CONSCIÊNCIA DE UNIDADE – Capítulo 7

“Anteriormente dizemos: “Se não houver mudança em nossa consciência durante a semana, não haverá mudança em nossa experiência externa na semana seguinte.” Agora, na medida em que alguma mudança em direção à Verdade ocorre em sua consciência, nessa proporção há alguma melhora em seus assuntos humanos externos, seja em sua saúde, seja em suas relações familiares ou em seu suprimento. Seria tão impossível para você estar hoje no mesmo lugar que estava uma semana atrás quanto jogar passas na massa de pão e não ter pão de passas.

Aquilo que entra na consciência deve surgir como manifestação. Aquilo que se torna parte da consciência como Verdade deve aparecer como manifestação. Não existe verdade “e” manifestação. A própria verdade aparece “como” manifestação.

O Espírito não é algo separado e à parte das formas que assume. O Espírito é a substância e, a “forma” é sua Manifestação.

O que entra na consciência

Portanto, se a Verdade aparece “em” ou “como” nossa consciência, se a Verdade aparece “em” ou “como” o Espírito de nosso ser, ela também deve aparecer como forma manifestada. Portanto, lembre-se disso como o fundamento, o ponto real, das recentes conversas: que todos os estados aprimorados de consciência devem aparecer como demonstrações ou experiências aprimoradas. E hoje vamos um passo adiante. A menos que conscientemente tomemos a decisão de agir ou viver de alguma maneira superior, em um nível superior, não vamos viver, agir ou ter manifestação em um nível superior. Não podemos nos sentar passivamente e dizer (ou acreditar): “Existe um deus ou lei que fará algo em mim, através de mim, por mim ou por mim”, assim como aprendemos a não acreditar que exista um lei do mal ou poder do mal. Não existe uma lei que atue sobre nós, exceto aquela a que damos poder através de nossa crença.

Você pode aceitar qualquer crença e torná-la uma lei para si mesmo. Não há poder nas estrelas ou das estrelas agindo sobre nós, mas você pode fazer de Deus o que quiser. Você pode pegar um pedaço de metal ou uma moeda de um centavo e chamá-lo de amuleto de boa sorte e fazê-lo dele isso. Você pode ir ao Canadá, Salvador, lugares nos Estados Unidos, e fazer um deus com algum pedaço de metal ou osso, e, na medida de sua fé, obter algum benefício disso. Sempre você é uma lei para seu próprio ser e, portanto, pode transformar um deus em qualquer coisa e, pelo menos “temporariamente” , se beneficiar dela. Mas essa não é a lei de Deus e não é permanente. Realmente não há lei, nem lei do mal ou do bem, que age sobre você.

Por quê?

Você é a própria personificação de Toda LEI! Tudo o que Deus é, Eu sou. Esse é um dos meus ensinamentos ou crenças para animais de estimação? Não. A própria Bíblia nos diz: “Tudo o que Eu tenho é teu. . . O lugar em que Eu estou mais firme é um solo sagrado. . . Eu e meu pai somos um. . . Eu estou contigo sempre.” Portanto, tudo o que Deus é, Eu sou. Deus é a Lei e a Substância do universo; portanto, minha unidade com Deus me faz uma Lei para meu universo – meu mundo.

Deus, o Deus indivisível, se torna a lei individual do seu próprio ser através do seu próprio estado de consciência. Deus se torna a lei para o meu ser através do meu estado de consciência. Às vezes, observamos amigos ou familiares cometendo erros terríveis, pelo menos para o nosso sentido, e gostaríamos de estender a mão e impedi-los de fazê-lo. Não há erro maior do qual possamos ser culpados, porque estaríamos interferindo na demonstração individual de outra pessoa do seu próprio ser. Cada um de nós, finalmente, entrará no Céu, no Reino de Deus, mas estaremos seguindo por caminhos diferentes. Existem pessoas tão instruídas que podem fazer desta uma ascensão gradual e bela ao Céu (Reino de Deus dentro de nós), sem discórdias para “impulsioná-las”. Existem outros tão instruídos que, a menos que se metam em muitos problemas, não se encontrarão entrando no Céu. Seus problemas os levam adiante. A menos que alguns de nós cheguem ao local em que o médico diz: “É o seu fim”, não desistiremos de nossas atividades externas e encontraremos o caminho para Deus. Portanto, doenças graves costumam ser o caminho, a causa, para nos levar a Deus. Com outros, é pobreza. Seja o que for, o resultado final será nos levar ao Céu. E assim, se você pudesse interferir com a demonstração de um indivíduo em um determinado momento e fazê-lo seguir um caminho melhor, você pode não estar, no final, prestando-lhe um bom serviço. Você pode resolvê-lo temporariamente em um sentido de um melhor ser humano, mas depois virá esse medo novamente de viver o estado humano.

Sinto que há tantas pessoas aqui que nunca encontraram Deus; Muitos estão realmente contentes com o senso humano de bem-estar que estão experimentando – boa saúde, bom suprimento, momentos felizes indo à igreja. Lá estão eles, nesse nível. Eles sabem que existe um Deus apenas intelectualmente. Porém, quando você encontrou Deus, todas essas fases das condições humanas ou mortais desaparecem. Não precisamos mais nos dizer que somos humanos melhores. Nossa parte agora é compreender que Deus é a Lei para o nosso ser e, por essa razão, nós mesmos devemos tomar a decisão de que maneira iremos seguir. Se você tomou a decisão de seguir o caminho espiritual, encontrará muitas tentações para afastá-lo e terá de ser muito firme em sua determinação de não deixar que nada interfira espiritualmente em seu progresso.

Existem muitas exigências sobre você quando você toma esse caminho. Pode haver um professor a setecentas ou sete mil milhas daqui, a quem você apenas precisa alcançar, a quem precisa encontrar neste ponto de demonstração. Isso exige tempo e dinheiro, e cabe a você tomar a decisão de sacrificar alguma forma material de bem para seguir suas orientações espirituais. Novamente, pode ter relação com cuidados ou assuntos familiares. Algo, de alguma forma, sempre se intromete para interferir no seu progresso – “se você permitir”.

Na Bíblia, temos maravilhosos desdobramentos que nos são dados quanto ao valor do ensino espiritual. Ouvimos dizer que é “a pérola de grande preço”. Quando você encontra a pérola de grande valor, o ensino particular que lhe diz: “É este, é o caminho”, então apóie-o e faça sua demonstração em encontrá-lo, de alcançá-lo, até o desenvolvimento ou revelação de Deus chegar à sua consciência. Quando tocar a barra do manto de Deus, você não precisará mais de livros ou professores. No entanto, continuaremos lendo e indo à igreja de vez em quando, não por causa da iluminação espiritual e nem porque precisamos deles. Pelo contrário, por causa da alegria que experimentamos através da troca de pontos de vista espirituais. É por essa razão que lemos esses livros, nos associamos em sala de aula as pessoas no mesmo caminho e nos associamos aos professores desse caminho. Não porque precisamos deles, mas porque nunca há um momento em que não estamos nos beneficiando da troca de ideias. O verdadeiro propósito de nosso Novo Reino é entrar na consciência da presença de Deus; isso deve ser tomado como nosso ponto de decisão – então deve ser realizado.

Sempre estaremos neste mundo, mesmo que nem sempre estejamos no mundo. Este trabalho não pretende tirar ninguém do mundo nem fazer de alguém um asceta ou um eremita. Pelo contrário, pretende nos tornar a “luz” do mundo e essa luz não tem o direito – jamais – de ser escondida. Portanto, estaremos sempre no mundo, mas não do mundo.

DÍZIMO

Como podemos demonstrar estar no mundo e não fazer parte dele?

Para ensinar a você apenas uma fase hoje, vou abordar o assunto sob o título de “dízimo” ou “doação”. Mais cedo ou mais tarde, todos aprenderemos o valor da gratidão, mas essa é apenas uma pequena faceta no vasto assunto do amor. O dízimo é algo que nos leva ao nosso mais alto senso de gratidão.

Normalmente, o dízimo é entendido como se dermos 10% da nossa renda para algum propósito de caridade ou espiritual, de alguma maneira misteriosa teremos agradado a Deus e, portanto, seremos recompensados. Pessoalmente, acho que esse é um dos ensinamentos mais perigosos que podem ser dados, pela simples razão de que não há palavra de verdade e, no final, ele nos encontrará sem um suporte. Não há virtude em dar quando há algum sentido de um tempo futuro conectado a ele. Se nossa doação, seja em contribuição a uma instituição de caridade, uma igreja ou um professor, traz consigo algum sentido ou pensamento de que receberemos algum benefício dela, é melhor não dar. Dar sempre deve ser do ponto de vista de gratidão pelo que já é, pelo que já foi estabelecido desde o início.

Por exemplo: não podemos obter saúde e riqueza; não podemos ter felicidade ou paz. Essas coisas foram estabelecidas desde o começo! Eles faziam parte da sua consciência e se desdobram em proporção à sua volta para esse desdobramento e em proporção à sua devoção ao sentido espiritual da vida.

Agora, se você sentir um sentimento de gratidão por essa mensagem, pelo canal (o mensageiro) pela qual essa mensagem é trazida a você e se, pela plenitude do seu coração, você sentir esse sentimento de gratidão que o impele a dar o seu ” pouco ”ou seu último centavo, você descobrirá que o dízimo é uma das maiores bênçãos já dadas à consciência humana. Não há bênção maior do que o dízimo, quando se manifesta através de um sincero senso de gratidão pela revelação de Deus como sua experiência individual. Certamente o dízimo nesse sentido é gratidão, e gratidão é uma das facetas do amor.

Mas existe uma Lei ainda mais forte do que aquela que acompanha o dízimo. Humanamente, você acredita que sua renda atual é o limite de sua renda e, humanamente, não sabe como aumentá-la. Agora, quando começamos o uso do dízimo, certamente declaramos que esse dízimo não vem da “nossa” renda; portanto, tem que vir de Deus. Não é do “eu”, é de Deus. É o apoio de Deus à atividade da Verdade nos assuntos humanos ou nos modos humanos. Vamos assumir por um momento que Deus, transmitindo a Verdade à consciência humana, nos obriga a interpretar essa comunicação como um livro, igreja ou professor. (Você deve entender aqui que Deus “não precisa” de nenhuma desses canais: Deus não precisa de mediador.) Deus e você sendo Um, tudo isso pode estar ocorrendo em sua consciência sem que nenhuma “pessoa” fale com você, sem que alguém escreva um livro. Portanto, o fato de estarmos aqui, de que essas canais estão aqui, é nossa autoridade neste momento para interpretá-los como a transmissão de Deus de Sua palavra dessa maneira por meio desses canais. Por quê?

Só que você exige que esses canais cheguem até a palavra de Deus, até o momento em que sua unidade com Deus – sua unidade consciente com Deus – permita que você aceite a mensagem sem tudo isso. Portanto, uma vez que isso é verdade, deve haver esses meios fornecidos nesse meio tempo. E quando dizemos que “Deus os fornece”, isso não é realmente verdade. Deus não sabe nada sobre professores ou ensinamentos humanos, lugares ou adorações humanas. Pois se Deus tivesse feito nossas igrejas, ninguém jamais seria bombardeado ou queimado. Criamos esses locais através da nossa necessidade por eles.

Ainda não estamos nesse ponto de consciência em que percebemos suficientemente bem nossa unidade com Deus, a fim de receber essas mensagens sem meditação; portanto, precisamos desses lugares, professores e livros. No entanto, na medida em que não há nada pessoal, vamos chamar isso de atividade da mente ou de Deus, e vamos ver que a atividade ou mente ou Deus se interpreta para nós como professores, igrejas e livros. Então vamos ver que a atividade de Deus, agindo através ou como nós, deve apoiar esse empreendimento.

Vamos concordar, então, em chamá-lo de um agente de transferência para o bem e dizer: “Contribuirei essa quantia em particular todos os dias, todas as semanas ou todos os meses para esse propósito espiritual, e não é da ‘minha’ renda ou da bondade do meu coração, mas apenas como um agente de transferência para o Bem, ‘Deus’, mantendo sua própria atividade infinita. ”

Foto por Artem Beliaikin em Pexels.com

Logo você descobrirá que nem um centavo desse dízimo sairá do seu bolso e, além disso, descobrirá que sua renda acabará por aumentar – não apenas para compensar essa quantia, mas para ir muito além disso. Estamos dizendo isso apenas para mostrar a você o que realmente acontece, pois você acabará levando isso muito mais longe. Você declarará que todas as obrigações familiares que você possui – ou qualquer outra obrigação, não são de sua responsabilidade pessoal, mas de Cristo e, portanto, não devem ser cumpridas com sua renda pessoal.

Assim, você se tornará o agente de transferência para apoiar sua família, amigos ou parentes no exterior e assim por diante. Você descobrirá que nada disso virá do seu diretor se você entender o ponto central: que nenhuma exigência pessoal é feita a seu respeito, mas a Cristo. Não é que o Cristo apóie a atividade desta vida, deste trabalho, deste professor ou deste livro. Não! não!

Você, através de sua consciência dessa atividade de Deus – Bem – trouxe a você aqueles que, no seu sentido, são avenidas ou canais de apoio! Você deve tomar uma decisão consciente de que será o agente de transferência. Assim que lhe for apresentada uma necessidade ou o chamado, você aceitará que o Cristo fez uma exigência a seu respeito e que você poderá cumpri-la, não com sua renda pessoal, mas com aquilo que Cristo dá você.

Lemos na Bíblia que a viúva tinha apenas um pouco, mas ela alimentou o profeta. Se o suprimento viesse do pouco que ela possuía, nunca teria sido suficiente. Mas a demanda não foi feita em seu suprimento pessoal. A demanda foi feita em Cristo! Novamente, quatro ou cinco mil pessoas ficaram sentadas esperando ser alimentadas por Jesus com alguns pães e peixes. Jesus nunca esteve em posição de alimentar tantas pessoas de seu estoque pessoal – Nunca! A menos que Jesus pudesse ver que a exigência sobre ele era uma exigência sobre o próprio Cristo, que era o Cristo que fazia a exigência sobre o Cristo, isso não poderia ter sido feito.

E novamente, ele curou as multidões. Se algum indivíduo tiver a ideia de que possui compreensão humana suficiente para curar uma doença, o Céus ajudará o paciente! Não. Todo apelo à cura é um apelo a Cristo, e tudo o que um praticante pode fazer é ser um caminho através do qual, ou como, o Cristo está agindo para dissipar a ilusão dos sentidos. Não faz diferença se multidões buscam isso, mesmo que multidões aqui busquem cura. Não seria um homem pessoal ou humano que corresponderia. Mas o Cristo, agindo ou aparecendo como eu, poderia muito bem atender às demandas de mil e de apenas um. O Cristo é ilimitado.

Nunca acredite que qualquer ser “humano” possua qualidade própria que produza uma cura ou que algum de vocês tenha dinheiro suficiente para apoiar igrejas, praticantes ou professores. Como Cristo, qualquer um de vocês poderia apoiar igrejas, praticantes ou professores; mas como o Cristo, qualquer um de vocês poderia apoiar toda essa atividade.

Você só precisa aceitar conscientemente a responsabilidade.

Você tem que apenas a dizer: “Pai, aceito a responsabilidade de encontrar através de mim a minha parte generosa da atividade do movimento de Cristo”.

Foto por Public Domain Pictures em Pexels.com

Mas isso não significa que você tenha a responsabilidade pessoal de apoiá-los. Não. Toda a responsabilidade que você tem é tomar a decisão consciente de que você faz parte deste trabalho e que, assim como o Cristo está operando através dos canais ou professor, o Cristo está operando através de você, para o benefício de toda essa atividade de Cristo .

Lembremo-nos deste assunto: Dízimo. Não faz diferença se você decide dar dez, cinco ou um por cento ou vinte por cento de sua renda. O ponto é que você deve conscientemente tomar a decisão de fazer parte da atividade espiritual do mundo e cumprir sua parte nele! Se você é chamado para uma cura, sim, se você for chamado para vir aqui nesta plataforma nesta manhã e terminar a conversa – esteja pronto! Se esse chamado é feito a você, é apenas o Cristo que faz uma exigência a ele, e qualquer um de vocês pode cumpri-lo tomando conscientemente sua decisão de fazer parte da vida de Cristo. Há uma razão pela qual tudo isso é importante e não é o de tornar-se humanos mais saudáveis ​​ou mais ricos. Não, é que você entra na realização do seu destino de Cristo e deixa de ser um bom ser humano.

Lemos na Bíblia: “A terra é do Senhor e a sua plenitude.” Agora quanto disso é seu? Tudo isso! Tudo isso. Você vê o que estou tentando entender? Não é para torná-lo um humano mais rico, mas para conscientizá-lo do fato de que todo o Reino de Deus é seu! “A terra é do Senhor e sua plenitude.” Tudo o que pertence ao Pai pertence a você! Você nunca saberá isso enquanto estiver contando isso em notas de dólar.

Você saberá apenas quando se libertar completamente da crença de que “tem” tanto e “não tem” tanto. Quando você começa a reconhecer que toda a terra pertence ao Pai; mas tudo o que o Pai tem lhe pertence – “Filho, tudo o que tenho é teu!”

Qual é o ponto mais essencial para tomar consciência de Deus? E essa é realmente a pergunta mais importante que pode ser feita.

Qual é o passo mais necessário para tomarmos consciência de Deus?

Bem, o passo mais importante a seguir é: reconhecer que Deus é tudo o que existe para nós. Quando reconhecemos que Deus é a nossa mente; quando reconhecemos que Deus é a nossa vida, a alma e o espírito; quando reconhecemos que Deus é o único elemento, a única atividade e a única lei do nosso ser, tomamos o passo mais essencial para tomar consciência de Deus.

Não há egoísmo separado de Deus. Deus é Um, infinito, indivisível, aparecendo como cada indivíduo. O todo de Deus aparece individualmente como “você”. Você não faz parte de Deus. Você não é uma partícula de Deus. Não é como a “gota com o oceano”. Não existe esse relacionamento. Você é o Todo-Deus! Você é a aliança de Deus! O Todo de Deus aparece individualmente como você. É como a totalidade do número 12 que aparece em cada número 12, seja como tortas ou grãos de areia. Sempre o número inteiro contém o valor total de 12. Assim, a totalidade de Deus aparece como você individual. Você é toda a mente, toda a vida, toda a inteligência. Você não poderia ser “mais” vida, mais imortalidade. Você é imortalidade. Você sempre existiu e sempre existirá e você não pode ser mais imortal que a imortalidade, não pode ser mais verdadeiro do que ser a verdade. Não, ou você é toda verdade ou não é verdade. Uma pessoa pode ser 99% mortal? Não, ou você é mortal ou não é mortal. Existem graus humanos de ser mortal, mas isso não é imortalidade. O mesmo vale para todas as facetas de Deus. Você não pode ser parcialmente inteligente e ainda assim ser de Deus. Você é a soma total de inteligência. Portanto, a inteligência infinita de Deus é sua inteligência individual. E assim, o passo mais essencial é “eu, do meu próprio eu, não sou nada. Deus é a totalidade de mim, a mente, a vida, a alma, de mim”. Então deixe que isso venha através da sua chamada consciência humana para se tornar conhecida como consciência.

É para esse fim que temos meditação, leitura, palestras e aulas. Todos esses são caminhos ou meios pelos quais você se torna consciente de sua unidade com Deus, se torna consciente de que Deus aparece como a soma total de você. O objetivo do ensino em aula, palestras, leitura e literatura metafísica, é apenas para conscientizá-lo de que você é agora, e de que sempre foi o cumprimento de Deus! Para repetir: o ponto mais essencial para tomar consciência de Deus é reconhecer que Deus é a soma total de mim; Deus é a substância do meu corpo, a substância real do meu corpo. Caso contrário, teríamos Deus, tudo infinito, e um corpo humano.

Agora, chegamos a um segundo ponto em tomar consciência de Deus, e isso lida com o assunto do sono e como chegar à condição de exigir menos dele. Isso, é claro, não pode ser transformado em questão de vontade humana (pois destruiríamos nosso senso de saúde humano dessa maneira), mas deve ser uma questão de demonstração espiritual. No entanto, esse estado pode ser alcançado pela prática. No meu caso, a prática era a seguinte: por mais de doze anos nunca tive mais de três a três horas e meia de sono à noite e, às vezes, muito menos.

No entanto, não tive a sensação de precisar dormir ou de estar cansado, e eis a razão: na hora de dormir, havia a tentação de pular na cama às pressas e dormir um pouco, e essa é a primeira tentação que deve ser superada. Então sente-se por pelo menos três a cinco minutos antes de ir para a cama e abra sua consciência para Deus no sentido de: “Eu e o Pai somos um, e onde estou é a consciência disso”. Consciência aberta a Deus! Pode demorar apenas três minutos, mas não vá para a cama sem fazer isso.

Foto por Andrea Piacquadio em Pexels.com

Agora, em vez de deitar na cama e pensar nos problemas do dia ou no que deve ser feito amanhã, permaneça ali no pensamento de unidade consciente com Deus e, com esse pensamento, adormeça.

Você acabará descobrindo que, em vez de dormir a noite toda, acordará no meio da noite. E há o momento em que começam os primeiros passos realmente difíceis. Quando isso acontecer, levante-se da cama, esteja calor ou frio, tome algo quente ou refrescante para beber, se quiser, mas levante-se! E por três ou cinco minutos sinta essa unidade consciente com Deus. Então, se você quiser voltar para a cama, vá em frente. Dessa maneira, você gradualmente se enche da presença de Deus e, aos poucos, supera a necessidade desse estado de inconsciência que chamamos de “sono”.

Na noite anterior, eu não tinha a menor ideia do que se apresentaria para mim no outro dia de manhã. Acordei do sono com esta afirmação: “Busquem primeiro o Reino de Deus”, e depois, em grandes letras, “e sua retidão”. Pela primeira vez na minha vida eu entendi essas palavras. Todos sabemos o que é a vida humana: um pouco de renda extra, um pouco de sabedoria extra, um pouco de saúde extra. Mas o que é “a retidão dele”? Qual é o senso espiritual de saúde, o senso espiritual de suprimento, o sentido espiritual do bem? E aí temos todo o segredo. Minha lição para o dia seguinte se desenrolou a partir daí.

Imagine acordar de um sono profundo e fazer a coisa toda aparecer! A aparência do sono não era inconsciência, mas um descanso para o corpo. E, no sono, a mente interior estava funcionando. Esse é o lugar para onde finalmente chegamos e não apenas a ponto de ficar acordado, mais ou menos, a maior parte do dia.

O lugar a que chegamos é o da inteligência consciente, acordada ou adormecida, e quando isso chega a você, não faz diferença se você fica na cama oito ou dez horas fora das vinte e quatro. Realmente não importa, desde que você esteja conscientemente funcionando; desde que o descanso seja apenas um descanso do corpo. A operação de Deus pode continuar enquanto os olhos estão fechados e você parece estar dormindo, mas não se você for dormir inconsciente.

Quando me aposento à noite, tomo a decisão de que todo mundo que me pede ajuda, deve tocar no Cristo de seu ser e obter Sua ajuda. Não é meu conhecimento humano, mas a minha Consciência Divina com seu Cristo que ajuda. E essa Consciência Divina nunca dorme. Quando tomo a decisão de não desligar meu contato com aqueles que me procuram como praticante; quando conscientemente percebo que todos que me procuram durante a noite estão chegando, não para Joel Goldsmith, mas para o meu Cristo, e que Cristo está acordado e curando agora, ele recebe sua ajuda. Essa ajuda vem pelo fato de que, mesmo durante o sono, eu, a realidade de mim, não está dormindo. Meu corpo está em repouso, meu pensamento humano está em repouso, mas a minha consciência que é Deus, o meu Cristo que é a forma de Deus, está sempre acordada e sempre curando. Portanto, não olhe para o nosso trabalho como uma tentativa de dormir horas à menos ou ficar na cama por um tempo menor. O ponto é chegar à consciência de Cristo. E eu lhe dei o caminho para fazer isso.

Para resumir: Primeiro, antes de se deitar, faça dois ou três minutos de meditação para estabelecer sua Unidade. Então, quando você for para a cama, não se permita pensar nos problemas de hoje ou de ontem. Passe esse minuto antes de adormecer, mantendo sua unidade consciente com Deus. Se você acordar no meio da noite, não tente voltar a dormir, mas pule da cama por alguns minutos e sente-se em meditação. Então, se você quiser, volte para a cama. Ou se você quiser escrever ou cozinhar, faça isso. Isso deve se tornar uma questão de hábito. Nossa vida é novamente uma aventura! Não deve mais ser vivida de acordo com os velhos padrões. a vida é uma aventura se há algo que vale a pena esperar, em vez de apenas adotar o hábito de viver vinte e quatro horas por dia de alguma maneira rotineira. O que fazer com o sono? Não se preocupe se você se sentir mais confortável quando estiver na cama oito horas das vinte e quatro. Mas não deixe que se torne um sono inconsciente. Faça do seu descanso uma unidade consciente com Deus, para que se torne apenas um descanso, e que seu trabalho criativo e de cura continue.

Joel – Capítulo 7 – Consciência de Unidade – Palestras de San Franscisco



Categorias:Ensinamentos Joel S. Goldsmith

Tags:, , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: