ORAÇÃO DE ENTENDIMENTO – Capítulo 9

O PROPÓSITO DA ORAÇÃO é o desenvolvimento de nossa própria Alma. Queria de saber se você gostaria de se lembrar disso? Somente a Alma, o ser iluminado, encontra paz, harmonia, totalidade, no que chamamos de experiência humana. Todo o bem que alcançamos neste mundo é alcançado através do desenvolvimento da Alma. Essas almas desenvolvidas são sempre pessoas felizes, bem-sucedidas, prósperas, porque têm consciência do valor espiritual.

Aqueles de quem dizemos: “oh, pobre alma!” geralmente também são pobres em saúde, pobres em espírito, pobres em finanças.

O propósito da oração, então, é o desenvolvimento da alma. A oração não deve ir a Deus por algo de natureza material. Vou falar um pouco sobre os vários conceitos de oração: todos vocês estão familiarizados com o Antigo Testamento, o Testamento Hebraico e as muitas formas de orar para estabelecer o bem. Mas você também encontra orações pela destruição do inimigo. Parece estranho que devemos orar a um Deus para destruir algo ou alguém, pois quem deve julgar o que está errado e o que está certo? Essas orações são realmente orações paganistas. Essa mesma forma de oração continua através dos tempos. É a forma mais popular de oração hoje. Você sabe como oramos pela destruição de nossos inimigos hoje? De fato, recentemente fomos culpados de orar pela destruição de uma nação e depois nos unirmos como aliados e de orar pelo sucesso dos braços deles, e logo depois de orar novamente pela destruição. Você não acha que se Deus pudesse ri, isso não deveria fazer Deus dar risada? Você não vê o quão tolo isso deve parecer, mesmo para um ser humano com algum grau de inteligência, todo esse costume de orar por alguma coisa?

No dia V-E, o dia em que a guerra terminou na Europa, saiu um chamado das igrejas para se reunir nas igrejas no domingo seguinte para agradecer a Deus por terminar a guerra. Essa ligação foi realizada na terça-feira. Como isso deve parecer para um ser inteligente, esperar de terça a domingo e depois orar apenas no prédio da igreja. Por que não pedir às pessoas que façam uma oração de ação de graças agora, onde elas estão? (Embora, nesse caso, nem mesmo isso se justificaria.)

Você sabe, antes da Segunda Guerra Mundial, era bem sabido que uma guerra estava a caminho, então as igrejas estavam orando por muitas semanas de antecedência para que a guerra não ocorresse, para que Deus intervisse. Mas, evidentemente, Deus tratou de seus assuntos espirituais e não prestou atenção a essas exigências terrenas porque a guerra ocorreu dentro do cronograma. Agora, durante toda a guerra, tivemos dias de oração nos quais as pessoas desta nação e de outras nações foram convocadas à igreja para orar pela paz. Mais uma vez, Deus seguiu seu caminho alegremente e, a guerra seguiu seu caminho não tão alegre assim. Então chegou o dia em que o chamado inimigo estava sem munição, sem comida e a guerra terminou. Então fomos chamados a agradecer a Deus porque a guerra terminou. Você sabe que, mesmo que Deus tivesse terminado a guerra, ele havia feito um trabalho muito ruim! Visto que milhões de pessoas ficaram desamparadas. Não sei se você pode sentir o quão tolo isto é, mas em um minuto quando eu lhe disser que, enquanto essas pessoas estavam na igreja agradecendo a Deus por terminar uma guerra na Alemanha, a mesma guerra estava acontecendo no Oriente. Deus não estava fazendo nada acerca disso. Ele acabou de trazer a paz aqui nesta rua, mas a guerra naquela outra rua Ele não deu nenhuma atenção!? Então, um dia, evidentemente, Ele decidiu acabar com isso também – logo após lançarmos duas bombas atômicas!

Você acredita nisso?

Você acredita que era necessário agradecer a Deus por acabar com a guerra européia ou asiática?

Não! Se Deus merecesse agradecimentos, teria sido por impedir tal catástrofe; por impedir tal experiência. Ilustro isso principalmente com o objetivo de trazer à luz a natureza e o propósito da oração. Se eu puder, dessa pequena maneira, fazer com que alguém pense e reflita em que tipo de oração ele está fazendo, meu objetivo será alcançado. Talvez você esteja orando pelo fim de uma condição desastrosa sobre a qual Deus nada sabe. Isso deve fazer com que todos paremos e pensemos sobre esse assunto da oração. Vulcões continuam; os tornados continuam; maremotos continuam; e Deus continua. Existe uma conexão entre Deus e os terríveis eventos na Terra? Não. Não há conexão alguma! Na mente de Deus, essas coisas nunca acontecem. Bem, então, isso significa que há uma condição separada de Deus? Não, não, pois Deus é onisciente e onipresente. Não pode ser que essas experiências estejam acontecendo; não pode ser que homens e mulheres estejam morrendo; não pode ser que homens e mulheres morreram. E, é impossível que qualquer homem ou mulher morra. Caso contrário, Deus está fracassando, e em Sua obra principal, que é a Eternidade e a Imortalidade.

Portanto a oração deve ter algum significado diferente do que pedir a Deus que encerre uma guerra ou agradecer a Deus por terminar uma guerra, ou agradecer a Deus por nossas vitórias às custas dos outros. Você sabe que todas as guerras não terminaram em favor daqueles que estavam moralmente certos. E, no entanto, todas as guerras resultaram em profunda gratidão a Deus por acabar com elas.

O objetivo de tudo isso é trazer à luz por um momento a questão do que realmente é a oração; o que deveria ser; e em que grau estamos praticando a oração. Até que ponto estamos falhando no sentido correto da oração neste século XX, mesmo quando recebemos a iluminação em tantas outras coisas? A oração nunca pode ser bem-sucedida, a menos que saibamos para “o que” estamos orando ou à “quem” estamos orando – e isso nos leva ao assunto de Deus. Todas as orações são proferidas a Deus; Todas as petições são oferecidas a Deus; todas as afirmações e negações são destinadas a Deus.

Deus É Infinito

O que é Deus?

Onde esta Deus?

Qual é a função de Deus?

Até entendermos corretamente essas perguntas, nunca poderemos orar corretamente. Se você ora e não obtém sua resposta, é porque ora mal. No entanto, quantos de nós praticamos metafísica há anos e anos e anos sem obter uma resposta e ainda continuamos orando da mesma maneira antiga? Já era hora de acordarmos, não é? Já era hora de reconhecermos que estamos orando errado, que não sabemos como orar, o que orar, a quem orar ou de que maneira devemos orar.

“Por seus frutos, você deve conhecê-los.”

Se estamos orando corretamente, estamos demonstrando isso no grau de harmonia, saúde, integridade, prosperidade e sucesso que expressamos. E não quero dizer com isso que, apenas porque temos um corpo físico saudável ou muito dinheiro, é uma prova de que estamos orando corretamente. Ah não! Uma vez que existem muitas pessoas que não sabem nada da oração que são fisicamente saudáveis ​​e materialmente ricas. Não, quero dizer que se estamos orando corretamente, estamos colhendo os frutos do Espírito. Os frutos do Espírito são: amor, bem-estar, paz, alegria, domínio – qualidades espirituais, não coisas materiais; qualidades espirituais que nos aparecem externamente como um maravilhoso universo físico.

Portanto, a primeira pergunta que deve ser respondida dentro de nossa consciência é:

O que é Deus?

Até que isso seja resolvido, nunca saberemos a resposta para o que é a oração. Estranhamente – e também sinto muito – não posso lhe dizer o que é Deus. E duvido que alguém possa. Eu posso lhe dar muitos nomes para Deus, mas você pode encontrá-los na Bíblia e na literatura metafísica. Deus é amor; Deus é mente; Deus é alma; Deus é espírito; Deus é vida eterna. Mas isso não diz o que é Deus. Isso apenas dá a você mais nomes para a mesma palavra – D’us. Ele apenas pega uma palavra e coloca em seu lugar outra, mas não diz o que é Deus.

Ninguém nunca lhe dirá isso, pois isso é algo que se encontra dentro do seu próprio ser. É por essa razão que posso dizer que o propósito da oração é o desenvolvimento de sua própria alma! Ao entrar em sua própria mente, em sua própria consciência, com a pergunta: “O que é Deus?” ou “Pai, revele-se!” ou “Fala pai! Teu servo ouve ”, ao adotar essa atitude de vida, você está realmente orando, realmente se voltando para dentro e pedindo a Deus que se revele a você. Você está pedindo que sua própria alma seja revelada, seja trazida à tona, seja ampliada.

É claro que Deus, Alma, é Infinito e não pode realmente ser ampliado, não pode ser desenvolvido. O aparente desenvolvimento está em nossa consciência daquilo que já é infinito e onipresente. Mas aqui temos licença poética para podermos dizer “o desenvolvimento da alma” ou “a evolução da alma” sem realmente significar isso. Nós queremos dizer desenvolver nosso senso de alma, desenvolver nossa consciência da natureza e caráter da Alma, de Deus.

Nosso “senso” é ampliado, não Deus. Deus já é Infinito;

Deus já é onipresente. Mas a onipresença de Deus só é útil em proporção quando chegamos à consciência dessa Presença.

Todos os segredos da televisão e todos os segredos do avião a jato sempre existiram na consciência e sempre estiveram disponíveis, mas foram inúteis até que alguém visse o primeiro vislumbre do segredo; captou a primeira consciência e a partir daí a desenvolveu e, finalmente, trouxe à tona os segredos de sua plenitude. O mesmo acontece com Deus. Deus é infinito. Deus é onipresente. Deus é onisciente.

Deus é onisciente. Mas Deus vem à nossa proteção, à nossa iluminação, apenas na proporção da nossa consciência disso. Portanto, o primeiro passo em nossa experiência espiritual deve ser aprender a natureza de Deus e, ao aprender a natureza de Deus, estamos orando! Essa é a verdadeira oração. Essa é a oração melhor e mais elevada que existe neste plano.

Há uma oração mais alta que é alcançada – quando os sentidos humanos estão completamente quietos e a voz de Deus diz: “Fique quieto e saiba que Eu sou Deus”.

Muitas pessoas fazem essa declaração e pensam que quando estão dizendo que são Deus, estão fazendo uma oração muito elevada. Isso não é verdade. Isso é ateísmo. Isso é tentar tornar um ser humano Deus. Foi como eu disse anteriormente sobre nos desenvolvermos, não através da religião, mas através da psicologia, tornando a mente humana nosso Deus, tornando a mente humana poderosa.

Ah não, não! Esses são passos no caminho. Mas quando nossa mente humana, quando nosso pensamento, mente racional está totalmente imóvel e ouvimos uma voz dizendo: “Não sabeis que Eu sou Deus?” então você alcançou a oração mais elevada que existe em todo o mundo. Jesus disse que, quando disse a Filipe: “Você está comigo há tanto tempo, Filipe, e não sabe que me vê, vê o Pai que me enviou?” Jesus, o homem, já havia evaporado e desaparecido de sua própria consciência, e tudo o que restava lá era Deus. Então ele poderia dizer “Eu sou Ele!”

Enquanto estamos satisfazendo nossos ódios, inimizades, medos e dúvidas, é um pouco tolo sair por aí dizendo “Eu sou Deus”. Mas é uma coisa muito bonita e maravilhosa desenvolver uma atitude de escuta, uma atitude de introspecção, uma atitude de paz interior, para que Deus possa se declarar. E nosso Deus finalmente se declara.

Atitude de escuta

Oração e Tratamento no mundo metafísico são frequentemente considerados sinônimos. Alguns de vocês que leram meus escritos do CAMINHO INFINITO sabem que fiz a distinção de “oração” e “tratamento” como duas coisas separadas. Não é que eu esteja brigando com o mundo ou que estou tentando mudar a linguagem da metafísica. Estou apenas tentando usar os termos à medida que eles se tornam claros para mim e transmiti-los para o benefício de qualquer pessoa que possa ver e entender o que quero dizer. Portanto, sem tentar alterar qualquer significado do dicionário e sem tentar encontrar falhas em qualquer abordagem da metafísica, digo-lhe que, para mim, a palavra “Tratamento” e a palavra “Oração” não significam a mesma coisa. Para mim, o Tratamento é uma declaração da Verdade.

É a minha negação de erro. Pode até ser o meu entendimento da natureza de Deus e do homem. É até uma declaração da natureza da Lei, Lei Espiritual. É uma declaração ou realização da compreensão do nada daquilo que aparece como erro de qualquer forma. Para mim, qualquer pensamento que eu tenha sobre a natureza de Deus ou homem ou poder ou erro representa Tratamento. No entanto, a oração, para mim, é a palavra de Deus e a palavra de Deus nunca é proferida pelo “homem cujo fôlego está nas narinas”. A palavra de Deus é pronunciada apenas por Deus, a Sabedoria e o Amor Universal, Divino, Infinito, à expressão individual do ser de Deus – Você e Eu.

Como indivíduos, somos como o filho pródigo que saiu de casa e criou uma identidade separada que, por enquanto, se chama Joel Goldsmith ou algum outro nome. E enquanto houver a sensação de que existe um Joel Goldsmith, devo me voltar para aquela profundidade de mim que é Deus, aquela parte infinita e invisível de mim que é Deus, aquilo que poderia ser chamado de meu Pai. E quando me volto para Ele, ouço-o dizer:

“Oh, filho, tudo o que tenho é teu! Somos Um. Eu estou em você e você está em mim. Nós não somos dois, somos Um! Aquilo em que você está pensando como seu eu exterior, é apenas a pequena parte visível do infinito Eu invisível. Não! Não monte essa coisinha chamada Joel Goldsmith e faça com que ele se preocupe com sua própria vida, seu próprio suprimento e sua própria casa. Eu vou cuidar disso! Deixe isso comigo. Não pense na sua vida, o que você deve comer. Essa é minha responsabilidade, a responsabilidade do Infinito Invisível, que é o princípio criativo de todos os homens! “

Quando ouço essa mensagem, quando recebo tanta segurança Divina dentro do meu próprio ser, a palavra de Deus está sendo falada comigo. E então você deve ver os milagres que acontecem! Quando isso aconteceu com Moisés, o maná veio dos Céus, a água veio das rochas. Quando aquela “voz mansa e silenciosa” falou com Elias e Eliseu, você sabe o que aconteceu! Os corvos vieram alimenta-los. O garoto morto foi ressuscitado. Todo tipo de milagres aconteceu. Por quê? Elias e Eliseu eram tão diferentes? Ah não! Eles fizeram o contato para que a Voz de Deus, aquela Voz mansa e silenciosa, o grande poder infinito pudessem passar. Essa foi a diferença.

E não preciso contar o que aconteceu quando o “Pai que está em mim” veio através de Jesus. Curou as multidões; Andou sobre as águas; Desapareceu na multidão; Desapareceu através das paredes; Ele pregou o Sermão da Montanha. E finalmente, disse: “Eu venci o mundo!”

Essas são as coisas gloriosas que podem ser feitas. Por você ou por mim? Não. Por Deus! Por Deus, quando oramos o suficiente, quando ouvimos a “voz mansa e silenciosa” com frequência suficiente. Quando criamos do nosso eu exterior uma espécie de vácuo, para que essa coisa pudesse passar. Você sabe, essa não é uma nova mensagem; esta é a mensagem mais antiga que já esteve na face da Terra. Nunca houve uma pessoa de iluminação espiritual que não conhecesse esse segredo.

Você encontrará esse segredo no irmão Lawrence; você o encontrará nos santos católicos e protestantes; você o encontrará nos caracteres religiosos dos hebreus e dos hindus; você a encontra em todo o mundo: “eu não posso fazer nada. . . Minha doutrina não é minha, mas a dele que me enviou. Você ouve isso através de Paulo: “Tudo posso naquele que me fortalece! mim.” Nunca uma dessas pessoas reivindicou nada de si ou de si mesma. Nunca um deles disse: “Meu entendimento é tão grande que posso mover montanhas”. Mas todos indicaram que, na medida em que eles poderiam se tornar um estado de receptividade ao poder divino, andava sobre as águas, realizava esses milagres. É por isso que o verdadeiro senso de humildade não está escondendo seu rosto e dizendo: “eu não sou nada”. O verdadeiro senso de humildade é aquele que reconhece Deus como infinito e supremo e percebe que Deus está fluindo através dele, e então dá todo o crédito e toda honra a Ele: “Não terás outros deuses diante de mim. . . Cessai do homem cujo fôlego está em suas narinas, pelo qual ele deve ser considerado. . . Não confie nos príncipes.

Todas essas palavras indicam apenas uma coisa: primeiro, elas significam que Deus não está longe, está dentro de você e dentro de mim. Mas na verdade não existe dentro da fisicalidade, existe? Então deve estar dentro do reino, ou alcance, de nossa consciência. Por fim, descobriremos que Deus é nossa própria consciência. Então, ao aprendermos a não usar esse pensamento, a mente racional, ao aprendermos a usar a mente que estava em Cristo Jesus e permitir que ela esteja em nós, sentimos o impulso divino.

Sentimos a energia divina fluindo através de nós. Observamos que a Vontade Divina está sendo manifestada em nossos negócios. E lembra-se do que Jesus disse? Ele teve que lavar os pés dos discípulos para mostrar a eles que Ele era um servo de Deus, não um mestre – mas um servo de Deus.

Nós, em nossa identidade humana, somos servos de Deus, mas servos no sentido de permitir que Deus use nossa mente e corpo, nossa alma, espírito e vida para Sua glória e Sua manifestação, não para nos elevar; não para nos trazer um milhão de dólares para que o mundo possa dizer: “Ele não obteve muito entendimento?” Não! Todo o bem que nos chega é para mostrar a presença e o poder de Deus. E isso é feito através do silêncio. Quando aprendemos a silenciar nossa vontade pessoal, nossos desejos pessoais, quando aprendemos absolutamente o senso de humildade, a ideia de “ eu estou aqui como servo de Deus, estou aqui para mostrar as glórias de Deus e nunca vou ficar satisfeito por mostrar alguma desarmonia e discórdia! ” então acontece.

Agora, podemos voltar à velha pergunta: Por que Jesus alimentou a multidão apenas algumas vezes? Por que ele não continuou alimentando-os continuamente? Por que ele não criou cozinhas gratuitas em toda a Terra Santa para operar sete dias por semana e salvar os hebreus do árduo trabalho da agricultura, até do árduo comércio de alimentos? Ele poderia ter poupado muito trabalho a eles! Se ele tivesse simplesmente multiplicado esses pães todos os dias da semana, que vida agradável essas pessoas teriam levado não é mesmo!? Mas Jesus não achou isso. Ele não achou que essa fosse a função do Messias. Ele não achou que essa fosse a função de Deus ou de Cristo. Para ele, sua função era revelar Deus na consciência individual para que outros pudessem “fazer o mesmo”. Lembre-se disso, não é? Que se alguém pudesse trazer comida do ar, a menos que você pudesse ver o Princípio por trás disso, você seria alimentado apenas por uma refeição e esperaria que esse indivíduo o fizesse repetidamente. Finalmente, a repreensão que Jesus deu aos seus seguidores: “Eu te alimentei ontem, e agora você está de volta para mais! Por que você não viu o milagre ontem, para poder fazer isso hoje? Você não estava procurando pelo Princípio; você estava sentado lá fora esperando para ser alimentado. ” É de se admirar que ele se cansasse, se afastasse deles e atravessasse o lago? Não! Deve ser uma coisa horrível mostrar às pessoas curas dia após dia, curá-las de resfriados, gripes, calos e joanetes, cânceres e consumismo, e dez anos depois, eles vêm e dizem:“Preciso de outra cura! “

O objetivo do Trabalho de Cura não é simplesmente melhorar as pessoas: é mostrar o Princípio que existe como sua consciência individual! Esse é o objetivo do Trabalho de Cura. Estou absolutamente certo de que, quando a Sra. Eddy começou seu ministério, ela não tinha ideia de criar outra forma de matéria médica, na qual as pessoas pudessem recorrer e ser curadas. E tenho certeza de que o motivo pelo qual ela publicou livros e revistas nos dias em que não tinha dinheiro para fazê-lo era mostrar o Princípio, na medida em que o entendiam, para que às pessoas pudessem aprender por si mesmas. Então ela esperava que eles saíssem e fizessem o mesmo, e que seus pacientes e alunos saíssem e fizessem o mesmo.

O mesmo aconteceu com os Fillmores em Kansas City. A Sra. Fillmore era uma curandeira verdadeiramente maravilhosa, uma das grandes curadoras de sua época. Tenho certeza de que ela nunca esperou ficar fazendo trabalhos de cura a vida toda porque também se ocupou e publicou livros, panfletos e lições. Ela não queria abraçar o Princípio para si mesma, colocar uma patente ou direito autoral sobre ele e dizer “venha a mim e consiga suas curas!” Ela fez livremente o mesmo que a Sra. Eddy: publicou em livros e enviou para você aprender e para eu aprender – enviou livros descrevendo o Princípio.

Bem, você sabe que acho que essas pessoas esperavam que, em uma ou duas gerações, o mundo inteiro estivesse na metafísica e tivessem o direito de esperar dentro de uma, duas ou três gerações. Mas, em vez disso, o que desenvolvemos? Um grupo de praticantes e um grupo de pacientes! É ridículo, mas também é triste, porque há dois mil anos o Mestre se recusou a estabelecer uma dinastia de cura. Ele disse: “Se eu não for embora, o Consolador não virá até você!” Ele não iria ficar por perto para fazer o trabalho de cura! Ele até repreendeu os discípulos quando tiveram casos que não foram capazes de curar. “Por que você está comigo há dois ou três anos e ainda não viu o Princípio? Quanto tempo você precisa para aprender esse Princípio? ” Não é um Princípio difícil. Para nós, no mundo ocidental, a única parte difícil é aprender a ficar parado o tempo suficiente para ouvir a Voz mansa e silenciosa. Depois que fazemos o contato, a partir de então é tão fácil quanto assistir as chuvas suaves cairem na primavera.

O que não é fácil é elevar o mundo inteiro ou curar a todos ou até mesmo curar a nós mesmos de tudo. Estamos lidando com uma grande força mesmérica no mundo – chame de crença universal – e é realmente poderosa mesmo em seu nada. Isso nos confunde e nos engana, mesmo os mais inteligentes de nós. Até onde eu vi, até os espiritualmente iluminados sofrem esse feitiço de vez em quando.

Mas esse não é o ponto, se estamos demonstrando ou não 100%. Os Céus sabe que se estamos demonstrando 90% disso agora, estamos fazendo um bom trabalho! Não é algo para estarmos satisfeitos, mas um que nos mostra que pelo menos estamos a caminho. Um princípio, para ser um Princípio, deve ser realmente absoluto, não é? Isso significa que, quando conseguirmos entender o Princípio em sua plenitude, teremos 100% de curas. No entanto, não faz muito tempo, neste mundo, começamos a voar em aviões com um pequeno motor de dois pulmões e chegamos agora a um grande motor de 64 cilindros, e alguns ainda maiores. Chegamos de trinta quilômetros por hora em uma geração a seiscentos quilômetros por hora, e esse não é o fim; em breve iremos a mil milhas por hora, ou mil e duzentas milhas por hora. E assim é no nosso mundo espiritual.

No que diz respeito à demonstração, ainda estamos em parte na experiência humana. Ainda somos um pouco excessivos em nossa comida, em nosso amor por nossa família e amigos. Ao estudarmos o Novo Testamento, descobrimos que não entraremos na plenitude dessa visão até que tenhamos superado nosso amor por nossa mãe e pai, nossa irmã e irmão! Parece estranho, não é, para uma religião de amor? Mas é verdade. O amor no qual temos que adentrar é o amor que Deus tem pelo universo espiritual – amor impessoal e imparcial. A única maneira de sabermos até onde estamos indo no caminho espiritual é quando estamos tão prontos para emprestar nosso dinheiro a um sujeito na rua quanto a nosso próprio irmão ou irmã; quando estamos tão prontos para perdoar alguém do outro lado do oceano, como estamos para perdoar nossa própria esposa, marido ou filho.

Em outras palavras, a superação do senso humano de amor deve ocorrer e deve ser substituída por um senso de amor divino. O amor divino é o curador. Quando João disse: “Deus é amor”, ele não quis dizer a falsificação que usamos para amar, o tipo de amor que faz os pais estragarem seus filhos e fazê-los acabar na prisão às vezes ou acabam sendo seres egoístas. Não é esse o amor que queremos dizer quando falamos de Deus, nem o amor que recebemos por uma pessoa por um propósito ou motivo egoísta. Isso também não é amor. Amor é o sentimento de ser capaz de absorver o mundo inteiro e dizer: “Eu realmente amo você!” Ah, isso não significa que, se eles não despertaram para sua verdadeira identidade, temos que abrir nossas casas e fazer deles parasitas. Isso significa que podemos olhar através de suas fragilidades humanas e ver o divino dentro delas e não ter animosidade pessoal. Toda a demonstração está em nossa capacidade de abandonar nosso senso pessoal de amor e ódio, medo e inimizade. Quando somos capazes de fazer isso, estamos subindo na consciência espiritual e isso significa que estamos orando corretamente.

A verdadeira oração é o desenvolvimento da Alma.

A verdadeira oração é quando nossa alma se eleva a tais alturas que diz: “Pai, perdoa-lhes; Eles não sabem o que fazem. . . Também não te condeno. Vá e não peques mais”. Isso é Amor Divino. Essa é a consciência espiritual e ninguém pode desenvolver isso para você, a não ser você mesmo. O maior professor, o mestre mais espiritual, poderia elevá-lo um pouco em direção ao lugar onde você desejaria isso; um mestre pode ajudar a alcançá-lo; mas tem que vir de dentro do seu próprio ser! Esse tipo “não sai, mas por oração e jejum”. Você está disposto a “jejuar” a partir do senso pessoal, de desejos pessoais, de ódios pessoais, medos pessoais, inimizades pessoais?

Até agora, não pedimos a Deus nada nesse tipo de oração, pedimos? Nós nem voltamos a Deus por nada, exceto pelo desenvolvimento de nossa própria alma dentro de nosso próprio ser. E esse é o senso certo de oração. Esse é o verdadeiro senso de oração. Ore sempre para que Deus se revele; que Deus se desdobre; que Deus se revele para nós, para a nossa chamada consciência humana – na verdade, para a nossa consciência individual. Nós, como indivíduos, podemos tomar consciência de Deus. Podemos ser tão infinitos quanto Deus, na medida em que perdemos esse senso pessoal.

A promessa é: “Filho, tudo o que tenho é teu!” Mas nós, como indivíduos, devemos nos tornar templos adequados para isso, e a maneira como fazemos isso não é apenas fazer afirmações sobre a bondade de Deus e a “minha” espiritualidade. Não é isso. É voltando-se para dentro e deixando Deus revelar seu próprio ser; sua própria identidade. Você encontrará o seguinte: assim como Deus preenche sua consciência, assim Deus preenche o que nos parece um mundo exterior. O mundo exterior é apenas a forma do nosso mundo interior.

Nosso mundo interior é a substância; o mundo exterior é a forma que essa substância assume. Portanto, quando a consciência é preenchida com a ideia de Deus, quando a consciência é preenchida com o Espírito de Deus, então a forma externa, a figura, a conta bancária, a saúde, a riqueza, o lar, as relações domésticas começam a assumir forma espiritual e harmoniosa.

Agora, há outro aspecto da oração. Não vamos perder tempo nos dias de hoje em oração a Deus para parar uma guerra ou parar uma depressão. Não vamos perder tempo pedindo a Deus que olhe para nós e seja misericordioso. Não vai dar certo isso já foi experimentado milhares e milhares de anos. Volte para as escrituras hebraicas e depois para as escrituras cristãs. Por muitos milhares de anos, a oração se repetiu: “Oh, Deus, seja misericordioso comigo, um pecador! Oh, Deus, seja misericordioso! Oh, Deus, perdoe! Vamos esclarecer isso. Deus não existe! Se houvesse, teria sido manifestado nos assuntos terrestres séculos antes de agora. Deus é uma Lei do Amor e temos que entrar em consciência com esse Deus ou Lei do amor, a fim de nos beneficiarmos.

Quantas pessoas na metafísica tentaram dar essa Lei de Deus a seus filhos e descobriram que não podiam fazer isso? Ou para seus irmãos ou irmãs, mães ou pais? É uma experiência individual. Você pode ingressar em uma igreja batista e seus filhos serão batistas; você pode ser católico e seus filhos serão católicos. Mas você não pode se tornar um metafísico e fazer do seu filho um metafísico! Eu já vi muitos cientistas cristãos tentarem tornar seus filhos cientistas. Às vezes funciona, mas funciona apenas porque essas crianças tinham em seu próprio ser o desejo de querer isso. Eles pegam algo que os faz seguir esse caminho e, se não pegaram, descartam tudo! Veja quantas crianças já passaram dos catorze, quinze, dezesseis, dezessete, nas escolas dominicais. Quando chegam aos dezoito, dezenove, vinte, a maioria deles jogou fora. Nos anos posteriores, eles frequentemente retornam, certamente. Para onde mais você vai se voltar, exceto para Deus, quando tiver problemas suficientes? Mas tudo isso mostra que isso deve ser feito individualmente. Você não pode ser um metafísico de nenhuma escola por herança. Se você pode ter pais ou professores ou praticantes da escola dominical que são capazes de transmitir às crianças o suficiente dessa sabedoria, a fim de despertar nelas o desejo dela, tudo bem.

Mas, exceto por isso, o indivíduo deve ir a Deus. Então, para nos sentarmos orando para que todas as pessoas do mundo sejam poupadas da guerra quando em seus corações e almas estão conspirando e planejando outra, como isso vai funcionar? Não era a antiga oração de Abraham Lincoln: “Não que Deus esteja do meu lado, mas que eu esteja do lado de Deus”. É por isso que noventa e nove por cento das orações do mundo nunca são respondidas. Não é a oração que é proferida a um Deus inexistente adorado por ignorância.

Você é um com Deus, assim como você é a saída para esse Amor; esse Amor divino; o Amor que ultrapassa o entendimento; o Amor que é graça, gentileza, paz. Deus é inteligência infinita e você é um com Deus na proporção em que abre sua consciência para ser guiado por essa inteligência infinita. “Não é a minha vontade, mas a Tua seja feita!”

Assim, você poderia passar por todos os sinônimos de Deus contidos na Bíblia ou na literatura metafísica e perceber o quanto de Deus você está demonstrando pela forma como se conforma a essas diretrizes. Você entende o que quero dizer? Espero que isso esteja claro, porque se é apenas um pouquinho, uma medida tão grande quanto um grão de poeira, se você pode ver que precisa rever seu “conceito” de oração e seu “conceito” de Deus, e você tem que iniciar o trabalho de conscientização – sintonia – e que esse é seu trabalho individual; se apenas como um grão de poeira eu puder fazer você ver isso, toda a minha vida terá se cumprida.

Se consigo entender um conceito mais alto de Deus do que tenho agora, para me sentir um pouco mais próximo desse Espírito onipotente que é a realidade do meu ser, não tenho outro propósito na vida. Eu sei que ele se usará através de mim para um bom fim. E da mesma maneira eu sei muito bem que não posso sair nas esquinas e pregar isso. Sinto-me muito, muito feliz se os poucos que são atraídos por mim em um momento com esse tipo de consciência conseguem vislumbrar um pouco do que estou tentando dizer e o que sempre falo e escrevo tão mal. Algum dia será dito melhor e escrito muito melhor do que é agora, mas se eu puder trazer à vida apenas um pouquinho de espírito que dirá: “Preciso revisar minha ideia de oração; Preciso orar em um nível pouco mais alto e ter um conceito um pouco mais alto de Deus do que acreditar que ele começou uma guerra ou que ele terminará uma ou que perdoará alguém por seus pecados em seus pecados realizados”.

O perdão é realizado apenas pelo abandono do pecado. Não há outro caminho. Não podemos mais ser perdoados do que continuar na matemática dizendo que 3×3 é 8 ou 4×4 é 19 e esperamos que o princípio da matemática diga: “Bem, afinal, você é uma alma caridosa, então nós lhe daremos a resposta correta!” Não está feito. Não com matemática e nem com música, nem com pintura, arte, escultura ou escrita. Aqueles que se voltam para essas artes e dons devem se voltar para eles com total abertura aos princípios deles. Aqueles que se voltam para Deus devem se voltar para Deus com total abertura de consciência.

Isso significa que, se estamos cedendo a algum pecado, doença ou ódio, inveja ou ciúme e não podemos impedi-lo humanamente, estamos condenados? Ah não! Isso não significa nada! De fato, acho que a maioria dos praticantes dirá que é muito mais fácil trabalhar com um bom pecador saudável do que com o habitual “santo”. O pecador, pelo menos, sabe que é pecador e sabe que não está se beneficiando muito dele e está perfeitamente disposto a abandoná-lo, se for possível. Nesse espírito de vazio, esse espírito de realização do “nada” do pecado, é muito fácil para essa pessoa experimentar graça, salvação e cura. A pessoa que já tem certeza de que é perfeita apenas por ser um bom ser humano, não tem um senso real de humildade. Nenhum mesmo! O verdadeiro senso de humildade vem com a afirmação de Jesus: “Por que você me chama de bom; só há um bom, o Pai!” Nesse sentido, você pode dizer: “Bem, se for esse o caso, então preciso de muito mais consciência desse Pai para eliminar um pouco dessa bondade “humana!”

Nesta abordagem de Deus, não há razão para uma atitude desesperada.

Não há razão para ter medo, porque, no momento, você não pode desistir de seu ódio, inveja ou sua ganância ou luxúria. Ah, não tenha medo dessas coisas – elas não vão machucá-lo se você tiver que chegar a um lugar na consciência em que percebe que elas não são o que estão loucamente sendo e você adoraria se livrar delas! A partir daí, a salvação é certa. Às vezes pode ser lento porque temos lições a aprender – mas é certo.

Deve haver reconhecimento; deve haver um esvaziamento do falso ego; deve haver vontade de se voltar para dentro. Então, quando sentimos e realizamos Deus dentro de nós, alcançamos de perto o máximo da oração: ouvir a Voz mansa e silenciosa; sendo conscientemente direcionado em todos os nossos caminhos. Então, em vez disso tudo: orando pela humanidade, orando para parar as guerras, vamos esquecer isso por um tempo e nos voltarmos para a presença de Deus! Veja essa imagem em si, não apenas em nossa experiência, mas na experiência daqueles que estão ao nosso redor. Então deixe o círculo se espalhar a partir daí até que finalmente chegue ao mundo. Isso trará paz à terra – e somente isso.

Joel – Capítulo 9 – A Oração Entendida – O Mundo é Novo – Palestras de San Franscisco

Autor: CAMINHO INFINITO NA PRÁTICA - reggisbrother

Coach Místico. Não sou nada. Não busco nada de ninguém. Nunca serei nada e nem posso querer ser nada. Apenas compartilhando a Graça.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s