Aplicando o Princípio da Cura Impessoal aos Assuntos Mundiais

       Aqueles que tiveram curas através de meios metafísicos ou espirituais testemunharam a anulação do erro de uma forma ou de outra, mas quantos de nós temos algum conhecimento sobre como o erro foi erradicado e anulado?

        Aqui está O Princípio: Qualquer forma de discórdia que toque nossa experiência não é nossa culpa. Não é nem mesmo nossa culpa se cometemos pecados ou deixamos de cometer pecados. Eu sei que há algumas pessoas hipócritas que realmente acreditam que é possível ser uma boa pessoa, mas isso é porque elas estão vivendo em uma torre de marfim. Elas ficariam chocadas, no entanto, com a rapidez com que seriam puxadas para fora daquela torre se uma tentação à qual elas eram vulneráveis ​​levantasse a cabeça. Então elas aprenderiam como é impossível ser bom consigo mesmo.

É somente no grau em que entendemos que a doença, o pecado, a falta ou qualquer discórdia é o produto do erro universal, não do erro individual, mas da incompreensão universal da verdade ou da falta de compreensão da verdade, de nos libertarmos e de nos libertamos de outros qualquer condenação.

        A primeira coisa que um praticante deve fazer quando um paciente pede ajuda é desistir de qualquer senso de julgamento, crítica ou condenação da pessoa. Qualquer tal sentido estaria personalizando o erro, e o fixaria ao paciente em vez de livrá-lo dele. Assim que o praticante percebe que esse não é o pecado do paciente, não é sua doença, sua falta ou sua crença, mas que este é um hipnotismo universal ou aparência de que ele é uma vítima inocente, o paciente começa a experimentar sua liberdade. O peso da culpa é tirado dele e logo toda a condição se dissolve.

        Quando chegamos a um lugar de cura absolutamente impessoal, onde não levamos o paciente ao nosso tratamento, mas onde lidamos inteiramente com a crença universal, começamos então a perceber como esse importante princípio de cura do Caminho Infinito pode ser aplicado para a solução dos problemas mundiais.

woman wearing pink floral sleeveless romper sitting on gray concrete holding earth globe
Foto por Thierry Fillieul em Pexels.com

        Os problemas mundiais serão resolvidos anulando “o sentido material”, porque os problemas de cada nação são o resultado do “sentido material”.

Nenhuma nação na Terra está trabalhando apenas do ponto de vista da liberdade ou da prosperidade da humanidade, a não ser que possa ser alcançada sem qualquer perda para si mesma.

        Portanto, embora haja algumas nações que, em certa medida, estão trabalhando humanamente para o bem da humanidade e sem segundas intenções, esta não é a solução para problemas mundiais, assim como a melhoria humana não é a solução para a saúde ou o suprimento individual.

O princípio que resolver os problemas individuais acabará por conseguinte resolvendo os problemas do mundo, e esse princípio é a percepção de que:  Não estamos lidando com pessoas boas ou com pessoas más. Estamos lidando com a mente carnal, a crença em dois poderes.

        Assim que reconhecemos que o erro não é pessoal para o paciente e o transferimos para a mente carnal, o paciente está a caminho de experimentar uma cura. Assim é com os assuntos do mundo. Vamos parar de louvar ou condenar governos e nações e começar a trabalhar com o Cristo impessoal na percepção de que todo o erro que já existiu, ou existe, é a mente carnal, e então perceber que a mente carnal não é e nunca foi poder. É somente ativa na consciência humana porque foi aceito como poder.

Nossos recursos espirituais – Página 145

Joel.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: