VIVER A VIDA CRISTÃ

Cartas do Caminho Infinito – Junho 1957

Viver a vida cristã significa aceitar o ensinamento do Mestre: Ame o seu próximo como a si mesmo, mas, acima de tudo, ame o Senhor teu Deus com todo o seu coração, com toda a sua mente, com toda a sua alma. Esses mandamentos não passam de banalidades sem sentido, até começarmos a separá-los em nossas próprias mentes várias vezes ao dia e chegar a um entendimento deles. Como amamos o Senhor nosso Deus com todo o coração, com toda a alma, com todo o nossa mente? O que isso significa?

Cada um de nós pode ter uma explicação e experiência diferentes, mas para mim amar o Senhor teu Deus de todo o coração significa não amar indevidamente nenhuma forma e nunca odiar ou temer o que está no domínio físico ou mental – coloque toda fé no Infinito Invisível como a realidade da vida aparecendo externamente como efeito. Para compreender a profundidade do significado dessa afirmação, é necessário muito estudo e prática. No sentido de não amar, odiar ou ter  medo do que aparece no reino físico ou mental, quebramos o sonho hipnótico de uma individualidade (ego) ou (da Matrix), um universo à parte de Deus.

Amar o próximo como a nós mesmos é reconhecer que Deus é a individualidade de todo ser real. Deus é a individualidade de todos os indivíduos na face da Terra, mesmo quando eles parecem um estado humano doente, pecaminoso ou moribundo. Deus é o Ser, Deus é a Vida, Deus é a Inteligência, Deus é a lei de todas as pessoas, mesmo quando no sonho hipnotizante elas parecem estar doentes, pecadoras ou estúpidas. Amar o próximo como a nós mesmos significa, na verdade, reconhecer Deus como o próprio ser de tudo o que aparece, independentemente da aparência hipnotizante que está nos confrontando.

Quando seguimos esses dois mandamentos literalmente, podemos ver prontamente que toda a aparência que contemplamos de um estado humano doente, pecador, estúpido, moribundo e ignorante é criada pelo sonho do mundo, que o Mestre chamou de “este mundo”. Quando isso ficar claro para nós, nunca amaremos essas imagens, nem as odiaremos ou as teremos. Não amaremos as pessoas neste mundo mais do que odiá-las ou temê-las, mas amaremos o que constitui as pessoas: Deus, o estado-Cristo, o Espírito e a Alma de todos os indivíduos na Terra. Essa é a única maneira de realmente ser possível amar “este mundo”, porque você achará impossível amar as aparências que as pessoas lhe apresentam. Se, no entanto, você olhar através dessas aparências para o que elas realmente são, o que realmente constitui seu ser, não poderá deixar de amar a todos, se ele aparece como homem, mulher, criança ou se aparece como animal ou inseto. Depois de perceber que existe uma Alma invisível que é o ser real de todos, então você é capaz de olhar através da aparência, olhar através dos olhos para a própria Alma que está por trás desses olhos.

Resolva amar o próximo em uma atividade espiritual. Veja o amor como a substância de tudo o que é, não importa qual seja a forma. À medida que nos elevamos acima de nosso estado-humano a uma dimensão mais elevada da vida, na qual entendemos que nosso próximo é um ser puramente espiritual, governado por Deus, nem bom nem mau, estaremos verdadeiramente amando.

Ao treinar você mesmo para olhar de pessoas e animais conforme entra em contato com eles, você automaticamente chegará àquele lugar em que não está mais amando, odiando ou temendo o mundo da aparência, ou o que Jesus descreveu como “este mundo”. Na proporção em que você pode fazer isso, pode dizer com certeza: 

“Eu venci este mundo. Eu não odeio mais, nem tenho medo, nem amo este mundo; Não tento mais que me livrar disso; Não tento mais  que lutar ou combater nada neste mundo; Eu vejo através dele – através dele e além dele. Eu vejo o que realmente é: Deus. Vejo que aquilo que parece ser nada mais é que uma imagem no pensamento composta do tecido de um mundo de sonhos. ”

Amar à Deus

Este é o segredo de todos os segredos; esse é o segredo da vida espiritual; esse é o segredo não encontrado na literatura do mundo. Quando você lê a maioria das publicações inspiradoras, embora ache elas inspiradoras, são momentâneas visto que geralmente você se encontra com o mesmo problema para enfrentar amanhã. Sendo assim a literatura inspiradora do mundo, por si só, não é suficiente. Até pode nos elevar e nos tornar receptivos ao Espírito, mas não fornece a Verdade necessária ao nosso desenvolvimento.

Essa verdade é a verdade de que as discórdias, limitações e desarmonias deste mundo são do tecido da ilusão – “este mundo”, nada. Nesse reconhecimento, você terá o segredo de vencer – vencer “este mundo”.

Ao treinar-se a olhar através dos olhos de pessoas e animais, ao entrar e as desarmonias deste mundo são do tecido da ilusão – “este mundo”, nada. Nesse reconhecimento, você terá o segredo de vencer – vencer “este mundo”.

Joel – Cartas do Caminho Infinito – Junho 1957



Categorias:Cartas do Caminho Infinito

Tags:, , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: