HARMONIA ATRAVÉS DA UNIDADE COM DEUS – Capítulo 8

Seu assunto é o mesmo assunto que ouvimos há vários milhares de anos – o da Vida Espiritual, do nosso relacionamento Espiritual com Deus, de trazer Deus à nossa experiência individual. O assunto é antigo, a apresentação é sempre nova, está sempre aparecendo em novas formas. A Verdade é um estado de consciência. Realmente, é um estado de consciência infinita. Deus é Verdade. Deus é infinito. A consciência é infinita. Mas, por causa dessa mesma infinidade, ele tem infinitas maneiras de se apresentar a nós.

Nos dias de Krishna, provavelmente a mais antiga história registrada da verdade, a apresentação veio na forma da palavra “Eu”. Sempre o Eu estava falando através de algum indivíduo – tanto que muitas vezes as pessoas divinizavam o homem, o indivíduo que apresentava a verdade (Deus) apenas por causa do uso da palavra Eu. A mesma coisa aconteceu depois quando Shankara, em algum lugar por volta de 200 aC, extraiu das Escrituras Orientais o grande segredo e novamente o apresentou com a palavra “Eu”. Só que desta vez ele foi um pouco mais longe e disse: “Eu sou isso. . . Eu sou isso”. Aqui, novamente, as pessoas também pensavam que um homem estava se chamando Deus. Ele não estava. Foi Deus se anunciando à consciência individual. Então vieram os dias daquele que reconhecemos como o Mestre, Jesus de Nazaré. Ele apresentou a mesma história: “Eu sou a luz do mundo!” E com isso, as pessoas disseram que ele se fazia igual a Deus e que ele achava que não era impróprio fazer as obras de Deus. “Vamos crucificá-lo!” eles choraram, mas tudo o que ele estava dizendo era que Eu a Lei infinita do ser, o princípio criativo infinito do Universo – Eu sou sua própria consciência. Eu sou a própria vida de você! Eu sou a própria mente de você!

Ele não estava chamando um ser humano assim. Ele teve muito cuidado em dizer: “eu de mim mesmo não posso fazer nada. Minha doutrina não é minha, mas Daquele que me enviou”. Ele fez uma grande distinção entre o homem que estava aparecendo como o mensageiro e o Eu que estava se apresentando como a mensagem. Mas a mente humana da época não a aceitava mais do que havia aceitado em suas aparições anteriores na Terra.

Agora, a revelação de que o Eu é Deus, que Deus é a alma do indivíduo, aparece muitas e muitas vezes na história do mundo. Cada vez que termina com mal-entendidos e às vezes com crucificação; mas, como é a verdade, ela se apresentará repetidas vezes até que a aceitemos individualmente e não glorifiquemos a autoconfiança humana, ou pensemos que ela própria é algo grande. Em vez disso, ela se apresentará na mesma mensagem, mas de maneiras diferentes, até que a reconheçamos tão prontamente que permitimos que esse pequeno eu, ou ego, seja crucificado; “Morrer diariamente”, como Paulo nos disse, até que esteja fora do caminho.

Então, esse “Eu que Eu sou”, Jesus também denominou “o Pai interior”. E quando desejamos entrar em contato com isso, quando desejamos nos unir a Ele, quando queremos trazê-lo à nossa experiência individual, sabemos agora, ou devemos saber, para onde ir. Não precisamos adorar em uma montanha grandiosa e tão santa, nem naquele templo sagrado em Jerusalém. Somos ensinados que esse Reino está dentro de nosso próprio ser. Agora, olhamos para um músico e, se olharmos com os olhos, acreditamos que ele tira a música do instrumento. Mas se olharmos para ele com nosso entendimento, saberemos que a música é extraída da consciência musical que está dentro de seu próprio ser. O instrumento é apenas um instrumento, mas a fonte da inspiração, a fonte do presente que está dentro da alma do indivíduo, que é Deus. Um traz como música, outro como arquitetura, outro como pintura. Onde está esse presente o tempo todo? Não está lá fora em nenhum Deus misterioso. Está sempre nas profundezas do nosso próprio ser e é produzido quando eliminamos o mundo. Descobrimos que, quando nossas mãos não são mais necessárias para o cuidado de crianças pequenas, uma casa ou um negócio, somos capazes de entrar e trazer nossos dons de arte ou cura.

Dentro de cada um de nós há um presente. Como Paulo nos diz, existe apenas um espírito que anima todos nós, mas esse espírito se manifesta de maneiras diferentes. Um de nós recebe o dom de curar, outro é o da lei, outro é o da pregação. Cada um, se procurar profundamente o suficiente dentro de sua própria consciência, encontrará algum modo ou método de expressão exclusivamente seu. Podemos ir lá fora para obter orientação dos professores, mas não podemos ir lá fora para buscar inspiração.

Essa mesma Lei é verdadeira nesta grande obra que chamamos de Vida Espiritual. Você pode ir a um professor, pode ir a um livro, para obter orientação e ajuda ao longo do caminho. Mas você não pode ir a um professor ou a um livro para Deus. Você tem que ir para sua própria alma, para as profundezas mais íntimas de seu próprio ser. Nunca acredite por um momento que qualquer homem, mulher ou livro possa revelar Deus a você. Tudo o que você pode fazer é mostrar o caminho pelo qual você pode percorrer até voltar ao Reino de seu próprio ser, ao Reino de sua própria alma, e lá encontrar Deus.

Talvez você conheça a história contada de duas maneiras diferentes. Uma é um ensinamento hebraico antigo e a outra é um ensinamento hindu antigo, mas a história é a mesma nos dois casos:

Houve um discípulo que foi a seu mestre e perguntou: “Por favor, mestre, mostre-me Deus. Deixe-me conhecer a Deus, deixe-me estar na Presença de Deus. ” Repetidamente, ele apelou ao seu mestre, mas o mestre sábio não fez nada a respeito, exceto sorrir e dizer: “Sim, com o passar do tempo.” Então, um dia, o mestre sentiu que havia chegado a hora. Então ele disse ao discípulo: “Vou levá-lo ao nosso templo secreto e sagrado. Existem três quartos neste templo, mas só posso levá-lo para o primeiro. Depois disso, você estará por sua conta. Se você encontrar o caminho, em última análise, encontrará Deus. Caso contrário, terá que ser outra hora. O discípulo se viu sozinho em uma sala vazia, exceto por uma estátua de ouro de Deus Jeová. E depois que o discípulo se acostumou com a ideia desta sala, com a sensação dela, ele sentiu algo errado. Ele disse: “Não, não é isso. A atmosfera é muito pesada aqui. Vou ter que ir mais longe. Então ele encontrou o caminho para a próxima sala. Depois de entrar no segundo quarto, ele começou a respirar mais livremente. Ao se acostumar com o ambiente, viu que estava novamente em uma sala vazia, exceto por uma estátua de Deus Jeová feita de cristal. Ele sentiu a leveza desse cristal, a leveza da atmosfera da sala e disse: “É mais assim!” Mas depois de um tempo, ele percebeu que, embora isso fosse mais parecido, não era. Assim começou a busca pela entrada do terceiro quarto. Você sabe que ele encontrou e também sabe o que ele encontrou. Ele se viu em uma sala vazia, completamente vazia. Não havia ninguém lá além de Ele!

Essa é a história da busca por Deus. Eventualmente, nos tornamos um com Deus quando percebemos que “Eu e o Pai somos um!” Temos que nos virar para encontrá-Lo. Onde você encontrará a felicidade ou a paz, o contentamento ou a segurança, se não o encontrar dentro do seu próprio ser?

Certamente não na riqueza. Tem havido um número incontável de pessoas ricas que não encontraram a felicidade. De fato, ninguém com riqueza jamais afirmou que a própria riqueza lhe trouxe felicidade. Se não houvesse outras condições presentes, a riqueza em si não era nada. A felicidade deve ser encontrada dentro.

Houve pessoas que encontraram um certo grau de felicidade no casamento. Mas foi apenas um diploma. Chegou a mesma coisa, finalmente, a realização da incompletude – até que alguém encontre dentro de si essa grande qualidade de Unidade, essa grande qualidade de unificação, esse senso de completude por causa do ser divino, o Pai interior. Agora, Paulo chamou isso de “o Cristo”. Ele disse: “Vivo, mas não eu, Cristo vive em mim.” E, porque ele poderia comungar com esse Cristo, porque ele poderia comungar com ele, porque ele poderia viver com ele, ele tinha o segredo da vida.

João, é claro, nos fala do “templo não feito por mãos”. João nos fala do universo invisível. Onde está esse universo invisível?

Onde, exceto dentro de nosso próprio ser?

E é realmente invisível?

Não, não é. É realmente visível, muito tangível. Mas apenas para o sentido espiritual! Os olhos não podem ver, isso é verdade. Os ouvidos não conseguem ouvir. É invisível apenas ao sentido material, mas muito visível, muito real e muito tangível aos sentidos internos. O valor disso é ótimo. O valor disso é que é o segredo da vida. Com isso, com a realização e a compreensão dela, chegamos a todas as promessas das escrituras e seu cumprimento: “Eis que Eu estou convosco até o fim do mundo.” Esse é aquele Eu invisível, essa Presença invisível, não presente na estátua de ouro nem na estátua de cristal – visível apenas como vazio para os sentidos externos, mas completamente satisfatório e preenchido por dentro. “Eu vim para que sejais completos.” Preenchidos; preenchidos por completo! Que você pode ter a “coisa real!”

Mas que eu sou Deus, que Eu sou o Cristo, o filho de Deus. E sua consciência, sua consciência dessa verdade, é sua comunhão entre o que é o seu eu exterior e o que é o seu eu espiritual interior. Um dia esse eu exterior desaparecerá e tudo o que resta então é a realidade interior e, nesse momento, você ouve Jesus dizer: “E você não sabia que quando me vê, vê o Pai que me enviou, pois eu e o Pai? são um?” Naquele momento ele havia vencido o mundo. Naquela época, ele havia superado sua dependência das coisas e pensamentos do mundo exterior. Naquela época, ele alcançara completa comunhão com esse grande ser interior.

A própria vida espiritual é a vida vivida pela graça, não pela força, nem pelo poder. Não é a vida que experimentamos com provações, tribulações e trabalho duro; pelo contrário, é uma vida em que encontramos todas as coisas aparecendo para nós na ordem em que precisamos delas, às vezes antes de nós mesmos estarmos conscientes dessa necessidade. Isso é viver pela Graça.

Viver pela Graça

E que viver pela Graça é alcançado somente quando coisas e pensamentos são superados. Não vencemos o mundo enquanto tentamos melhorar ou aumentar o senso material do nosso mundo.

Só ter mais dinheiro ou um coração ou fígado que funcione como pensamos que não deve ser a conquista da vida espiritual ou da imortalidade. É verdade que está obtendo uma melhor experiência humana, mas na melhor das hipóteses é temporária. A conquista da vida espiritual é o estado de ser em que vivemos pela Graça, no qual sabemos que automaticamente, seja qual for a necessidade, a resposta aparecerá. Não temos muitas promessas, mas testemunhas em declarações como: “A Presença adiante de mim para endireitar os lugares tortos”. Aí temos a indicação de uma Presença ou Poder invisível e infinito que, embora não seja tangível aos sentidos, se necessário, cria um espaço de estacionamento para nós ou encontra apenas o chapéu ou o vestido de que precisamos. Nós não o usamos para esse fim, mas funciona dessa maneira em nossa experiência.

Você se lembra de que Jesus não hesitou em invocá-lo para produzir transporte na forma de um burro. Ele não hesitou em invocá-lo para tirar ouro da boca do peixe ou multiplicar os pães e peixes. Mas lembre-se sempre de que ele não o estava usando como truque de Vaudeville, e não o estava usando simplesmente como um meio de caridade. Ele repreendeu aqueles que o procuravam continuamente por aqueles pães e peixes e disse a eles: “Você veio buscar mais pães e peixes, mas por que você não entendeu o milagre por trás disso?

Então você não precisaria dessas distribuições contínuas de pães e peixes! Eu lhe mostrei os pães e os peixes e os alimentei para que você pudesse ver que existe um princípio. Se você pudesse aprender esse princípio, teria os meios de vida invisíveis.

Não por força, nem por poder, mas pelo meu espírito!

Do mesmo modo, ele curou as multidões. No final, ele deve ter ficado muito cansado disso porque disse: “’Se eu não for embora, o Consolador não chegará até você.’ Se eu continuar curando todos esses seus males – oh, Eu posso fazer isso! – ‘o Pai dentro de mim trabalha até agora e Eu trabalho’ – posso fazê-lo, mas para onde você vai sair se continuar procurando sua fundação e sua cura em um homem chamado Jesus quando o homem chamado Jesus está tentando dizer para você, ‘o Reino de Deus está dentro de você!’

Lembre-se, ele disse: “Seu Pai e meu Pai”. Ah, ele não tinha direitos autorais! Ele também não reivindicou nenhum direito especial a isso. Muito honestamente, muito abertamente, ele disse: “Seu Pai e meu Pai” e “Coisas maiores você fará!” Nesta época, estamos ouvindo essa mesma mensagem, a mensagem do infinito invisível, daquilo que é intangível para os sentidos externos, mas muito real para a Consciência Espiritual. 

* * *

Suponho que todos aqui experimentaram uma cura ou conheceram alguém que experimentou uma cura metafísica. Bem, essas curas eram as evidências externas de uma Graça interior.

Essas curas externas representavam a consciência espiritual desenvolvida por alguém. Nunca se esqueça de que toda vez que você já sentiu uma dor de cabeça, mesmo uma simples dor de cabeça a ser curada, toda vez que assistiu a uma cura de algo de natureza mais séria, você testemunhou apenas a evidência externa de um poder interior. Na maioria dos casos, esse poder é a consciência do praticante, mas não precisa ser assim. Neste dia de ensino aberto da verdade, o poder está disponível para quem estiver disposto a tê-lo. Não há um ótimo preço envolvido. O fim financeiro do ensino metafísico não é oneroso. Os livros sobre ensino e cura metafísicos não são caros e os professores e os profissionais não sobrecarregam as pessoas com suas contas ou honorários. É um ministério muito amoroso. Na maioria dos casos, aqueles que estão nele, especialmente aqueles que estão nele “com sinais acompanhando”, não o comercializam ao ponto de usá-lo simplesmente para ganhar a vida. O que lhes chega na forma de Suprimento provém principalmente do Amor, da apreciação e da gratidão daqueles que se beneficiaram. E é muito abundante.

Isso ocorre muito livremente, porque as pessoas são gratas pela saúde, harmonia e paz, mas não há demanda por valores maiores do que qualquer um pode pagar. Portanto, está realmente cumprindo a promessa de Isaías, seu convite: “Venha, beba desta coisa; coma, sem dinheiro, sem preço. ” Achamos literalmente verdade que, se você não tiver dinheiro, esse dinheiro não será necessário. E se você tiver um pouco, o “centavo” será muito felizmente aceito por qualquer pessoa que eu já tenha conhecido neste trabalho, “com sinais acompanhando” – com Amor.

Este trabalho é como qualquer outro trabalho. Há aqueles que são atraídos pelo amor de Deus, o amor de Cristo, e naturalmente existem aqueles que são atraídos pelos pães e peixes. Você deve entrar e encontrar seu professor e sua orientação. Aquilo que atenderá às suas necessidades pode não atender às necessidades do próximo, mas se você se voltar para o mesmo espírito, o espírito de Cristo em você, você será levado ao seu professor e ao seu ensino. Você descobrirá que todo esse mundo da verdade está aberto e disponível para você, não apenas para seu uso pessoal, mas também para o mundo em geral.

Agora, nossa unidade com Deus constitui essa Presença e Poder da Graça. Nas escrituras, temos guias ao longo do caminho. O próprio Jesus disse: “Eu sou o caminho”. Existe um caminho através das escrituras e através de escritos e ensinamentos metafísicos que o levarão de volta ao Reino de sua própria alma, onde você encontrará sua Paz, sua Unidade e sua Graça. Quando esse dia chega, você descobre que as demandas do eu exterior estão diminuindo. Você encontrará menos exigências sendo feitas a você por gratificação material ou humana, no sentido maior do amor e da paz brotando de dentro. O segredo da vida interior pela graça é este: Não há ontem; não há amanhã; existe apenas o sempre presente agora! Não temos penalidade para pagar pelos erros do passado. Não estamos acumulando recompensas para o futuro. Estamos vivendo a plenitude e a plenitude da vida neste exato momento. Todos podemos dizer isso aqui e agora, porquesinto isso aqui. Agora – neste minuto, você está vivendo, pois não pode viver ontem e não pode viver amanhã. A única coisa possível que você pode fazer é morar aqui e agora neste minuto. E, claro, amanhã em sua experiência será realmente agora também. Caso contrário, não será total. Tem que ser agora. Tudo é um contínuo agora, agora – agora! Este minuto é agora. O próximo minuto será Agora. Está tudo no agora!

O valor disso para nosso propósito espiritual é o seguinte: se você está vivendo na plenitude do seu entendimento neste momento, está fazendo tudo o que pode ser esperado de você. Tudo o que somos obrigados a fazer é esquecer o passado, viver no sentido mais alto de nossa capacidade espiritual e deixar o resto para Deus!

Você sabe, nós temos este ensinamento de “karma” que é um ensinamento tão verdadeiro quanto existe em todo o mundo. Só que não é chamado karma na religião cristã, é chamado “como você semeia, assim você deve colher”.

Agora, tudo o que existe é o fato de que o que estamos vivendo neste minuto se manifestará no próximo minuto ou no próximo ano ou na próxima era ou na próxima encarnação, se considerarmos a forma da continuidade da vida como encarnação ou reencarnação. Independentemente do que pensamos sobre reencarnação, a verdade é que a Vida é Eterna.

E a verdade é que, enquanto vivemos essa vida – agora – a viveremos eternamente. Estaremos vivendo esta vida em qualquer consciência que nós mesmos desenvolvemos. Você consegue entender isso só por um minuto? Que agora, neste minuto, é a única vida que você tem e que, neste exato momento, você não tem passado nem penalidade para pagar por um passado? Se você pode concordar queagora estou vivendo na plenitude de Deus; Agora estou vivendo na plenitude do Amor; Agora estou ocupado sem animosidade, sem ódio, sem ciúmes, sem inveja ”, você pode imaginar quanto Amor há neste exato minuto, aqui mesmo nesta sala? Amor por mim; Amor para você; Amor um pelo outro; Amor pela Verdade; amor de Deus; Amor de Cristo. Foi apenas o Amor que nos trouxe aqui!

Então pense quão pouco há aqui de inveja, ciúme, malícia, luxúria, ganância. Então tudo o que precisamos fazer é continuar nessa consciência neste minuto. Continue! Mantenha esse Amor que está em seu coração neste exato momento, esse Amor de Deus que trouxe você aqui, esse desejo de compreender o Cristo que o levou aqui, esse Amor que você pode sentir pela mensagem, o Amor que você sabe que devo sentir; pense nesse amor e depois pense na impossibilidade de qualquer outra qualidade entrar na consciência! Somos responsáveis ​​se sairmos daqui e permitirmos que outros pensamentos entrem em nossa consciência. Quem é responsável além de nós mesmos? Você ou eu. Existe algum poder no mundo que decida que você deve odiar alguém ou temer alguém? Existe algum poder fora de você que pode fazer com que você seja lascivo, ganancioso, ciumento ou invejoso? Certamente não.

Você teria que abrir sua própria mente para isso da maneira que teve que abrir sua própria mente para o Amor de Deus que trouxe você aqui.

Um ser humano deixado por si mesmo nunca procurará a Deus. Nunca!

É por isso que há tão poucos de nós nesse Caminho. Sempre há poucos nesse Caminho. Existem apenas alguns que abrem sua consciência para Deus. Esta é sua responsabilidade. Essa foi a importância da mensagem de Jesus: “O Reino de Deus está dentro de você”. Mas lembre-se de como ele os abraçou e disse: ‘Jerusalém, Jerusalém! Eu adoraria fazer muito por você! Eu sinto que vocês são meus pintinhos! Mas por que você não se abrem e me escutam? “

Bem, aqui está a mesma coisa, mas agora sua consciência se abriu. Você não precisou ser convidado. E não é só aqui nesta turma. Evidentemente, você vai aonde quer que sinta o desejo espiritual. Esse é o Amor de Deus brotando em você que você pode manter a noite inteira. Você não precisa temer quem é o presidente dos Estados Unidos ou quem é o presidente da Rússia. Isso não vai tocá-lo enquanto seu coração estiver cheio a cada minuto de Amor, que é Deus.

Viver pela Graça significa viver pelo Amor.

Acho que já contei isso aqui antes, mas, se o tiver, será uma repetição: costumava ficar intrigado com a inscrição na parede da Igreja da Ciência Cristã: “O Amor Divino sempre se encontra e sempre atende a todas as necessidades humanas”. Quantas e quantas vezes, e quantos anos olhei para isto e me venho de volta: “Parece que não está fazendo um trabalho tão bom para muitas pessoas por aqui!” Mas você sabe, não é que esse sinal não seja verdadeiro. Esse sinal é verdadeiro. É que não interpretamos corretamente esse sinal. É realmente Verdade que o Amor Divino sempre atenderá às suas necessidades humanas. Mas, não há Amor Divino no céu. Não há Amor Divino que venha e opere em você ou através de você ou por você. O Amor Divino que atende a todas as necessidades humanas é o Amor Divino que você expressa! O Amor impessoal que você expressa! O Amor imparcial que você expressa ao seu inimigo, o Amor que você expressa aos que o perseguem! Você ora por seu inimigo e observa como esse amor divino encontrará muito rapidamente sua necessidade humana.

Há uma história contada sobre isso por uma das antigas palestras da Ciência Cristã: uma mulher tinha um quarto para alugar e não o alugou. Ela finalmente foi a um médico para pedir ajuda e disse ao médico como se ela tivesse apenas dez dólares a mais por semana, todas as suas necessidades seriam atendidas! No entanto, ninguém veio alugar o quarto, apesar de ter um aníncio. A praticante disse que ela havia feito isso da maneira errada:

“Você estava muito preocupado com o que conseguiria, o que precisava! Alguma vez você já pensou o que esse quarto faria por alguém vivendo sozinho no mundo, por alguém que pudesse se beneficiar com a beleza ou o mobiliário harmonioso daquele quarto, pela atmosfera espiritual de sua casa, pela limpeza de sua casa, pela a moral de sua consciência? Você já pensou o que aconteceria com uma pessoa que poderia entrar nessa consciência? Quem poderia ter a proteção divina do seu pensamento espiritual? Você vai para casa e pensa sobre o que aconteceria através de você a alguém no mundo. E então veja o que acontece”

Não demorou muito para que um homem viesse a alugar o quarto. Ao sair, viu os livros da Ciência Cristã sobre a mesa dela e perguntou: “Oh! Você é um cientista? “Sim”, ela disse. “Isso é uma coisa estranha. Eu também. E tenho olhado seu anúncio por uma semana inteira e, de repente, hoje surgiu a vontade de responder ao anúncio! ” Você vê o que era, não é? Ele provavelmente tinha um senso de amor maior do que ela e estava procurando levar o amor a algum lugar, mas não a alguém que estava apenas buscando dez dólares por semana. Ele estava procurando por alguém que estivesse pronto para expressar Amor.

Agora, esse Amor que você e eu expressamos não é apenas um para o outro, pois até os escribas e fariseus expressaram amor um pelo outro e por suas famílias e amigos. Não, esse amor que somos chamados a expressar deve ser dado aos nossos inimigos, àqueles que, apesar de nos usarem, bem como àqueles que estão dentro do alcance de nossas amizades e famílias. Esse é, obviamente, o poder do Amor; essa Unidade com Deus. Unidade com Deus é a expressão consciente das qualidades de Deus, portanto, não é um fator misterioso; não é um fator oculto; não é algo que você tenha que fazer nas “florestas” em algum lugar ou na floresta. Você pode fazer isso aqui mesmo na sala. Você pode fazer isso no bonde. Enquanto você estiver olhando para este mundo com Amor, com Perdão e com grande Alegria pelo fato de que todos os que abrirem sua consciência à Presença de Deus, de alguma maneira, a produzirão, isso é tudo o que é necessário. É uma realidade que há dentro de você maiores capacidades de alegria do que qualquer outra que você já conheceu no mundo externo. Eu próprio sempre fui um leitor voraz desde a infância. Eu li livros quase tão rápido quanto eles poderiam imprimi-los.

Mas posso lhe dizer que hoje posso encontrar uma alegria tão grande brotando dentro de mim quanto em um livro do lado de fora. Embora eu ainda goste de belos livros, também acho que se eu estivesse em um lugar onde não havia livros, tudo o que poderia ser encontrado nos livros pode ser encontrado na minha consciência individual e na sua.

Paz – Alegria – Poder! “Minha paz vos dou: não como o mundo dá!” Você conhece a paz que o mundo dá? Oh, que paz é dinheiro, casa, automóveis, teatros, festas, boa comida – esse é o tipo de paz que você obtém do mundo. Mas e quanto à “Minha paz?”

Que tal “a paz que Eu lhe dou que o mundo não pode lhe dar?” Essa é a paz que estamos buscando. Essa é a Graça de Deus. E acredite em mim, não está longe de você ser alcançada ou adquirida! Já está dentro de você na plenitude, ou então há algo errado com a afirmação de Jesus: “Eis que Eu estou com você até o fim do mundo”.

Agora, que Cristo, a presença de Deus, realmente e verdadeiramente está com você, dentro de seu próprio ser. Mas o mundo torna muito difícil encontrarmos essa paz. Por essa razão, devemos encontrá-lo em nosso ser.

Não podemos encontrá-lo em prédios de apartamentos e nem mesmo em casas à beira-mar de 15 metros. Temos que encontrá-lo dentro de nós mesmos! E da mesma maneira com segurança. Nesta Era, você não encontrará segurança na sua conta bancária. Podemos, porém, nos reunir em lugares como este, cada um de nós com uma formação diferente, e ainda podemos ter uma sensação de calor e amor à nossa porta, sem que ninguém pergunte se somos santos ou pecadores, ninguém pergunte se somos judeus ou gentios, ou o que temos em nossos bolsos.

E você sabe, isso é Amor! O mesmo Amor que você encontra aqui deve ser expresso pelo indivíduo que possui o suficiente para prestar esse serviço ao mundo. Você e eu temos que ter o mesmo grau de Amor para cumprir esse sinal: “O amor divino sempre se encontrou e sempre atenderá a todas as necessidades humanas”. Certamente que sim!

O Amor que manifestamos. O Amor que expressamos!

Agora, o Amor é apenas uma faceta de Deus. Existem muitos outros: Luz – Verdade. Vamos tomar a Verdade. Agora e aqui estamos expressando a Verdade. Estou expressando a Verdade no sentido das palavras que estão passando, as palavras sobre Deus. Você está expressando a verdade não apenas no sentido de ouvir essas palavras, mas por estar aqui. Sua própria presença é uma expressão da verdade em si. Você sabia que quando chegou aqui não haveria chás cor de rosa, haveria apenas verdade. Portanto, sua presença aqui é um reconhecimento.

É a evidência do seu próprio desejo da Verdade; seu próprio desejo de ser a Verdade. Então agora, neste exato momento, quando nossa consciência está cheia de Verdade, também não é verdade que é uma experiência contínua, que a Verdade que está presente como nossa consciência agora deve estar lá para sempre? Caso contrário, negamos a afirmação de Jesus: “Eis que Eu (a Verdade) estou convosco até os confins do mundo”.

Então esta Verdade que você está aceitando em sua consciência neste momento está com você até o fim do mundo. Tudo o que você precisa fazer é lembrar-se conscientemente de que toda Palavra que foi dita aqui esta noite (texto), toda palavra da Verdade será um Tratamento ou Oração contínua em sua consciência. Você decide. Você é o mestre de sua própria experiência. E a maneira como você faz isso é através dessa “novidade”.

Perceber que “Eu estou com você até o fim do mundo” e que o Cristo de Deus, o filho de Deus, é a própria consciência do seu ser até o fim do mundo; e então você olha para todos os seus vizinhos e diz: “Não é maravilhoso! Ali também está a mesma verdade, a mesma vida eterna, o mesmo amor. ” Então você está cumprindo os dois mandamentos de Jesus: “Ame o Senhor teu Deus com toda a sua alma, com todo o seu coração” e “ame o seu próximo como a si mesmo”. Você está fazendo isso agora. Somente você pode fazer disso uma experiência contínua, que é um momento de Graça. A totalidade da Deidade está fluindo em você e através de você e está aparecendo aqui visivelmente como você. Todos vocês me apresentam o rosto de Deus e, ao olharem para cima e olharem o que pensam ser um rosto humano, é tudo o que podem ver também – Deus brilhando; a Graça de Deus falando.

Nesse momento você está sob a graça divina. Todo o tempo que existia antes deste minuto é eliminado. Para você, não há benefícios do passado, porque neste momento você não precisa de nada do passado. Você tem a plenitude da Divindade corporal – em você e através de você – neste exato momento! Você não pode querer mais do que isso! A plenitude e a totalidade de Deus manifestando em você e através de você e como você neste exato momento. E, “Eu”! Estou com você até o fim do mundo!

Essa Graça, essa Verdade; você sabe que estamos tendo uma experiência sagrada aqui neste minuto, agora? Você pode sentir que onde estamos, a própria graça está se manifestando porque não tivemos nada aqui além da dedicação de nosso próprio templo, o templo de nossos próprios corpos, à verdade? Nós o trouxemos para esta sala – com que propósito? Pela verdade. Podemos retirar essa dedicação? Não está dentro da nossa possibilidade, porque “eu mesmo” não a trouxe aqui. Foi o Espírito do Pai que a instigou e trouxe a consciência viva e a trouxe a este ponto. E assim com você.

Da sua própria individualidade humana, você não veio aqui. Mas o Espírito de Deus, a presença de Deus em você elevou sua consciência a algo mais alto e melhor do que o bem-estar humano, bom ou feliz, para se dedicar, dedicar seus corpos para esta hora à verdade.

Seu corpo é o templo do Deus vivo e você o dedicou à vida divina e ao amor divino, que é sua presença e seu poder. Como você vai retirar seu corpo e tirá-lo da presença de Deus, ou tirar Deus dele?

“Eis que Eu estou em você e você está em mim, somos Um no Pai.”

Não há retrocesso. Você não pode voltar nem por um único momento. Você deve perceber a partir de agora que recebeu a paz que ultrapassa o entendimento por causa de sua própria dedicação a Deus, porque você trouxe seu corpo como templo para ser dedicado à verdade, à vida, à imortalidade, à espiritualidade. .

O que mais você pode fazer? O que mais eu poderia fazer? Nada. Nada mais se espera de nós. Quando alcançamos apenas um por cento para Cristo, ele alcança noventa e nove por cento para nós – pelo menos nos dizem isso nas escrituras, e as escrituras têm uma maneira de provar que são verdadeiras.

Agora vamos nos lembrar disso:

Que neste momento podemos abandonar nossas preocupações humanas e mundanas; Podemos abandonar o medo de quaisquer condições corporais, ou mentais ou financeiras, que pareçam nos assombrar. Que abrimos nossa porta (consciência) a Deus, a Cristo, à receptividade à “paz que supera qualquer o entendimento”, à Presença Divina que precede, para endireitar os lugares tortos. E isso é tudo o que preciso – um pequeno momento de dedicação. Um pequeno momento de abrir a consciência para esta verdade e perceber que o que aconteceu agora é uma experiência contínua. Isso nunca para – e nunca irá parar.

Joel – Capítulo 8 – Harmonia através da Unidade com Deus – Palestras de San Francisco – O Mundo é Novo



Categorias:Ensinamentos Joel S. Goldsmith

Tags:, , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: