TRANSPORTADORES DA MENSAGEM DIVINA – Capítulo 5

Uma única palavra a qual é, e cada momento de silêncio é o mesmo fio de continuidade, de Consciência Espiritual expressando-Se. E isso se expressa em palavras, pensamentos e claro, o seu modo mais poderoso de expressão é o Silêncio.

A Verdade, quando expressa como silêncio, é a mais potente. Nossos pensamentos e palavras são substitutos muito fracos para o ensino real, a verdadeira receptividade que vem através da atividade silenciosa e imóvel da nossa alma. A atividade e espontaneidade da Alma é melhor compreendido em silêncio.

Agora esta Verdade, claro, não é nada novo. É tão velha quanto os tempos dos antigos. Gostaria de começar esta manhã, e espero terminar esta manhã, com uma breve leitura de alguns dos meus mais recentes trabalhos. Isso define a ideia de que ocupam o dia:

“Eles perseguem, nossas mentes, essas pessoas do passado, deixando em nossos pensamentos a impressão de seus pensamentos e atos; de seus desejos e objetivos; de suas esperanças e de sua fé, e muitas vezes de suas realizações e fracassos. ”“Para nós, eles revivem a história ao longo dos tempos, contando e recontando as lutas da humanidade; de suas comédias e dramas. ” “A filosofia e a religião de todas as épocas passam como se fosse uma revisão e as assistimos passar da liberdade de pensamento inspirado para a prisão na igreja e na interpretação.” “Seguimos o vôo da Luz universal, que inspira as meditações e orações de Buda, Jesus, Shankara, João e Paulo; vemos a iluminação deles tocar a consciência das almas inspiradas e novamente testemunhamos o triste espetáculo dessa Luz sendo acorrentada por homens em personalidades. O que esses homens de Luz procuram personificar? Por que o homem não afasta o véu que cobre seus olhos para poder contemplar o impessoal salvador e médico? “Purificador da alma individual e curador do corpo pessoal – gloriosa Luz de todos os tempos – sem nome, sem forma universal, impessoal- Oh homem! Amplie sua visão e veja aqui e agora. Anda ao seu lado durante o dia e senta-se ao seu lado à noite; na sua jornada viaja como guia e protetor; no teu trabalho serve para inspirar e dirigir. Abrir sua consciência, agora, e deixe a Presença entrar em cena!”

Essa luz, esse poder, é o Cristo impessoal. Este Cristo foi manifestado ao longo dos séculos em várias formas e apareceu no que nos parece ser muitas pessoas. Nós tivemos, nos dias dos antigos, muitos ensinamentos maravilhosos apresentados ao ensinamentos espirituais do mundo por Buda; a grande luz de Shankara na Índia que deu para o mundo a grande Verdade absoluta. Hoje não há ninguém no mundo como Absoluto.

É A Realização, é o ensinamento do Eu não apenas como Deus, mas como indivíduo você e eu. É dado em tais termos como “Eu Sou” ou “Eu sou isso”. De qualquer forma, a mensagem principal é Eu sou. Esse mesmo Eu é Deus. Esse mesmo Eu é individual você e eu individualmente. Aquilo que parece aos nossos sentidos de seres humanos, como o bebê que nasce ou o velho e a mulher que morre, isto não é o Eu. Na verdade, isso não é você ou eu; essa é a nossa falsa sensação de ambos: Deus e homem. Isso é enxergar a falsa visão limitada e finita. Algo que se transformou em crença e nos identificamos com ela, até agora começamos a dizer: “Estou doente, estou bem, sou pobre, sou velho”. E todo esse tempo em que esse Eu sou é Deus.

Foto por luizclas em Pexels.com

É uma questão de identificação, e Shankara percebeu isso através da identificação; ele sabia que “Eu” era a infinita individualidade de todos os homens. Esse ensinamento foi dado novamente, e pela primeira vez no que conhecemos como o mundo ocidental (embora realmente falando, as terras sagradas não estão diretamente no ou do mundo ocidental) como o ensino do Mestre Cristo Jesus. E aqui você tem esse ensino em toda a sua pureza. Você tem esse ensino, não apenas como ensino absoluto, mas você o identifica completamente com nossa existência individual e com nossos assuntos diários. Aqueles que até vislumbraram esse ensino mais cedo do que Jesus o deram mais como ensino, mais como desdobramento ou revelação, e não como algo prático e útil para a nossa vida cotidiana. Mas Jesus trouxe isto à Terra; fez produzir comida para as multidões; fez produzir o dinheiro dos impostos; fez trazer os corpos doentes de volta à saúde e os mortos de volta à vida.

Jesus realmente tornou esse ensino prático. Ele nos deu de uma forma que, se estivermos dispostos a alcançar, dispostos a cavar um pouco, deixará claro e prático para nós. Agora pegue o Evangelho de acordo com João. Você encontrará lá que: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”. . . “Eu sou o pão, o vinho e a água. . . Eu sou a ressurreição. . . Eu sou a vida eterna”. Um pouco mais adiante, você o encontrará dizendo a Filipe: “Você está comigo há tanto tempo, Filipe, e não me conhece? Tu me vês, vês o Pai que me enviou.” “Eu e o Pai somos um.” Agora, se esse ensinamento se referisse apenas a Jesus, teria criado novamente alguém para adorar; alguém separado e à parte do nosso próprio ser. Mas Jesus nunca deu a entender ou ensinou que ele era separado e à parte da grande Verdade do Ser, que era Universal. De fato, ele cumpriu a definição de Bronson Alcott sobre o verdadeiro professor: “o verdadeiro professor é aquele que afasta seus seguidores de si mesmo e os faz perder a fé nele para encontrar a Verdade em seu próprio ser”.

Jesus cumpriu essa descrição do verdadeiro professor. “Minha doutrina não é minha, mas a dele que me enviou. . . Se eu falo de mim mesmo, falo uma mentira”. . . “Eu mesmo não posso fazer nada.”

Agora Jesus, quando falou dessa maneira, estava falando do que parecia a este mundo como sua condição humana, da mesma maneira que qualquer professor dos dias de hoje teria que dizer a mesma coisa para você: “Não me edifique como um salvador pessoal, mas olhe para esse Cristo do seu próprio ser. ” Qualquer verdadeiro professor metafísico hoje deve voltar toda a atenção de si mesmo como pessoa, para o Cristo universal, que é a Ideia Divina do filho de Deus, que é a sua própria consciência.

Você se lembra do que dissemos ontem (Capítulo 4) sobre este Trabalho de Cura:

Não há cura que sai de um praticante para um paciente. A consciência do praticante e a consciência do paciente são uma e a mesma consciência, e essa consciência é Deus.

Não é como um dos meus amigos que costumava dizer: “Joel, existe apenas uma mente e essa mente é a sua.” Isso é verdade até certo ponto. Existe apenas UMA mente e essa mente é a minha mente, mas então sou grande o suficiente para levá-lo também. Essa mente é a sua mente. É o infinito chamado Deus, e é infinito em sua expressão individual para você.

Assim como o número 12 carrega a mesma plenitude do número 12, aparecendo em 12 dólares ou 12 maçãs ou 12 acres, a plenitude dos 12 é incluída em toda manifestação de 12. E assim a soma total de Deus se manifesta no que vemos como o indivíduo você e eu, ou então a Bíblia está errada onde diz que: “Tudo o que o Pai tem é teu. . . tudo o que Eu tenho é teu”. Isso deve ser visto como uma verdade literal. Tudo isso está incluído na divindade; tudo o que está incluído naquilo que chamamos de Consciência infinita, ou Deus; tudo o que está incluído no que chamamos de você e eu individualmente!

Hoje existem pessoas na Terra que são artistas, escritores, escultores, pintores e arquitetos. Podemos fazer o mínimo ou o máximo que desejamos. Nós somos a saída. Nós somos aquele lugar na consciência em que o todo de Deus pode aparecer, se apenas o deixarmos, porque na verdade somos a soma total de todas as qualidades e atividades de Deus.

Deus é a vida, a vida eterna do nosso ser. Esse é o ensino de Jesus Cristo. “Eu e meu Pai somos um”; “Estou no Pai e o Pai está em mim.” Esse é o ensinamento que, finalmente, vamos manifestar aqui.

João, o discípulo amado, teve esta visão: No início do livro de Apocalipse, ele nos diz que a mensagem foi ditada a ele por Jesus. Entendemos metafisicamente que era uma comunicação para ele do Cristo, o Cristo que ele no momento estava traduzindo como o Jesus humano. Quando as pessoas estão sob iluminação, sob orientação divina, muitas vezes lhes aparece na forma de alguém que podem identificar como o homem Jesus. Por quê? Como vimos fotografias, pinturas ou quadros de alguém conhecido como Jesus, e no momento em que o Cristo aparece para nós, nós o colocamos nessa forma. Na verdade, ninguém nos dias modernos jamais viu a forma ou figura do homem Jesus, porque eles não teriam como identificá-lo. O homem que Jesus foi não era um homem branco.

Ele era muito moreno ou quase preto, da mesma cor dos árabes de hoje ou dos antigos hebreus de seus dias; muito poucas pessoas em sua iluminação espiritual viram essa forma. Nós o vemos principalmente como uma forma moderna nórdica ou americana. Quando um hindu é iluminado e sente a Presença Divina de Cristo com ele, é mais provável que seja Buda, Krishna ou Mãe Kali. No entanto, se nos parece um Jesus de pele escura ou Jesus de pele clara ou um Buda ou Shankara, na verdade é o Cristo que nosso senso finito nos apresenta como uma forma tangível para nós no momento. Pode até não ter que aparecer como personagem religioso.

Aqui está uma ilustração de uma história verdadeira:

Nas noites de sexta-feira, o vice-presidente de um banco em Long Island costumava levar toda a folha de pagamento a ser distribuída no sábado pela manhã para a fábrica. Sempre foi um costume dele usar um atalho em um terreno baldio a caminho de casa. Naquela noite em particular, quando ele entrou no terreno baldio, ocorreu a ele que havia esquecido algo. Ele virou deu a volta e voltou, mas não conseguiu encontrar nada que havia esquecido, não se lembrava de nada. Ele disse a si mesmo: “Deve ter sido um erro” e começou de novo. Dessa vez, ele percorreu o terreno baldio e não teve nenhum sentimento. No dia seguinte, o jornal informou que um homem havia sido preso e morto naquele atalho naquele momento. Algum tempo depois, eles pegaram o homem responsável e esse banqueiro, lembrando-se do incidente, pensou: “Será que ele não estava me esperando?” Ele recebeu permissão para descer e falar com o prisioneiro que disse: “Eu conheço você. . . onde você trabalha. Você era o companheiro que estávamos atrás, mas quando você voltou pela segunda vez com os outros dois companheiros que o acompanhavam, sabíamos que estávamos dominados.” Ele não tinha ninguém com ele. Ele tinha um senso Divino de proteção, a Onipresença de Cristo, e isso apareceu no momento exatamente da forma que ele precisava. Ele não precisava da forma de Jesus, mas de dois guardas fortes no caminho dos guias. Agora, onde estava o Cristo?

Estava na consciência do banqueiro o tempo todo!

Foto por Andrea Piacquadio em Pexels.com

Sempre esteve dentro. Lembremo-nos disso à medida que avançamos um pouco mais. João, que viu a cidade não feita com as mãos, e Jesus, que viu o Reino de Deus na Terra – ambos tiveram a verdadeira visão de Cristo.

Essa é apenas uma opinião pessoal e ninguém precisa aceitar ou acreditar. Por acaso, acredito que João foi o único dos discípulos, provavelmente a única pessoa daquele período além do próprio Mestre, que captou a visão completa e total da Vida Espiritual, do paraíso na Terra. Um ponto particular em sua revelação que nos deixa claro é o entendimento e a percepção de que o céu e a terra estavam aqui, e que não havia poder real do mal e que o céu e a terra são um, não dois.

Isso é mostrado claramente (e espero que todos vocês tenham a oportunidade de ler essa maravilhosa revelação) no livro de “Marchette Chute, The End of the Search”. Não conheço nenhuma tradução ou explicação sobre o Apocalipse igual à dela. É tão claro, tão conciso, tão absolutamente real que você quase consegue sentir a terra desaparecer sob seus dedos, enquanto ela descreve todos esses erros, ou o que o mundo chama de erro, desaparece e se derrete na unicidade de Cristo.

Você deve se lembrar que Jesus deixou claro que esse desdobramento da verdade espiritual não é verdade sobre erro, nem bem sobre o mal, nem Deus sobre o diabo. Esse foi o grande erro das Escrituras hebraicas:

Essa grande crença de que existe um grande poder que supera todos os outros poderes, um grande poder, uma grande sabedoria ou uma grande inteligência que elimina o pecado, a doença ou os exércitos opostos. Essa é toda a história do povo judaico dos primeiros dias, essa crença em um grande, grande poder que tem poder para destruir todos os poderes do mal. Jesus nunca nos deu esse ensinamento, Jesus foi muito mais alto. Ele entendeu que, como Deus é Espírito e o Espírito é tudo, não há poderes menores. Nenhuma realidade para o mal.

Você recebeu isso claramente na maravilhosa lição diante de Pilatos, quando Pilatos disse: “Não sabes que tenho poder para te crucificar ou libertar?” E Jesus respondeu: “Você não poderia ter poder sobre mim, a menos que lhe fosse dado do Pai.” E, é claro, aquele outro grande exemplo em que Pedro ao cortar a orelha do servo porque eles iam levar o Mestre à prisão, e Jesus lhe disse: “Guarde a tua espada. Aqueles que vivem pela espada morrerão pela espada. ” Se você usar o poder material para me ajudar a viver, você morrerá pelo mesmo poder material.

Se você pensa por um momento que vai viver de alguma forma de poder ou bem humano, seja na forma de dinheiro no banco ou de um exército na frente, ou de medicina ou cirurgia, você descobrirá que, em última análise, também morrem por isso.

A menos que você encontre sua segurança e confiança no Espírito, em Deus, você sempre estará lutando contra o erro de alguma forma, assim como estará usando uma forma de erro para superar ou destruir outro. Os hebreus, quando estavam usando o que pensavam ser o Senhor Jeová para vencer os exércitos dos alienígenas, estavam vivendo através da espada, pelo poder humano e, finalmente, esse mesmo poder os destruiria. Há um exemplo disso em nossa própria história moderna:

Quem estiver familiarizado com os eventos mundiais se lembrará de como a Inglaterra e a França construíram Hitler para que ele pudesse se erguer e destruir os russos e, assim, salvar a Inglaterra e a França. Quando o construíram apenas o suficiente, ele se voltou contra eles. Essa é a história do mundo. Se você vive pela espada, você morre pela espada. Nunca pense que você se beneficiará com a perda de alguém.

Todo o poder mortal e material desaparece no final das contas, mas quando você vem a Cristo, a Deus ou a Verdade, não chega a um poder que irá superar seus erros. Você chega ao único poder que existe, no qual não há erro. Esse é o verdadeiro segredo da mensagem de Cristo: “Você não pode ter poder a menos que venha do Pai”.

Guarde sua espada. Se você viver pela espada, você morrerá pela espada! Paulo levou esse ensino de Jesus para uma parte maior do mundo. Até a época de Paulo, acreditava-se que essa mensagem era realmente apenas para os hebreus, que eles eram as únicas pessoas prontas e não havia sentido em transmiti-la a mais ninguém. Mas Paulo teve uma visão mais ampla. Ele viu que você poderia levá-lo ao mundo e entregá-lo a todos que tivessem uma consciência pronta.

Essa prontidão de consciência tinha a ver apenas com o seu desenvolvimento individual.

Esta mensagem metafísica não é reservada para nenhuma pessoa em particular. O judeu é tão capaz de recebê-la quanto o gentio; assim como os muçulmanos e os hindus como cristãos. Mas somente aqueles de todas as fés podem recebê-lo com uma consciência preparada. Você poderia ser um cristão e, se sua consciência não estivesse pronta para essa Verdade, não poderia apreciá-la completamente. Não é uma questão de raça ou religião, mas de salvação individual, prontidão individual. É uma questão de consciência.

Paulo transmitiu a mensagem e qual foi a mensagem que ele transmitiu?

“Vivo, mas não eu, o Cristo vive em mim.” E lembra de Jesus? “eu de mim mesmo não posso fazer nada.”

Em outras palavras, Jesus viu esse grande poder em um sentido pessoal como o Pai, enquanto Paulo o capturou como o Espírito de Deus, ele capturou o Cristo nele. Novamente, o nome não significa nada. O que conta é se você consegue captar a sensação ou o sentimento de uma Presença interior, de um poder interior, de algo mais elevado do que o seu ser humano. Os chineses, Lao Tzé, captaram a visão e a chamaram de Tao; Abraão chamou de Amigo; Jesus chamou isso de Pai; Ramakrishna chamou de Mãe Kali; Paulo chamou de Cristo interior. O termo que você usa não tem importância. O que é importante é: você capta um sentimento interior, uma consciência, uma luz ou um brilho interior? Se o fizer, não faz diferença o nome que você chama ou se o vê como pessoal ou impessoal. É “Isto.”

Ao longo dos tempos, você descobre que os homens apareceram e reapareceram com alguma medida deste Cristo. Todos não o viram em sua plenitude, mas quase todas essas pessoas viram algum grau disso. Ele está no exterior novamente no mundo hoje, e novamente no exterior apenas na medida da compreensão do indivíduo que o está apresentando. Provavelmente ainda não existe, como uma revelação ou desdobramento completo e perfeito, mas você encontrará essa tendência mística, essa mensagem mística da Unicidade, o único poder, que atravessa muitos dos ensinamentos modernos. Você encontrará outra sensação disso percorrendo Allen Boone em seu “Letters to Strong Hearts”, que traz uma grande sensação das relações internas que nos tocam em nosso reino animal; você também encontrará essa luz mística das Eras antigas até o presente e será tão bem-vinda que livros como Filosofia Perene de Aldous Huxley e homens que andaram com Deus por Cheney se tornaram best-sellers.

Esse ensinamento, portanto, está no exterior, e agora chegamos à provavelmente a maior riqueza que podemos conhecer, a qual é que nascemos nesta Era em que os ensinamentos místicos estão alcançando um nível mais alto jamais conhecido, exceto provavelmente na experiência do Mestre e João (e somente na experiência individual). Nesta Era, será possível para você e para mim atingir alturas de entendimento e demonstração nunca antes conhecidas, exceto por um ou dois indivíduos. A razão disso é a seguinte: é nesta Era, pela primeira vez, que a Natureza do erro está sendo divulgada ao mundo em geral. Todos vocês concordarão comigo que, se não fosse por alguma forma ou fase de erro, nenhum de nós estaria aqui. Alguma forma ou fase do erro nos levou a ensinamentos metafísicos, e o erro continuará até que sua verdadeira natureza seja conhecida. Por quê? Porque se o erro como pecado ou doença existisse como Realidade, estaríamos na mesma posição do ensino judaico de procurar um Deus para vencer o pecado e a doença. Estaríamos procurando um grande poder do bem para nos ajudar a superar algum poder do mal; pela Verdade com a qual combater o erro; para um Deus batalhar com o diabo. E, na medida em que fazemos isso, estamos de volta à era judaica.

Então, nesta Era, estamos aprendendo que a Natureza do erro não é algo de Natureza Real a ser superada ou destruída, mas é pura ilusão, uma crença, uma suposição que foi construída na consciência humana. E não estamos agora no caminho de destruir o erro, mas apenas no caminho de saber que ele não existe como Realidade.

A miragem do deserto, os céus sentados na montanha, os trilhos se juntando à distância, a cobra em vez de uma corda, tudo isso deve mostrar, não que haja um Deus, um poder para corrigi-los ou destruí-los, mas que estes não têm existência real.

Vivemos na era em que não procuramos mais uma causa de doença, porque sabemos que a doença não existe, não existe realidade. Você já parou para pensar quantos praticantes existem no mundo que, contrariamente às crenças médicas, não conseguem lidar com a infecção e o contágio da prática em que estão envolvidos? Quão maravilhosamente eles passam por sua prática sem pegar essas doenças! Isso não seria se essas doenças fossem realidades. Agora, o trabalho em que estamos envolvidos é apenas parcialmente a realização da Unidade de Deus e do homem, porque, pelo menos intelectualmente, todos sabemos disso e o aceitamos. E, portanto, temos apenas mais um passo a percorrer e é percebê-lo.

O principal trabalho que temos a fazer é atingir à consciência, a Consciência Real do nada daquilo que aparece como pecado e doença, para que não mais critiquemos, julguemos ou condenemos aqueles que neste momento parecem estar se entregando a isso; pelo contrário, recuamos e sorrimos, sabendo a irrealidade dela e também a liberdade suprema daqueles que, mesmo neste momento, parecem estar presos a ela.

Agora, em nossa antiga forma teológica de viver, podemos ter nos voltado para o homem Jesus e procurado por ele por nossa ajuda, ou se éramos de outras religiões, poderíamos ter olhado para Deus no Céus. Mas, a partir deste momento em que entramos no mundo espiritual, não olharemos para mais ninguém. Vamos olhar para esse Cristo impessoal, o Pai interior; o Cristo que vive em mim. Embora recorramos a alguém em busca de ajuda temporária a um praticante ou a um professor para obter ajuda ou ensino, não vamos acreditar que a mente ou a consciência pela qual eles estão falando são outras que não a nossa. Não estamos aceitando a crença de que o poder que traz nossa cura vem de qualquer Verdade que não seja nossa própria consciência. Se você vê a consciência de seu praticante ou professor como outra que não a sua, você está se enganando ao entrar no Céu. O Céu, ou Harmonia, é Divina, mas é a sua própria consciência, e é dentro da sua própria consciência que tudo isso começa.

Aqui temos o Mestre: “Se eu não for embora, o Consolador não virá até você.” Você sabe que mesmo os discípulos, depois de ficar com ele por três anos, trouxeram seus casos difíceis para ele resolver. Você pensaria que depois de três anos com ele, eles souberam o suficiente para conhecê-los. Eles tiveram que correr para Jesus. Jesus sabia e viu isso, e então lhes disse: “Se eu não for embora, o Consolador não virá até você”. Agora, da mesma maneira, mais cedo ou mais tarde, algum profissional ou professor vai dizer essas mesmas palavras para você. “Se eu não sair da sua vida, você me olhará para sempre e é melhor encontrar essa coisa em sua própria consciência!”

E assim, os praticantes e os professores que hoje estão direcionando você cada vez mais para a consciência de seu próprio ser, para a emanação Divina de seu próprio ser, para a absoluta e absoluta confiança no Cristo de seu próprio ser, eles estão realmente mostrando o caminho para o Céu. O caminho para o Céu é o caminho para sua própria consciência. Não vamos esquecer isso. Nunca transfira poder para seu médico ou professor, mesmo quando você os apela. Mesmo que o praticante ou o professor o convoque, saiba que a ajuda, em última instância, vem de sua própria consciência.

O ROUXINOL DO ORIENTE

Foto por Erik Karits em Pexels.com

Entre as terras floridas de um jardim no Egito, estava um rouxinol de grande beleza. Sua música alta encheu o oásis com melodia vibrante. Sua música era uma canção de amor; uma mensagem de paz vinda do coração do infinito, acalmando as ondas do mundo dos sentidos. Tu sabes, ó bardo, da paz que sai com a tua canção? Conhece tu a contenda que a melodia acalma da tua garganta? O rouxinol não conhece o poder de sua música e menos a inquietação que é silenciada por seu som. Assim você deve ser como o cântico de Deus derrama de você – os portadores dispostos da mensagem divina, mas inconscientes do poder do seu ser, e ainda menos conscientes dos corações perturbados que aquietam com a melodia do amor. (Joel Goldsmith)

Joel – Transportadores da Mensagem Divina – Capítulo 5 – Palestras de San Franscico

Autor: CAMINHO INFINITO NA PRÁTICA - reggisbrother

Coach Místico. Não sou nada. Não busco nada de ninguém. Nunca serei nada e nem posso querer ser nada. Apenas compartilhando a Graça.

4 pensamentos

  1. querido amigo,em primeiro gostaria de lhe dar os parabens e minha sincera gratidao pelas traducoes,e tambem queria pedir autorizacao se posso colocar em audio as suas aulas pois minha mae e mas duas pessoas nao conseguem ler ,seria de grande utilidade se voce me autorizar farei desde ja agradecida ,

    Curtido por 1 pessoa

      1. sim ,obrigada pelo link,e que no seu canal tem as licoes diarias ,sao mas curtas e para quem nao sabe ler seria mas interessante licoes curtas,mas estarei entrando em contato com a senhora dos videos ,desde sempre agradecida pelo belissimo trabalho,que voce seja sempre iluminado e agraciado pela presenca ,um somos nos ,namaste

        Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s