Libertando Deus

Acender velas não influencia Deus. Ficar sentado a noite toda em oração não influencia Deus. Isto não significa, porém, que se somos levados a acender uma vela ou a sentar a noite toda em oração, não devemos fazê-lo, porque deveríamos— não com o propósito de fazer com que Deus faça algo que Ele não está fazendo, mas com o objetivo de nos libertar de qualquer dúvida ou medo de que Deus não esteja aqui e agora. Há momentos em que é necessário ficar sentado meditando a noite toda; há momentos em que é necessário trabalhar, orar, meditar e ponderar por uma ou duas horas, depois descansar, ler um livro ou tirar um cochilo, e depois levantar-se e começar tudo de novo.

“Orai sem cessar.”1 Trabalhe, trabalhe, trabalhe, observe e ore— não com o propósito de influenciar Deus, mas com o objetivo de nos purificar de qualquer crença de que Deus é um Deus que retém, castiga ou se vinga.
(1 Tessalonicenses 5: 17)

“Deus é amor”2. . . “Deus é luz, e nele não há treva alguma” 3- nenhuma punição, nenhum mal, nenhuma inimizade. Esse é o ensino do Novo Testamento. Deus é Amor puro, e esse amor é tão tangível como o sol no céu. De fato, o sol no céu é uma prova do amor de Deus; o fluxo das marés é uma prova do amor de Deus; o fato dos mamões serem provenientes dos mamoeiros, abacaxis, de abacaxizeiros e açúcar da cana de açúcar— tudo isso é uma prova do amor de Deus, uma prova de que há uma provisão amorosa para a continuidade do desdobramento do bem. Cada folha de grama no gramado verde testemunha o fato de que Deus é amor.

(2 João 4: 8. 3) (3 João 1: 5. 4)

Deus não é um ser sobre-humano; Deus não pensa ou sente como o homem; Deus não tem emoções como o homem tem.

Às vezes, quando lemos sobre atos de suprema crueldade por parte dos seres humanos, nossa primeira reação é: “Eu gostaria de colocar minhas mãos nessa pessoa”; ou, “Eu gostaria que ele tivesse apenas 1,05m e eu 1,80m, e pudéssemos nos encontrar!” Essa é uma reação normal, mas Deus não é assim. Deus não tem o poder de derrubar ninguém por seus pecados; Deus não tem o poder de punir os pecados; Deus não tem o poder para dar ou reter.

Deus é Amor; Deus é Vida, Vida Eterna; e conhecê-lo corretamente é a Vida Eterna.

Não faz diferença qual é a nossa condição como ser humano quando começamos a conhecê-lo corretamente. Podemos aprender a conhecer “Ele” nas profundezas do pecado, da doença, da falta, da limitação ou da morte; e quando o fazemos, somos retirados de todas essas condições, não porque Deus mudou para nós, mas em virtude do fato de que mudamos para Deus. Quando paramos de olhar para Deus por algo, é quando a harmonia começa a se desdobrar em nossa experiência.

Uma analogia a esta relação pode ser encontrada na nossa experiência humana. Uma vez que paramos de procurar uma pessoa por qualquer coisa – por gratidão, pagamento, reconhecimento ou elogio – geralmente ela flui para nós em medida abundante. Nós a retemos de nós mesmos, esperando algo dela; estabelecemos um muro de defesa no marido, esposa, filho, pai ou amigo pelo próprio ato de esperar algo dele ou dela, enquanto que, se nós deixássemos todos completamente livres e esperar o nosso bem vir da Única Fonte, então, nós descobriríamos que nosso marido, esposa, filho, pai e vizinho estariam nos trazendo seus presentes com as mãos abertas.

No momento em que olhamos para alguém em busca de favores ou influência, fechamos nosso fornecimento porque a pessoa de quem esperamos algo tem um sentimento intuitivo e, se ele sabe ou não o que temos em mente, ele automaticamente monta um muro de defesa para se proteger de tais tentativas.

Vamos nos libertar nesta hora, e mais do que isso: vamos libertar Deus; liberte Deus de qualquer obrigação para conosco e reconheça que a única obrigação de Deus é manter e sustentar o Seu próprio Universo Espiritual.

Liberte Deus! Deus não nos deve nada, mas Deus deve a Si mesmo a alegria de viver livre e alegremente— expressando livremente, sendo livremente— e nós somos os beneficiários da Graça de Deus.

No verdadeiro trabalho espiritual, nenhuma exigência é feita um sobre o outro, mas todos são livres para trabalhar seu próprio desdobramento à sua maneira. Não há “Tu deves ser”, nem há “Tu não deves ser”, e é por esta razão que encontramos um vínculo espiritual tão profundo entre nós. É um laço que se constrói sobre o amor, e no amor não há obrigações. No entanto, todos estamos vinculados a nossos próprios conceitos do que aceitamos. Estamos ainda presos em nossos conceitos religiosos, porque esses conceitos errôneos de Deus nos limitam e nos mantêm em cativeiro.

Repetidamente, enfatizei que uma de nossas principais tarefas é entender A NATUREZA DE DEUS. Uma vez que entendemos isso, nunca podemos pedir nada a Deus em oração, nem podemos aconselhar Deus sobre nada. Portanto, quando oramos ou meditamos, não é com o propósito de influenciar Deus.

Joel – Libertando Deus do Livro: Nossos Recursos Espirituais



Categorias:Ensinamentos Joel S. Goldsmith

Tags:, , , ,

4 respostas

  1. 🌹🌹AloHa🌹🌹

    Enviado do meu iPhone

    Curtir

  2. Muito obrigada por nos enviar esse ensinamento precioso

    Curtir

  3. Ouvi em uma palestra de Joel que ninguém tem nada para nos dar nem para nos tirar. Acredito que a partir do momento em que conseguirmos vivenciar esse entendimento seremos livres. O nosso Suprimento é Deus!
    Obrigada Reggis por esse lindo trabalho!✨

    Curtido por 1 pessoa

  4. 💥🌍💥O aquietai-vos nada mais é:espere um pouco mais💥🌍💥🌾

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: