eu que EU sou. Deus se realiza como meu ser, por isso não preciso estender a mão a Deus. Eu alcanço o EU que está “mais perto do que respirar” e então seja paciente e espere. Não estou acalmando a mente, mas estou ficando muito quieto enquanto ouço. Então a consciência quadridimensional entra em cena e, se tiver que fazer algo, o fará.


Lembre-se sempre de que não importa a linguagem que use, não pretendo acalmar a mente por desuso, mas por usar a mente de uma maneira diferente. Isso remonta ao termo do Mestre “o Pai interior” ou ao termo de Paulo “o Cristo interior”. Ambos significam que dentro de sua consciência está esta Presença e Poder. De que outra forma você pode entrar em sua consciência, exceto em quietude e receptividade, e então deixá-Lo vir como pão, carne, ressurreição ou vida eterna.

Joel – Série Perguntas & Respostas

Trecho de Consciência Transformada, palestra de 15 de fevereiro de 1964, “Into the Mystical Consciousness”. (Dentro da Consciência Mística)



Categorias:Perguntas & Respostas

Tags:, , , ,

1 resposta

  1. 🌹AloHa🌹

    Enviado do meu iPhone

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: